(pt) anarkismo.net: Operação Lava Jato: comunicação mediada e apelação midiática by BrunoL

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 16 de Agosto de 2016 - 09:32:02 CEST


Desde que foi lançada, a Operação é uma campeã de audiência e recordista nacional em 
exposição seletiva. ---- A Operação Lava Jato é um marco na história brasileira em todos 
os sentidos. Ao afirmar que é marcante e criva um paradigma, não me refiro a esta operação 
jurídico-policial como necessariamente positiva. No final das contas, o volume de dúvidas 
é equivalente ao de certezas. Ficamos na dúvida se a operação criminaliza toda atividade 
de Estado e nos certificamos que as empreiteiras de sempre são culpadas de novo. ---- Este 
marco da Lava Jato também implica na ascensão de uma nova elite do Estado. 
Definitivamente, vivemos um período de restauração de tipo republicana, com discurso 
jacobino, práticas liberal-oligárquicas e a representação da “pureza” por parte de 
magistrados federais, promotores e procuradores, além de delegados da Polícia Federal.

Assim, a exibição midiática das punições ao andar de cima, traz consigo a significação 
dupla: por um lado, e corretamente, dá vazão ao anseio popular do Estado vingador, punindo 
aos crimes de elites como sente na pele (literalmente) a ação do sistema criminal. Por 
outro lado, não entra em debate de modelos, e assim, garante a permanência das 
instituições de Estado tais como são ou estão, sem criticar as formas de funcionamento 
reais, apenas louvando o empenho dos “jovens procuradores” e setores afins.

A hiperexposição midiática

Desde que foi lançada, a Operação é uma campeã de audiência e recordista nacional em 
exposição seletiva. Além da hiperexposição por parte dos maiores conglomerados de mídia 
brasileira (Globo, Abril, Folha e Estadão), vem havendo um esforço por parte do Ministério 
Público Federal (MPF) a difundir as investigações de forma mediada, com dados já 
mastigados e compreensão do grande público. No domínio lavajato.mpf.mp.br, qualquer pessoa 
pode acompanhar o caso e seus desdobramentos. Esta medida – a de mediatizar a ação do 
Ministério Público Federal, do Judiciário Federal e da própria PF – é uma prática corrente 
em outros países que combateram a corrupção endêmica entre Estados e conglomerados locais 
e, junto da delação premiada, está sendo aplicada com maestria pelos líderes deste processo.

Ao tornar públicos dados já “mastigados”, o público leitor e as audiências consolidadas 
dos grandes conglomerados, podem dedicar-se a absorver de forma seletiva o que já está 
pronto, resultando em ação viral de tipo segunda tela, postando comentários e observações 
em escala de milhões de compartilhamentos em redes sociais. A diferença de resultado e 
significativa. Caso o Wikileaks tivesse a mesma capacidade de produção de dados mediados, 
“mastigados”, comunicação já mediada, a penetração dos informes e suas consequências 
societárias seriam infinitamente superiores.

O modus operandi da Lava Jato chama a atenção e indica o nível de protagonismo que pode 
ter uma camada de profissionais de carreira, tecnocratas e operadores jurídicos, com um 
aval da “opinião pública” para fazerem justiça. Basicamente, ao polarizar o noticiário, 
vão ao encontro da sede – correta e legítima – de justiça incluindo algum grau de vingança 
popular contra o andar de cima. O que assusta não é a punição para as empreiteiras, mas 
seletividade midiática e o esforço inaugural da Lava Jato, ao contrário de outras 
operações, no meu entender, ainda mais relevantes, como a Farol da Colina, Macuco, Chacal, 
Satiagraha, Castelo de Areia e Monte Carlo.
Obviamente que isso não aconteceria dadas às correlações em cada momento que as operações 
foram lançadas e a confluência da oposição doméstica – a ascensão da nova direita, a 
dimensão substantiva do golpe e a exposição midiática com requintes de manipulação e 
ausência de contraponto. Para quem julga que exagero, sugiro que revejam a edição do 
Jornal Nacional de 16 de março de 2016, já na edição deste link 
(https://www.youtube.com/watch?v=2hYo7eEnwKU).

No fim do túnel, no ambiente doméstico, está a meta estratégica do inimigo de classe em 
promover uma legislação regressiva – com ampla retirada de direitos, trabalhistas e 
sociais. No plano regional (América do Sul e Latina) e no internacional, é notável a 
associação indireta e subordinada entre os interesses da classe dominante brasileira e o 
imperialismo contemporâneo. Ao contrário do período da Bipolaridade, hoje o Comando Sul e 
as agências estadunidenses atuam de forma sutil e muitas vezes oficiosas, tal e como no 
caso brasileiro recente.

Uma conclusão óbvia
Nada disso teria sido possível caso a relação entre empreiteiras e lulismo não fosse tão 
promiscua como a que havia nos governos anteriores. Igualmente, caso a Lava Jato não 
tivesse no oligopólio da comunicação seu apoio permanente, não ocorreria golpe parlamentar 
com apelido de “impeachment”.

Bruno Lima Rocha é professor de ciência política e de relações internacionais
(estrategiaeanaliseblog.com – blimarocha  gmail.com para E-mail e Facebook)

http://www.anarkismo.net/article/29536


More information about the A-infos-pt mailing list