(pt) Coletivo Anarquista Bandeira Negra cabn - A arte que queremos neste Sarau 1º de maio

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 25 de Fevereiro de 2016 - 14:05:26 CET


Pelo segundo ano consecutivo realizaremos o Sarau 1º de maio. O Sarau tem por objetivo 
retomar uma data fundamental na história da construção da ideologia anarquista. O momento 
emblemático é a luta de dedicados militantes, de homens e mulheres que, na terra de Obama, 
em 1886, ocuparam as ruas e a Praça de Haymarket, em Chicago, para reivindicar 8 horas 
trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso. A repressão policial a mando dos 
governantes, em defesa dos interesses dos patrões, levaram os nossos irmãos ao cárcere e à 
morte. Os nossos mártires de Chicago. ---- Outro objetivo do Sarau é reunir companheiros e 
companheiras que atuam nas lutas sociais em Joinville/SC. É o momento para socializar as 
expressões artísticas que a companheirada deixa guardada nos cantos do seu quarto, até 
mesmo numa caderneta surrada na sua mochila. É o momento para dividir o pão e a poesia, o 
bolo e a canção, a bebida e a fotografia, os biscoitos e o teatro.

No próximo 1º de maio nos encontraremos para sorrir, amar, refletir, até mesmo para 
enxugar lágrimas por conta da pesada rotina repressiva encabeçadas pelos governos e 
patrões. O Sarau é momento dos lutadores e das lutadoras, desde as crianças aos velhos e 
velhas. Trocamos olhares silenciosos de cumplicidade militante, fazemos dos nossos 
corações reservas de liberdade e igualdade.

Apresentação teatral durante o Sarau 1º de Maio em 2015. A foto é do Coletivo Metranca.
O processo de organização da atividade é composto por muito trabalho voluntário. 
Encontramos forças entre os dias e as noites de intensas cores vermelhas e negras que 
guiam os nossos corpos e mentes nas ruas, nas praças, nos bairros, nos postos de trabalho 
e estudo. Definimos coletivamente quem fará o quê, as razões para fazer, o que será 
possível oferecer e os objetivos. É uma prática baseada na igualdade e liberdade, sem 
hierarquia. Ações que definimos como autogestão, solução que oferecemos em pequena medida 
como alternativa para o mundo competitivo do capitalismo. Frente à dominação do Estado e 
do capitalismo, resistimos e construiremos um amanhã baseado na autogestão.

Ao abordamos a companhareirada com objetivo de convidarmos para apresentar as suas 
expressões artísticas no Sarau, é comum ouvirmos: “O que escrevo não tem relação com o 
tema do evento” ou “será que a minha música se encaixa com a proposta?”. Compreendemos as 
inquietações, as dúvidas. O que nos motiva a convidar não objetiva moldar quais as 
expressões são corretas para a luta popular. Porém, algum critério é necessário adotar; o 
nosso critério é criar um ambiente arejado para militância e setores próximos do CABN 
apresentarem a sua arte.

Quando convidamos os irmãos e as irmãs de classe, não temos por objetivo canções que 
remetam aos mártires de Chicago, menos ainda que as manifestações artísticas expressem 
segundo as regras de realismo socialista revisto. Não pretendemos ditar as formas, os 
conteúdos e a estética. O principal objetivo é envolver todos e todas ao que temos como 
parte da nossa constituição enquanto sujeitos históricos, as expressões atuais que 
contribuem em nossa identidade como povo oprimido. Como a arte deve compor o Sarau 1º de 
maio? Neste momento, a resposta é que a arte pode vir de quem entrega a sua vida na luta 
por um mundo sem mais opressões. É esta arte que queremos neste Sarau 1º de maio.
Por Flavio Solomon, militante do Coletivo Anarquista Bandeira Negra

http://www.cabn.libertar.org/a-arte-que-queremos-neste-sarau-1o-de-maio/


More information about the A-infos-pt mailing list