(pt) France, Alternative Libertaire AL #257 (Jan) - Brasil: Contra a criminalização do aborto, legalização! (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 21 de Fevereiro de 2016 - 10:55:44 CET


Final de 2015, o Brasil experimentou um grande movimento feminista na sequência de uma 
proposta legislativa para restringir ainda mais o aborto ea contracepção de emergência. 
Contra ataques de conservadores e suas igrejas, os brasileiros têm mostrado que eles não 
pretendem deixá-los decidir. ---- A questão do aborto no Brasil tem sido discutida por 
ambos os movimentos feministas que a franja conservador do país. Na verdade, o aborto 
ainda é amplamente percebida pela maioria dos brasileiros e do Brasil como um crime, como 
foi confirmado pelo código penal, que estipula que "qualquer pessoa que tenha um aborto 
por si mesmo ou permitir que outra pessoa para ajudar é propensos a receber uma sentença 
de três anos de detenção. " No entanto, o aborto no Brasil foi até então era legal quando 
realizado por um médico nas três situações seguintes: se a gravidez representa um risco 
para a vida da mãe, quando a gravidez é resultado de um estupro e quando o feto é portador 
de anencefalia (ausência parcial ou total do cérebro, do crânio e couro cabeludo). É 
apenas nestes casos que o governo brasileiro oferece este serviço gratuitamente através do 
SUS - Sistema Único de Saúde.

Por outro lado, o aborto não é criminalizado quando realizadas fora do território 
nacional. Também é possível fazer um aborto em clínicas particulares, mas novamente para 
escolher um preço: cerca de cinco salários mínimos. Basta dizer que só as mulheres ricas 
podem pagar um aborto sem arriscar suas vidas. Um projeto de lei (1135) havia sido 
proposto em 1991 por dois Partido dos Trabalhadores do MP (PT, o partido no poder) e 
destinava-se a legalizar o aborto. Este foi ainda aprovada em maio de 2008 pela Câmara dos 
Deputados! Antes de ser rejeitado pela comissão de cidadania e justiça determinou 57 votos 
contra e 4.

A questão da legalização do aborto há muito tempo passou no esquecimento ... No entanto, 
em 2013, cerca de 865.000 mulheres que tiveram o recurso ao aborto ilegalmente no Brasil, 
em mais de condições precárias, as conseqüências de suas saúde são irreparáveis. Na 
verdade, cerca de 205 mil deles tiveram de ser hospitalizados devido a complicações 
pós-aborto. Para outros, é a morte: a mulher brasileira morre a cada dois dias após um 
aborto ilegal. Por outro lado, a escolaridade de grande parte da população e à falta de 
informação e de acesso aos métodos contraceptivos aumenta drasticamente o número de 
gravidezes não desejadas. Aqui, novamente, são as mulheres mais pobres, a maioria dos 
quais são mulheres negras, que sofrem com essa falta de acesso à contracepção e deve 
recorrem ao aborto clandestino, colocando suas vidas em perigo por não as crianças não 
podem dar ao luxo de levantar.

Impulso reacionário

O papel das igrejas e das diversas correntes religiosas presentes no Brasil, especialmente 
néopentecôtistes não deve ser negligenciada. Na verdade, eles estão muito presentes em 
todo o território, incluindo nos bairros populares e despejar seu anti-aborto e propaganda 
repugnante anti-feminista. O aborto é, assim, visto principalmente como um debate 
religioso no seio da sociedade. Recentemente reforçado pelos protestos da oposição e 
direita conservadora contra o governo de Dilma Rousseff, em si atolado em escândalos de 
corrupção e conflitos sociais, alguns deputados reacionárias decidiu usar um grande golpe 
para a legislação sobre aborto.

Na verdade, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, um evangélico que 
pertence a uma igreja pentecostal, acaba de passar uma lei (5069), que visa tanto para 
limitar o aborto em casos de estupro, incluindo a procura mulheres para provar que eles 
foram estupradas por queixar-se e submeter-se a um exame médico, susceptíveis de fornecer 
"prova" de estupro ... todos dizem que isso é simplesmente proibir o aborto estupro, já 
que muitas mulheres vão dar este passo? Que sobre a violação conjugal? Quantas mulheres 
serão considerados como efectivamente estuprada por muitos médicos são contra o aborto? De 
acordo com o Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, 36% das mulheres que 
recorrem ao aborto legal são crianças e meninas que sofreram violência sexual, muitas 
vezes em sua comitiva, já que ' é geralmente o caso de estupro.

Como se isso não bastasse, a lei anti-aborto também planeja aumentar as penalidades para o 
uso e assistência ao aborto (entre 4 e 8 anos e para o profissional-S-5-10 sentenças ano 
de prisão pode ser aumentada de um terço, se a mulher que aborte é menor) e para proibir a 
pílula do dia seguinte. O que as mulheres devem ser justificadas? Para ter o direito de 
decidir? Que seu corpo lhes pertence?

Feminista Primavera

É com raiva e fúria que os brasileiros saíram para as ruas para protestar contra mais um 
ataque travada contra eles. No ano passado, eles estavam andando ao lado de centenas de 
mulheres grupos, associações e organizações do movimento social, em grandes cidades como 
Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e em vinte estados países. Eles exigem a 
legalização do aborto e que a pessoa pára de legislar em seu útero. Eles foram violadas ou 
não, eles têm o direito de escolher se querem ou não ser mães. Cantando "Fora Cunha" ou 
"Legalize! O Corpo e Nosso! E Nossa ESCOLHA! E pela vida das Mulheres! "As mulheres 
brasileiras têm demonstrado ao longo dos passos e ações que eles não deixam fazer. Tanto é 
assim que alguns jornais não hesitou ao apelido do movimento feminista Primavera. Deve ser 
dito que, desde 2013, o enorme movimento contra o aumento do preço dos transportes e 
contra limpeza social gerado pela Copa do Mundo, o movimento social brasileiro lutou para 
recuperar o ímpeto digna desse nome.

Estas manifestações feministas demonstrar um retorno à luta, mesmo que os reacionários são 
caras durões ... Cunha A lei passou, mas a luta feminista não termina aí ea resistência é 
organizado a cada dia, de modo que as mulheres continuam tem a opção, tendo o mínimo de risco.

Rio de Janeiro ativistas anarquistas ea Comissão Internacional de AL

http://www.alternativelibertaire.org/?Bresil-Contre-la-criminalisation


More information about the A-infos-pt mailing list