(pt) France, Alternative Libertaire AL n° special - Debates: Em torno da obra de Irene Pereira (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 18 de Julho de 2016 - 12:06:30 CEST


É para um pragmático teoria crítica que levar os livros Irene Pereira. ---- Pragmático 
porque baseia seu estudo das relações sociais sobre a ação, ou melhor, a interação. 
Fundamental, porque, desta forma, procura destacar as formas de dominação, desigualdade, 
em suma, para realizar diversas formas de opressão dentro de uma sociedade dividida em 
classes. No entanto, ela se recusa a-le-s intelectual estatuto de neutralidade e 
externalidade vis-à-vis o seu objeto de estudo. Neste ela se opõe a sociologia positivista 
da inspiração de Durkheim. ---- Portanto, não é o intelectual-que revelam o domínio 
oculto, ele é subjetivamente experimentado por indivíduos que atestam a esta dominação 
pela resistência eles e eles implementar para resistir. Mas ela não compartilhar uma 
sociologia chamado de "abrangente" (ou Diltheyan de inspiração weberiana), o que implica 
em vez disso que o sociólogo ou tem uma afinidade com o seu objeto de estudo (deve 
"compreender" as intenções agentes que ele ou ela estuda).

O ponto comum entre esses dois atual é que eles pretendem produzir conhecimento sobre a 
realidade. Mas é como um intelectual e ativista que o autor tenta gerar conhecimento da 
realidade social. Assim, o pragmatismo crítico é estabelecer uma teoria, não a partir do 
estudo da realidade social, mas do compromisso (de ação) nesta realidade. É, portanto, 
através de "experiências" que se torna possível produzir conhecimento emancipatório.

Numa altura em que, mais do que nunca, a produção de conhecimento acadêmico é separada das 
condições materiais de vida das populações que são objecto destes estudos, não é de menos 
interesse em participar na construção de um saber da prática social. Ancorando em ação é o 
ponto de partida de Irene Pereira e não seu ponto final.

Zero emancipação através do conhecimento puramente "científica" Então - a maneira Lenin 
queria as massas informados e guiados por sua ciência marxista. Fechar no sentido da obra 
de Jacques Rancière, cita, o autor, em vez envolvidos na produção de conhecimento 
emancipatório da ação, fazendo com que os agentes autonomia intelectual para a análise de 
sua situação.

O pragmatismo crítica é principalmente uma obra de epistemologia que visa promover uma 
forma original de teoria do conhecimento em ciências sociais, que começa a partir do 
estudo da ação coletiva, em vez de estruturas sociais. Portanto, ele discute muitas 
posições nas ciências sociais, que podem parecer de menor interesse para os leitores não 
familiarizados com a história da ciência social.

No entanto, Trabalho e luta aparece como a prática da teoria clara de conhecimento no 
primeiro livro. Assim, se o ponto de vista do autor, é óbvio que não se vai sem o outro, 
parece mais adequado recomendamos a leitura do último livro do militante ou que não quer 
aprofundar os estudos das ciências sociais, mas a pesquisa por contra uma análise teórica 
de situações de vida (o autor desenvolve seu próprio como guardião museu de experiência ou 
estagiário de educação).

Esta análise revelou que em geral pode ter uma experiência especial da injustiça e da 
opressão, como a invisibilidade das tarefas que o autor teve que fazer quando ela era o 
guardião do museu, ou de suas condições de trabalho em Educação (é creditado com tal nicho 
durante a noite de sexta 16 pm a 18 pm que nenhum estudante feito normalmente-e é capaz de 
seguir corretamente) e sua não-permanência durante sua estágio como um professor de 
filosofia no chão tal inspeção secundária de um curso em uma classe considerada muito 
difícil por todo o corpo docente.

Notamos de passagem honestidade ao mesmo tempo comovente e fato de que o autor evoca 
quando as evidências das dificuldades, embora recorrente entre professor-es (não apenas os 
alunos!) São muito raramente expressa instigante e muito menos profundamente analisado. 
Isso é quando toda a máquina repressiva da Educação, tanto para alunos do que para os 
professores, que é analisada a partir de uma experiência vivida, necessariamente especiais.

Gougeon Bernard (AL Tarn)

O pragmatismo crítico. A ação coletiva e as relações sociais, L'Harmattan, Paris, 2016.
Trabalhar e lutar. ethnobiographie auto-teste, L'Harmattan, Paris, 2016.

http://www.alternativelibertaire.org/?Debats-Autour-des-travaux-d-Irene


More information about the A-infos-pt mailing list