(pt) [Itália] 18 de junho. Um percurso contra os muros, as fronteiras e a repressão By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 29 de Junho de 2016 - 11:11:55 CEST


Turim. As nuvens continuaram a se reunir ao longo do dia, mas pela primeira vez em junho 
deste ano, o que lembra a novembro, houve uma tempestade. O dia começou na parte da manhã 
no “Balon” com uma cobertura informativa das paredes sem fronteiras, negócios do 
transporte e da hospitalidade, continuando à tarde com a marcha contra a repressão. ---- A 
marcha, por sua vez, começou a partir da “Piazza Castello”, alcançando a “Porta Palazzo” e 
terminou na “Piazza Crispi”. Inicialmente era um momento da campanha de rejeição de 
proibições de residência em Turim, dos 12 antirracistas, banidos em um dos muitos 
episódios de combates na cidade, um balde de merda lançado contra a Ladisa – a empresa que 
serve comida com vermes para os internos da CIE. O desfile se tornou demonstração 
comunicativa contra as muitas manobras repressivas que investem em Turim e seus vales, 
porque na terça-feira, dia 14, o tribunal de revisão avaliou a ausência da infração de 
violência doméstica e desclassificou o balde de merda lançado contra a Ladisa a mero dano. 
A infração de dano criminal não envolve o uso de medidas de precaução. Os 12 bandidos 
foram assim libertados da proibição para ficar em Turim, que se revoltara publicamente na 
semana passada, lendo uma declaração coletiva para os microfones de rádio blackout e, em 
seguida, saindo para demonstrações na rua.

Para uma boa história finita existem dezenas que mostram a crescente capacidade de usar o 
conceito de “periculosidade social”, um dispositivo típico do direito penal do inimigo, 
atacando os rebeldes e a favor da ordem estabelecida, independentemente da textura real 
dos crimes pelos quais se leva o caso a julgamento. Ou pior, com ferramentas tais como a 
vigilância especial, o Judiciário demonstra não ter o mesmo peso na construção de uma 
investigação sobre casos específicos, mas priva de liberdade apenas com base das 
personalidades políticas daqueles que são investigados. Para não mencionar as centenas de 
anos de prisão infligidas a dezenas de ativistas em Turim e Val Susa, muitas vezes sem a 
concessão de suspensão da pena.

Em Turim, a luta contra a repressão nos últimos 10 anos tem sido patrimônio de uma minoria 
muito ativa de companheiros, que compreenderam a inclinação vertiginosa em que foi 
seguindo a promotoria, cada vez mais empenhados em usar, muitas vezes distorcendo os 
fatos, todos os mecanismos repressivos disponibilizados pelo código criminal.

Muitos outros tinham preferido se concentrar apenas sobre a continuidade das lutas, sem 
empenhar energia em campanhas antirrepressivas em específico.

A marcha de 18 de junho marcou um alargamento da frente da luta contra as manobras 
repressivas da polícia e Ministério Público.

O desafio é difícil, mas emocionante.

A Democracia não permite a dissidência real, se não em palavras, e nós sabemos bem. É 
tempo que essa consciência aumente para aqueles que lutam, sem a ilusão de que há espaço 
para mudar o curso dentro do quadro institucional. Sem acreditar que existem atalhos, ou 
magistrados amigos e poderosos bons.

Fonte: 
https://anarresinfo.noblogs.org/2016/06/19/18-giugno-in-strada-contro-muri-frontiere-repressione/

Tradução > Liberto


More information about the A-infos-pt mailing list