(pt) Tierra y Libertad - junho de 2015 - [Alemanha] Bakuninhütte, um refúgio libertário (ca)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 23 de Julho de 2015 - 12:09:56 CEST


"Quando o viajante caminha pelo bosque em direção Este desde Meiningen, cidade de 
Turingia, encontra um refúgio sobre um altiplano livre: Bakuninhütte (...) um refúgio 
libertário", escreve no verão de 1931, Hermann George no semanário anarcossindicalista Der 
Syndikalist. Bakuninhütte (refúgio de Bakunin) é um edifício, construído pelos anarquistas 
alemães nos anos vinte, que atravessa a história de quatro Alemanhas (República de Weimar, 
Terceiro Reich, República Democrática e, finalmente, a Alemanha reunificada) para chegar a 
nossos dias. ---- Como tudo começou ---- Meiningen é uma pequena cidade a cem quilômetros 
a sudoeste de Erfurt, no coração da Alemanha. Em 1919 alguns militantes, a maioria jovens, 
decidem fundar um grupo que adere à Freie Arbeiter Union Deutschlands (FAUD, União Livre 
de Trabalhadores Alemães), uma organização anarcossindicalista que em poucos meses chega a 
contar com quase duzentos ativistas.

Em 1920 o grupo FAUD de Meiningen projeta adquirir um terreno para cultivá-lo, com o fim 
de aliviar o aperto da crise econômica que atinge a Alemanha após a guerra. No mesmo ano 
compram, por 21.000 marcos, 6.400 metros quadrados de terra situados a três quartos de 
hora a pé de Meiningen, sobre o Hohe Maas, um altiplano de cerca de 500 metros de altura 
rodeado de bosques. Ao lado dos cultivos de batatas e verduras, o terreno é utilizado 
pelos anarcossindicalistas locais para os acampamentos de fim de semana com suas famílias. 
Dois tipos de uso que comportam um problema comum: a chuva. O grupo constrói então uma 
pequena cobertura provisória. Graças ao trabalho coletivo, a construção se transforma com 
o passar dos meses em um refúgio cada vez mais sólido, em cujo interior é possível 
sentar-se e cozinhar.

Em 1925, por causa da estabilização da economia, as atividades agrícolas já não são 
necessárias, por isso que o pequeno edifício se afirma progressivamente como lugar de 
encontro para os militantes anarcossindicalistas da região.

Nosso Bakunin, nossa Bakuninhütte

Em julho de 1926, por ocasião do cinquentenário de sua morte, o edifício, convertido em um 
verdadeiro refúgio, é dedicado a Bakunin: nasce assim a Bakuninhütte. Sobre a entrada 
figura a inscrição "Bakunin-Schutzhütte", e se coloca uma lápide comemorativa dedicada ao 
revolucionário russo, obra dos marmoristas anarquistas locais Otto Walz e seu filho Heini.

Em pouco tempo, o refúgio é ampliado: se faz um comedor, um dormitório, uma cozinha e uma 
sala comum. O material para a construção, assim como a água, se transporta nos ombros; 
para a iluminação noturna se utilizam as lâmpadas de petróleo. Inclusive o exterior da 
Bakuninhütte se vai arrumando progressivamente com caminhos, jardins, bancos para 
sentar-se sob as árvores, cercas vivas e flores. Colocam-se outras duas lápides 
comemorativas, uma dedicada a Francisco Ferrer, outra a Sacco e Vanzetti. Max Baewert, 
ativista anarquista de Meiningen, compõe versos dedicados ao refúgio que se convertem no 
lema da Bakuninhütte:

"Livre terra e livre refúgio

livre espírito e livre palavra

livres homens, livre utilização

me atraem sempre até este lugar".

O artesão Franz Dressel constrói dois balanços e um pequeno carrossel para as crianças. O 
taberneiro que leva a cerveja proporciona também cadeiras e mesas de jardim. Bakuninhütte 
está completamente autogestionada, nasce e se desenvolve graças às colaborações dos que a 
vivem: primeiro o grupo de Meiningen e depois segmentos cada vez mais amplos do movimento 
anarquista da época.

Com a mudança da situação econômica, o projeto muda definitivamente. Não se trata já de 
uma espécie de colônia de trabalho que pratica a agricultura para o autoabastecimento 
senão de um refúgio que se converte em lugar de encontro, de intercâmbio de ideias e de 
descanso. Bakuninhütte é uma encruzilhada política e existencial, componente em nada 
secundária na experiência da militância da época. O refúgio alberga tanto a jovens 
excursionistas de passagem como a reuniões de grupos anarquistas, tanto a homens como a 
mulheres, implicados no movimento libertário, que decidem passar ali as férias com a 
família. Há que recordar que, por causa dos contratos coletivos da legislação 
político-econômica da República de Weimar, nestes anos começam os primeiros experimentos 
de festas e são regulamentados os horários laborais e o descanso semanal.

Com o fim de dar uma cobertura legal às atividades do refúgio, se cria em 1927 a 
Siedlungsverein "Gegenseitige Hilfe" e. v. (Sociedade de Alojamento "Apoio mútuo" sem fins 
de lucro), que se converte em proprietária da Bakuninhütte, se bem a gestão permanece em 
mãos da FAUD de Turingia. Nos dias 27 e 28 de maio se celebra a inauguração do refúgio. O 
ano seguinte, em 19 e 20 de maio de 1929, se celebra um novo encontro regional. Em 
fevereiro de 1930, o poeta anarquista Erich Müsham passa pela Bakuninhütte, sinal 
inequívoco da popularidade do refúgio a nível nacional. Em junho de 1930 acontece o 
primeiro acampamento nacional da Syndikalistische Anarchistische Jugend Deutschland (SAJD, 
Juventude Sindicalista Anarquista Alemã).

O êxito da Bakuninhütte é tal que na segunda metade de 1930 é necessário empreender 
trabalhos para ampliar o edifício. Se lança uma campanha de autofinanciamento a nível 
nacional, apoiada particularmente por Der Syndicalist, através da adquisição de postais 
(Bakunin-Karten-Baufondskarten) a 10 pfennings. Nesse tempo, Fritz Scherer, encadernador e 
apaixonado das excursões, se converte no Hüttenward (guarda do refúgio). Como tal, Fritz 
se encarrega não só de tudo o que necessita a Bakuninhütte e seus hóspedes, senão que 
também leva o Hüttenbuch (livro do refúgio), uma espécie de registro dos hóspedes no qual 
alguns dos que visitam o refúgio consignam seus pensamentos.

No outono de 1932 começam os trabalhos de ampliação graças ao êxito da campanha de 
financiamento e à colaboração de diversos pedreiros procedentes das cidades vizinhas. Em 
1933 Hitler alcança o poder: a associação que gestiona legalmente a Bakuninhütte é 
dissolvida e os anarquistas podem ter aqui sua última atividade no começo de junho.

Bakuninhütte de uma Alemanha à outra

O refúgio Bakunin é concedido primeiro às SS, depois ao Partido Nazi de Munich em 1935 e, 
ao final, vendido a um particular em 1938. Fritz Scherer, o último guarda, afortunadamente 
consegue salvar o Hüttenbuch. Após a guerra, Turingia se encontra na zona ocupada pelos 
soviéticos e a Bakuninhütte passa por diferentes escritórios da administração da República 
Democrática Alemã; em 1970 é destinada a centro de adestramento de uma seção da polícia de 
Meiningen.

Em 1989 é adquirida pelo escritório de patrimônio da República Federal Alemã. No começo 
dos anos 90 fracassam as primeiras tentativas para recuperar o refúgio. Desde 1996 é 
completamente abandonado. Em 2004 numerosos ativistas apresentam uma oferta de aquisição 
ao escritório patrimonial de Suhl e em 2005 compra-se a Bakuninhütte. No ano seguinte 
cria-se a associação Wanderein Bakuninhütte, mas as dificuldades, no entanto não acabaram, 
porque se proíbe o acesso ao edifício e sua utilização.

Durante esse tempo organizam-se algumas iniciativas em torno do Refúgio Bakunin. Em abril 
de 2011 cessa a proibição de acesso ao refúgio e é juridicamente possível iniciar sua 
recuperação. A campanha de financiamento lançada em 2012 consegue 7.000 euros, que se 
utilizam para arrumar o edifício, gravemente danificado no curso dos anos. Tratando-se do 
único testemunho anarcossindicalista na Alemanha na forma de edifício, o objetivo é fazer 
da Bakuninhütte não um rígido testemunho do passado senão um monumento vital e dinâmico, 
capaz de ajudar à compreensão da História, de albergar eventos culturais e voltar a ser um 
lugar de parada para os excursionistas.

Bakuninhütte parece voltar novamente à atividade: um lugar onde passear e crescer juntos, 
construído do nada graças ao trabalho cotidiano de ativistas de base, Bakuninhütte vive 
todavia e, com ela, a figura da qual toma o nome. Em outro tempo, em 1932, nas páginas de 
Der Syndikalist, apareceu este chamamento: "O Refúgio Bakunin deve ser e será em breve um 
duradouro testemunho da solidariedade e da criatividade de nosso movimento!"

David Bernardini

bakuninhuette.de

Fonte: Tierra y Libertad - junho de 2015.


More information about the A-infos-pt mailing list