(pt) Brazil, União Popular Anarquista (UNIPA) - Causa do Povo nº 72: Redução da maioridade penal: política contra a juventude das periferias

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 8 de Julho de 2015 - 14:47:50 CEST


perfil dos jovens infratores no Brasil corresponde ao perfil das principais vítimas de 
violência no país: homens, negros, pobres, sem estudo, nem emprego. O Estado nega o 
direito a uma vida digna à juventude, mas quer ampliar as cadeias. É preciso que o povo 
construa organismos de autodefesa. Esta é uma questão de vida ou morte. ---- No dia 17 de 
junho uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou uma emenda à Constituição de 
redução da maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes considerados graves. Ainda que 
a intenção de aprovar a redução para quaisquer crimes não tenha se concretizado, a emenda 
se configura no bojo dos esforços do Estado em endurecer a repressão contra a juventude 
pobre e negra, tratando a miséria e as contradições sociais como caso de polícia.

Pesquisa recente do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica aplicada), divulgada dia 16 de 
junho, permite traçar um perfil dos jovens infratores detidos:

95% são do sexo masculino;
66% são de famílias pobres;
60% são negros;
51% não estudavam;
49% não trabalhavam quando cometeram o delito;

A pesquisa também discute a severidade das penas imputadas ao menor. Considerando que, da 
totalidade de adolescentes privados de liberdade, 64 % (15,2 mil) cumpriam pena de 
internação, a mais severa, apenas 13,8% (3,2 mil) cometeram delitos considerados mais 
graves, como homicídio e latrocínio. Isso derruba o argumento de que os menores não são 
duramente punidos no Brasil.

O perfil do menor infrator do IPEA corresponde ao das vítimas fatais da violência: na 
maioria das vezes jovem, pobre, negro e do sexo masculino, como discutido no texto da 
UNIPA "Mapa da violência: jovens e negros na mira da polícia assassina". Quando 
contrastamos esses dados, percebemos que, diferente do que é alardeado, a juventude pobre 
e negra não é a principal responsável por crimes violentos no Brasil, mas é a principal 
vítima dessa violência.

Construir Comitês de Autodefesa das Periferias

Para combater o racismo, a violência policial e a falta de direitos, comunidades
negras e pobres dos EUA na década de 60 organizaram o "Partido Panteras
Negras para Autodefesa". Uma lição para a atualidade brasileira.

  O resultado da política de repressão e criminalização da pobreza e da juventude longe de 
combater a violência, serve para acirrá-la. Isso ficou evidente em abril, quando o menino 
Eduardo de Jesus Ferreira (10), estudante e morador do complexo do Alemão foi morto na 
porta de casa por um policial, enquanto fazia deveres de casa. Depois tentou-se justificar 
a ação com a mentira de que o menor estava armado.

Ao mesmo tempo em que o direito à vida e a uma existência digna são negados à nossa 
juventude, o senado aprova em regime de urgência uma lei que torna mais severa a punição 
ao homicídio de policiais, tentando impedir a resposta legítima e violenta do povo aos 
agentes da repressão do Estado e garantir o exercício do monopólio da violência.

O combate a esses ataques ao povo por dentro da burocracia do Estado dos governistas 
(PT/PCdoB) e para-governistas (PSOL/PSTU) já demonstrou sua ineficiência ao tentar 
conciliar ou abrandar o conteúdo das propostas, aceitando a derrota com sua política do 
mal menor.

É necessário que o povo trabalhador use das referências históricas da construção de 
organismos de autodefesa de massas nos locais de moradia, trabalho e estudo para responder 
à violência sistemática do Estado contra a juventude pobre e negra nas periferias, 
inclusive violentamente.

https://uniaoanarquista.wordpress.com/2015/06/26/reducao-da-maioridade-penal-politica-contra-a-juventude-das-periferias/


More information about the A-infos-pt mailing list