(pt) ASSÉDIO SEXUAL NO MEIO LIBERTÁRIO: NOTA PUBLICA DO COLETIVO QUEBRANDO MUROS SOBRE AFASTAMENTO DE MILITANTE

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 23 de Maio de 2015 - 12:17:33 CEST


Companheiras e companheiros, Nós, do Coletivo Quebrando Muros, gostaríamos de comunicar 
publicamente o afastamento de um de nossos militantes, além de reafirmar nosso compromisso 
enquanto organização libertária com o feminismo e o combate às opressões. ---- Apesar de 
ser algo bastante contraditório, não é novidade que haja entre nós, militantes de 
esquerda, pessoas com atitudes machistas e opressoras em geral. Alguns, inclusive, se 
utilizam do pretexto de participar dos movimentos sociais para justificar suas posturas 
opressoras e diminuir o sofrimento de mulheres, homossexuais, negras e negros, pessoas 
trans e pessoas pobres diante de suas atitudes. Quando se faz parte de uma categoria 
oprimida, apesar de sermos as diretamente afetadas por tais atitudes, costuma ser ainda 
mais difícil nos posicionarmos contra elas. Há um peso histórico que não nos permite 
falar, por estarmos acostumadas a sermos silenciadas ou não levadas em consideração, e há 
uma cobrança por sermos sempre racionais ao invés de falarmos sobre o que estamos sentindo.

Recentemente, recebemos uma denúncia grave em relação a um militante nosso, que 
imediatamente foi afastado do coletivo, bem como de todos os espaços políticos que 
participava. Gustavo Santos, também conhecido como Pollo ("Poio"), é estudante de ciências 
sociais na UFPR e compunha nossa Frente Estudantil. Chegou ao nosso conhecimento, no dia 8 
de maio, que nos últimos meses ele manteve dois relacionamentos com mulheres estudantes da 
mesma instituição. Relações essas que, desde o princípio, foram extremamente abusivas 
moral, psicológica e sexualmente. As mulheres envolvidas, que vieram procurar algumas 
pessoas do coletivo para relatar o caso, estão sendo acolhidas e juntas estamos pensando 
em soluções para que opressões como essa não se repitam, buscando avançar em uma maneira 
eficiente de combater atitudes e posturas opressoras de nossos companheiros, para 
mantermos nossa Ética Militante dentro e fora do coletivo, e, assim, avançar em nosso 
projeto de uma sociedade mais justa e igualitária. Entendemos que atitudes machistas são 
inadmissíveis e que nós, organizações de esquerda, temos o dever de denunciá-las!

Salientamos que o foco do debate não é e nem deve ser a reação das pessoas oprimidas. 
Casos de relacionamentos abusivos como esse deixam feridas que nunca cicatrizarão. Somos a 
favor da denúncia pública de casos como esse, tanto como combate ao opressor quanto como 
um meio de criar uma rede de segurança entre nós, mulheres. Divulgar o nome de agressores, 
abusadores e estupradores não é exagero! Exagero é a forma abusiva com que os homens 
utilizam seus privilégios para nos oprimir e calar, em nome de suas satisfações pessoais.

Somos solidárias às estudantes que sofreram abuso. Não compactuamos com atitudes 
machistas, principalmente com violências tão sistemáticas como a sexual e psicológica, 
seja vindo de pessoas da direita ou da esquerda. Temos noção da gravidade da acusação e 
nos posicionamos ao lado das vítimas, privilegiamos a participação delas nos espaços de 
militância e movimento social em geral. Esperamos que o afastamento do Gustavo, assim como 
a exposição do caso, sirvam de exemplo para aqueles que militam conosco, tanto dentro da 
organização, como fora. E que fique claro que cobraremos o mesmo posicionamento de todos 
que se propõe a lutar do nosso lado.

Machistas, racistas, homofóbicos, transfóbicos: não passarão! Quer se reivindiquem 
libertários ou não!

https://quebrandomuros.wordpress.com/2015/05/18/assedio-sexual-no-meio-libertario-nota-publica-do-coletivo-quebrando-muros-sobre-afastamento-de-militante/


More information about the A-infos-pt mailing list