(pt) anarkismo.net: A nova direita brasileira odeia a América Latina by BrunoL

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 22 de Setembro de 2015 - 16:49:37 CEST


"A demência da nova direita brasileira está realmente abusando. Alguns cartazes e gritos 
de guerra trazidos a público no Brasil em 16 de agosto de 2015 lembram a operação anterior 
ao golpe contra o governo Salvador Allende, derrubado em 11 de setembro de 1973. No Brasil 
do terceiro turno, temos o desprazer de ler frases como "Foda-se a Venezuela", o clássico 
"Vai para Cuba", ou então coro político cantando: "Pé na bunda dela, isso aqui não é a 
Venezuela!". E, obviamente, lado a lado com os neoliberais marcham saudosos da ditadura 
brasileira, incluindo faixas em inglês pedindo intervenção do Comando Sul dos EUA no 
Brasil", escreve Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações 
internacionais. ---- Eis o artigo. ---- As práticas gorilas, como as manifestadas nas ruas 
do Brasil quando a direita ideológica e neoliberal sai às ruas aos domingos, estão 
justamente expressas no afastamento do Brasil para com a América Latina.

Em tempos de avançada da nova direita ideológica brasileira, nota-se o retorno de uma 
velha prática política latino-americana. Na metade do século XX vivíamos na América Latina 
um paradoxo. Por um lado, havia alguns governos com cortes nacionalistas e apelos 
populares (e populistas, por mais que se reconheça a controvérsia em torno deste termo). O 
exemplo acabado era o governo de Juan Domingo Perón na Argentina (ao menos no período 
1946-1955), mas poderíamos reparar o mesmo no Brasil de Getúlio Vargas, em especial no seu 
segundo governo para o qual fora eleito em 1950 e derrubado por um golpe que o levara ao 
suicídio em 24 de agosto de 1954.

Vale observar um detalhe nas trajetórias. Por mais que Getúlio tenha influenciado líderes 
semelhantes no Continente, é preciso constatar que o apelo populista implica mobilização 
das massas organizáveis e em disponibilidade, e Vargas só usara este recurso no período de 
1930 a 1945 quando do final da ditadura do Estado Novo (período de 1937 a 1945), quando 
estabelecera uma aliança com o Partido Comunista do Brasil (então PCB) e conclamara o 
trabalhismo para exigir o Queremos Vargas. Assim, não seria equivocado considerar o auge 
do populismo varguista justamente com o período mais tenso de sua trajetória, antes de seu 
suicídio. As coincidências não param por aí. Perón também foi derrubado por um golpe 
militar, conhecido como Revolução Libertadora, em 16 de novembro de 1955. Este paradoxo se 
reproduzia em maior ou menor medida, fazendo da emancipação nacional o fator a agregar as 
massas, infelizmente superando a luta de classes e popular, ao menos em sua forma direta.

Assim, o nacionalismo latino-americano, de raízes anti-coloniais e antiimperialistas, fora 
revivido em período de Guerra Fria, trazendo à tona o conflito entre "gorilas" x 
"populistas". No Brasil, esta versão ganhara o contorno do conflito entre "nacionalistas" 
x "entreguistas", cujo termo equivalente em castelhano é o de "vende pátria". Dentro das 
Forças Armadas (FFAA) o conflito se dera entre as alas Nacionalistas (mais vinculadas ao 
varguismo ou ao PCB) e tendo em contra primeiro a chamada Cruzada Democrática, mas cujo 
embrião pariu o ovo da serpente, com o partido militar e os conspiradores que resultaram 
no golpe militar de 1964 e o regime ditatorial instalado pelos altos mandos castrenses 
(1964-1985).

Como caracterização poderíamos afirmar a prática do gorilismo como sendo essencialmente 
uma ação política com identidade anti latino-americana, como uma espécie de ódio 
auto-proclamado a si mesmo (nós mesmos) e com evidentes contornos racistas. O contraponto 
ao gorilismo seria o ideal de progresso e desenvolvimento inclusivo, refletido desde o 
pensamento cepalino (inspirado nas teses da Comissão Econômica para a América Latina e o 
Caribe, CEPAL, órgão permanente das Nações Unidas), passando pelas diversas correntes do 
estruturalismo e também manifestado na Teoria da Dependência, ou nas teorias da 
dependência e do subdesenvolvimento. Os latino-americanos integral ou parcialmente 
alinhados com o "Ocidente" querem uma integração de nossos países de forma subordinada e 
submissa, e este marco tem uma história pregressa que vem de muito antes das relações 
carnais com os EUA (manifesta pelo ex-presidente argentino, o mafioso Carlos Saúl Menem) 
ou asneiras semelhantes.

Infelizmente, este alinhamento submisso se mantem como expectativa da boa política através 
da restauração imperialista. As práticas gorilas, como as manifestadas nas ruas do Brasil 
quando a direita ideológica e neoliberal sai às ruas aos domingos, após a missa e antes do 
futebol com direito a transmissão dos "protestos" em rede nacional de TV, estão justamente 
expressas no afastamento do Brasil para com a América Latina. Quando muito, esta "nova" 
direita, uma espécie de versão pós-moderna dos mesmos Chicago Boys de sempre, faz o elogio 
da linha chilena, cujo país fora laboratório de sociopatas, alunos de Milton Friedman na 
Universidade de Chicago, e onde a ditadura militar de Augusto Pinochet foi acompanhada do 
pior do neoliberalismo.

A demência da nova direita brasileira está realmente abusando. Alguns cartazes e gritos de 
guerra trazidos a público no Brasil em 16 de agosto de 2015 lembram a operação anterior ao 
golpe contra o governo Salvador Allende, derrubado em 11 de setembro de 1973. No Brasil do 
terceiro turno, temos o desprazer de ler frases como "Foda-se a Venezuela", o clássico 
"Vai para Cuba", ou então coro político cantando: "Pé na bunda dela, isso aqui não é a 
Venezuela!". E, obviamente, lado a lado com os neoliberais marcham saudosos da ditadura 
brasileira, incluindo faixas em inglês pedindo intervenção do Comando Sul dos EUA no Brasil.

Assim, embora o ministro da Fazenda de Dilma Rousseff em seu segundo mandato, o executivo 
do sistema financeiro Joaquim Levy, seja ele próprio um autêntico Chicago Boy, isso não 
basta para aliviar a pressão sobre um governo de centro-direita. Mesmo com Levy tendo 
obtido seu Ph.D. em economia pela Universidade de Chicago, título obtido em 1993 com a 
tese "Two empirical tests of exchange rate target zones", cuja área de concentração é 
economia internacional , e logo após trabalhado para o FMI de 1992 a 1999, a sanha continua.

A oposição ideológica é tão anti-latinoamericana que identifica as agendas sociais do 
pacto de classes do lulismo (tímidos investimentos, cujo montante não se compara com os 
mais de 40% do orçamento brasileiro alocado para rolagem da dívida pública, garantindo a 
farra dos bancos e agiotas) com as práticas de assistência e paternalismo promovidas por 
lideranças de estilo populista e de corte latino-americano.

Nada poderia ser mais falso e, ao mesmo tempo, trata-se da desinformação perfeita. Como o 
anti-latinoamericanismo brasileiro é parte da formação do país e o absurdo pacto de 
independência, onde os patriarcas do novo Império aceitaram manter a escravidão em troca 
da integridade territorial do país, é fácil atingir qualquer governo de centro-esquerda 
(por mais que este seja tímido, policlassista e subordinado aos interesses dos agentes 
econômicos nacionais) taxando-o de pró América Latina. Logo, em sendo a favor do Sul, por 
oposição evidente, estaríamos em contra o "grande irmão do norte", a matriz do Ocidente 
contemporâneo localizado no Império dos Estados Unidos.

Não surpreende observar que todas as posições oligárquicas a combater os governos de 
centro-esquerda na América Latina da virada democrática pós-1998 (primeira eleição de 
Chávez) reproduzam a mesma linha dos atuais opositores neoliberais. Particularmente nunca 
acreditei em etapismo, como se o desenvolvimento das forças produtivas do capitalismo nos 
levaria rumo a uma sociedade justa e soberana. Longe disso. Mas, ao mesmo tempo, seria 
absurdo não reconhecer a urgente necessidade de, ainda dentro das condições concretas do 
capitalismo periférico e semi-periférico que se pratica na América Latina, é urgente 
deixarmos de ancorar as balanças comerciais em venda de produtos primários e na exploração 
de recursos minerais e hidrocarbonetos.

Apenas esta constatação já nos coloca em oposição aos desígnios da superpotência - o 
império dos EUA - para nossos destinos. No caso brasileiro não é diferente. Como o Brasil 
- em função de sua envergadura e peso relativo - termina sendo o fiel da balança no 
Continente, afastar o país da América Latina colocando-o de costas para os países hermanos 
é objetivo estratégico e finalista de qualquer política reacionária promovida por 
oligarcas latino-americanos e que odeiam suas/nossas próprias raízes.

Bruno Lima Rocha é professor de ciência política e de relações internacionais.

Site: www.estrategiaeanalise.com.br
Email: strategicanalysis  riseup.net
Facebook: blimarocha  gmail.com

http://www.anarkismo.net/article/28521


More information about the A-infos-pt mailing list