(pt) France, Coordenação de Grupos Anarquistas - Nenhum ser humano é ilegal! Pela justiça social, abolir todas as fronteiras! (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 20 de Outubro de 2015 - 10:22:02 CEST


Embora anos de leis e medidas de segurança estão se acumulando anos para transformar a 
violência do exílio no crime, enquanto que durante vários meses dezenas de milhares de 
pessoas estão encalhados nas fronteiras da Fortaleza Europa e milhares Outros morrem 
tentando acessá-los, os Estados europeus, e particularmente o governo socialista francês, 
estão encenando seu humanismo apelido e sua alegada responsabilidade, anunciando dividir 
120.000 migrantes a melhor arquivo, reprimir, fechado, expulsando tou -Seu outro continua 
a aumentar seu arsenal repressivo. A divisão entre nacional e imigrante-es-les junta-se 
uma nova categorização que entre o bem-nes-es refugiados, fugindo das guerras (bem 
alguns), e mal-são 'econômico' migrantes, potenciais terroristas ladrão seu trabalho, 
benefícios sociais e.

A fonte do problema: o capitalismo eo imperialismo

Confrontado com este tipo desprezível, o Grupo de Coordenação Anarquista reitera 
veementemente que nenhum ser humano é ilegal. Para nós, não há e nunca haverá "boas-nes" 
ou migrantes "maus-es", como oprimidos estão enfrentando a minoria dominante que lucram 
com a opressão o maior número. Eles / elas fogem da pobreza ou guerra, tou-tes os 
migrantes são vítimas dos mesmos exploradores e seu relé na cabeça de estados.

Ao designar como responsável pela migração ditatorial regimes e grupos fascistas 
"terroristas" que operam no país, os países ocidentais dédouanent sua responsabilidade 
histórica e atual. Nós não somos enganados por essa maquiagem ideológica.

Colonização ontem, neocolonialismo, hoje, é a pilhagem organizada dos recursos do sul de 
capitalismo ocidental e potentados locais, que obriga as pessoas a fugir. Estas são as 
intervenções militares diretas (Iraque, Afeganistão, Líbia, SSA, etc.) ou indiretos (venda 
de armas, apoio financeiro e militar às ditaduras e predadores) que criam ou fazem durar 
as guerras de servir o interesse geoestratégico e económico forte. Assim, no caso 
específico da Síria hoje é tragicamente semelhante às guerras em outros lugares. 
Ocidental, russo, turco poder como ditaduras do Oriente Médio desgaste da guerra de 
propaganda eterna para adicionar à guerra, alegando trabalho para a paz, embora seja como 
sempre apenas uma questão de influência lutas, manobra política interna de cada Estado, 
posicionamento estratégico para o futuro para compartilhar o bolo. Um caos político que 
acomoda o massacre de uma população para servir aos interesses de poucos.

Os poucos que, na Europa, promover a livre circulação de capitais, mas proibir a livre 
circulação de pessoas. Quem, depois de forçar centenas de milhares de pessoas a fugir, 
condená-los para passear, morrem afogados es, es eletrocutado, sempre mais endurecer suas 
políticas migratórias. Que obrigam o migrante a passar à clandestinidade, a fim de ter um 
trabalho escravo, eles jogam quando eles não precisam mais. Quem espalhar a sua retórica 
racista, apontando para aqueles que não têm os documentos corretos ou a cor da pele errado 
como inimigos de dentro. Que, com a cumplicidade dos grandes meios de comunicação, 
procuram quebrar a solidariedade em França e na Europa, designando os imigrantes como 
bodes expiatórios de insegurança generalizada de que precisávamos para enriquecer ainda 
mais a si mesmos.

Re-politizar a questão da fronteira

As fronteiras e, portanto, o nacionalismo, são a arma das minorias dominantes. Ao dividir 
os povos, que estabelece o necessário one-es contra o outro, impedem a solidariedade 
internacional indispensável entre os explorados tou-seu-es. Onde quer que seja criado, o 
Estado e sua polícia para acabar com greves, como vimos recentemente com a evacuação do 
Acampamento Sem Fronteiras Ventimiglia.

Coordenação de grupos anarquistas fez da luta com os migrantes um grande foco de seu 
discurso, dizendo que a solidariedade de classe, com a demanda imediata abertura das 
fronteiras, e sua supressão, horizonte e liberdade de movimento e Instalação para todos.

Na luta, sem hierarquia de situações na base, é urgente apoiar a junção entre aqueles que 
lutam na França para a regularização por anos e refugiadas-ES e os migrantes que vêm de 
acontecer. Opor a-es outra é impor o e-for-all. Organizar coletivamente é a condição 
indispensável para a continuidade da luta e, em última análise, melhorando as condições de 
vida dos tou-tes.

Aqui e em outros lugares, o seu trabalhador precário, desempregado-its com ou sem papéis, 
solidariedade!

2015 de outubro de
Coordenação de Grupos Anarquistas

http://www.c-g-a.org/content/aucun-etre-humain-nest-illegal-pour-la-justice-sociale-abolissons-toutes-les-frontieres


More information about the A-infos-pt mailing list