(pt) Informação boletim Alternativa Libertaire - Alsace, No. 55 - março 2016 (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 3 de Março de 2016 - 12:10:46 CET


ideias MEDEF engendrar B'El Khomri-es A FN eo direito ter sonhado, o PS fez! ---- A 
exploração Ministro do Trabalho, em breve defender as idéias do MEDEF no Parlamento, 
apenas algumas semanas após o mesmo Parlamento, por iniciativa do chamado partido 
socialista começou o processo de registro para o Estado de emergência e de privação da 
nacionalidade na Constituição sob o incentivo benevolente do FN eo direito. A festa 
continua a quebra metódica do código do trabalho, que começou em 2013 com a lei ANI, em 
seguida, em 2015, com a lei Macron: essas leis já favorecida "flexibilidade laboral", 
repetida como um mantra por governantes anteriores e procurou chifres e gritos por Gattaz 
(filho de seu pai já "chefe dos chefes" na década de 1980), em todos os meios de France. 
As disposições do novo projeto são diretamente inspirado pelos projetos MEDEF. Julgue por 
si mesmo!

Trabalhar mais ... ganhando menos!

A semana de trabalho legal permanecerá 35 horas. Mas a máxima, que anteriormente era 44 pm 
durante doze semanas consecutivas, pode subir para 46h por dezesseis semanas consecutivas. 
Em caso de "circunstâncias excepcionais", que poderia até mesmo ser de até 60 horas e não 
pode ser superior a doze horas por dia. O projeto também propõe aumentar a duração legal 
dos aprendizes dia de trabalho em 10, se o patrão quer. Ele simplesmente irá notificar o 
medicamento. Olá danos sobre as condições de saúde e de vida!

Além disso, pagamento de horas extras seria necessariamente um aumento de 25% (a partir do 
36), mas ele poderia estar em uma taxa mais baixa (até um piso de 10%) em caso de acordo 
com o sindicatos maioritários na empresa. Se nenhum acordo com eles, a administração da 
empresa poderia fazer sem obter directamente o acordo da maioria dos funcionários, a 
organização de um referendo. Com tudo o que implica pressão e chantagem sobre estes 
funcionários para fazer pender a balança em seu lado, com a ajuda de HRD e meios de 
comunicação locais.

Cabeça para baixo, cale-se, ou tomar a porta!

Os "contratos de manutenção no emprego" imposta em 2013, desde que uma reunião de negócios 
"dificuldades económicas" poderia reduzir as horas de trabalho de um empregado - e seu 
salário na devida proporção - ou melhor, o aumento - sem aumentar o seu salário - ou 
ajustar seu tempo de trabalho, tudo em um máximo de cinco anos, desde que um acordo nesse 
sentido foi assinado pelos principais sindicatos na empresa. Com a nova lei, seria 
possível mesmo que a empresa não encontre qualquer dificuldade e sem limite de tempo. Em 
suma, a boa vontade do chefe! Porque, mais uma vez, a gestão poderia fazer sem o acordo 
dos sindicatos majoritários na organização e ganhar um referendo na empresa. E o 
funcionário que recusou poderia ser demitido por "justa causa".

Lay off é quando eu quero, como eu quero!

As condições econômicas que permitam a cessação seria ampliado e reduzido. Situações já 
programadas para "mudanças tecnológicas" já está para além dos "reor-nização necessária 
para salvaguardar a empresa" ou "dificuldades económicas" como "uma queda nas encomendas 
ou vendas de vários trimestres consecutivo, em comparação com o mesmo período do ano 
anterior; perdas operacionais durante vários meses; deterioração significativa em 
dinheiro, ou evidência para provar essas dificuldades. " E você pode contar com a 
maquiagem das contas para exibir como "esses elementos" sempre que a administração da 
empresa considere adequadas.

A inclinar-se a liquidação final!

A cereja no topo do bolo oferecido aos clientes, indemnizações por despedimento teria um 
limite máximo de três meses de salário se você tem menos de dois anos de serviço, seis 
meses entre dois e quatro anos, nove meses entre cinco e nove, doze meses a dez em 
dezenove 15 meses além. Esse incentivo a despedir mais frequentemente idosos!

E uma medida de exceção adicional!

Ao priorizar o acordo de empresa sobre o acordo ramo, dando a possibilidade de contornar 
os sindicatos por atomização os travailleurEs a organização do referendo, o projeto tem 
como objetivo fortalecer o poder corporativo. E do espírito ditatorial que inspira 
refletida a intenção já reivindicado por Valls da adopção pelo processo especial do artigo 
49-3. Ineficazes contra o desemprego, é bem em linha com o estabelecimento do estado de 
emergência por um governo que governa mais do que depender de leis de emergência e estados.

Basta dizer que ele requer uma reação maciça e resoluta de todos, vítimas ou potenciais 
vítimas desta reforma no local de trabalho e na rua.

Publicado 25 de fevereiro de 2016 por CAL Alsace

http://alsace.alternativelibertaire.org/spip.php?article784


More information about the A-infos-pt mailing list