(pt) [Grécia] Comunicado da Organização Política Anarquista sobre os desalojamentos das três okupas em Tessalônica By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 7 de Agosto de 2016 - 16:41:11 CEST


Na madrugada do dia 27 de julho, fortes forças policiais realizaram uma repressão 
coordenada de desalojamento de três edifícios ocupados em Tessalônica: A ocupação 
“Orfanotrofío”, a ocupação Hurriya e a ocupação “Mandalideio”. As forças repressivas 
prenderam preventivamente 83 pessoas: ocupantes, solidários, refugiados e imigrantes que 
residiam nas okupas, e em seguida as prenderam, acusando-as de “pertu bação” da paz 
pública. Uma das detidas é uma companheira nossa, membro da coletividade pelo anarquismo 
social “Negro e Vermelho”. A operação repressiva seguiu com a demolição do edifício da 
okupa Orfanotrofío. ---- Trata-se de uma ampla operação repressiva, cujos objetivos 
políticos são dois. Por um lado, (a operação) está integrada na planificação de pôr aos 
refugiados e imigrantes como alvos, de seu isolamento social e de sua reclusão em centros 
de reclusão-campos de concentração. Por outro lado, serve às pretensões repressivas do 
Estado, contra os focos de resistência social e de classe, contra o mundo da luta. O 
segundo objetivo é a manipulação, por todos os meios, das condições de indigência e 
submissão. Os lugares nos quais se desenvolvem os conteúdos políticos da auto-organização 
e a solidariedade com os refugiados, e a prova na prática que a auto-organização social e 
de classe é capaz de oferecer espaço e ajuda aos perseguidos, rompendo na prática seu 
isolamento, constituem um perigo constante para os gestores da barbárie estatal e capitalista.

A operação repressiva do dia 27 de julho é a continuação de uma grande série de outras 
operações semelhantes contra os solidários “não aprovados”, contra os que lutam para 
derrocar as condições que conduzem à indigência e a morte, não fazendo parte dos que 
tentam embelezar a imagem do Regime. Também, é a continuação de dezenas de operações 
repressivas contra espa&cced il;os e estruturas do movimento anarquista e antiautoritário, 
através das quais se pretende eliminar a luta social de classes, e ter como alvo e limitar 
o movimento anarquista-antiautoritário. Os ataques das denominadas forças antidistúrbios 
levam anos alternando com os dos neonazis, já que o Regime soltou seus lacaios, sendo 
consciente do perigo que constituem para ele os movimentos de resistência coletivos, a 
organização da vida social sem a intervenção do Estado e a socialização das propostas 
anarquistas-antiautoritárias.

Os responsáveis políticos das recentes operações repressivas têm atuado (trabalhado) 
durante muitos anos como umas sanguessugas sobre o corpo do movimento, com o fim de tomar 
o Poder, tendo tirado plus-valia política das okupas e da luta de solidariedade com os 
refugiados e os imigrantes. O partido [governista] Syriza constitui neste campo também o 
representante (porta voz) principal das ofensivas estatais e capitalistas contra a 
sociedade, já que por um lado debilitou o movimento social e de classe com o comércio de 
esperança, e por outro lado, começou a opor-se a ele abertamente, difamando-o e fazendo 
uso de pretorianos do Regime. Dada sua humilhação generalizada, e a perda constante do 
consentimento social depois da imposição de umas novas e duras medidas de pilhagem (da 
sociedade), as escórias da Esquerda reformista não têm outra solução que difamar e 
reprimir os focos da resistência social, de classe e política, para continuar com sua 
tarefa sem impedimentos: Aguçar as condições de indigência e submissão.

Uns dias depois da finalização de uma série de mobilizações combativas, em solidariedade 
com refugiados e imigrantes, realizadas em Tessalônica e no norte da Grécia durante a 
celebração doNo Border Camp e do Encontro Anarquista de Luta, a operação levada a cabo 
pelas denominadas forças antidistúrbios tem um caráter adicional: ele da revanche estatal 
contra o crescimento da solidariedade. Esta operação foi levada a cabo depois de uma 
propaganda contínua dos meios de desinformação e das autoridades universitárias, a qual 
havia ido aplanando o terreno (o caminho) para a realização de operações repressivas, e 
foi a “resposta” à dispersão de várias atividades coletivas (debates, eventos, 
manifestações), às quais não foi possível reprimir diretamente durante os dez dias que 
duraram (de 15 a 24 de julho). Durante estas mobilizações, os refugiados e os imigrantes 
saíram massivamente à rua no dia 22 de julho, dia da manifestação em Tessalônica, rompendo 
o isolamento político e social que se lhes pretende impor, e destacando a perspectiva das 
lutas comuns entre nativos e imigrantes. Essa combatividade se está enfrentando com a 
agressividade estatal imediata, expressada mediante a operação repressiva do dia 27 de julho.

Como Organização Política Anarquista, havendo organizado o Encontro Anarquista de Luta 
contra a guerra e o totalitarismo moderno, em solidariedade com os refugiados e os 
imigrantes, durante o No Border Camp, declaramos nossa solidariedade com os espaços 
ocupados atacados pela repressão estatal, com nossos companheiros e companheiras, e com os 
refugiados e os imigrantes que apoiaram as mobilizações com sua presença e suas 
atividades. Sua presença e atividade combativ as os pôs na mira dos aparatos repressivos 
já antes da realização de ditas mobilizações, pelo que são como componente do mundo da Luta.

Frente às metodizações repressivas, a resistência não se vence e não retrocede. Luta. Os 
companheiros e as companheiras que ocuparam os escritórios do Syriza em Tessalônica já 
transmitiram a mensagem da continuação da luta, a mensagem da solidariedade que pode reter 
a difusão do temor e do fatalismo. Aos grupos estatais e à repressão respondemos com a 
insistência da luta, a coletivização e o companheirismo. A morte lenta de um sistema 
quebrado que não tem que oferecer nada mais que o temor e a m iséria, respondemos com a 
organização da luta pela revolução social, a anarquia e o comunismo.

O texto em grego:

http://apo.squathost.com/%CE%B1%CE%BD%CE%B1%CE%BA%CE%BF%CE%B9%CE%BD%CF%89%CF%83%CE%B7-%CE%B3%CE%B9%CE%B1-%CF%84%CE%B9%CF%83-%CE%BA%CE%B1%CF%84%CE%B1%CF%83%CF%84%CE%B1%CE%BB%CF%84%CE%B9%CE%BA%CE%B5%CF%83-%CE%B5%CF%80%CE%B9-2/


More information about the A-infos-pt mailing list