(pt) Eu não sou Charlie por José Antonio Gutiérrez D. (en, fr)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 15 de Janeiro de 2015 - 17:17:16 CET


Quero esclarecer desde o início que eu considero o ataque contra os escritórios da Charlie 
Hebdo jornal satírico em Paris como uma monstruosidade e eu não acho que isso é 
justificável sob nenhuma circunstância, para converter um jornalista, tão duvidoso da sua 
qualidade profissional, um objetivo militar. Isto aplica-se, em França, como na Colômbia 
ou na Palestina. Eu não me identifico com qualquer fundamentalista nem cristãos, judeus ou 
muçulmanos, nem com o secularismo afrancesado brega, que estabelece a "República" deusa 
sagrada. Trago esses esclarecimentos, que são necessárias porque a política altas em gurus 
Europa assegurar-nos de que vivemos em uma "democracia exemplar", com "grandes 
liberdades", apesar de sabermos que o Big Brother está nos observando e n ' quaisquer 
discursos executivos seniores tolerados vê severamente punidos. Mas eu não acho que uma 
condenação do ataque contra Charlie Hebdo deve causar automaticamente que exalta uma 
publicação que é, basicamente, um monumento de intolerância, racismo e arrogância colonial.

Eu não sou Charlie

Quero esclarecer desde o início que eu considero o ataque contra os escritórios da Charlie 
Hebdo jornal satírico em Paris como uma monstruosidade e eu não acho que isso é 
justificável sob nenhuma circunstância, para converter um jornalista, tão duvidoso da sua 
qualidade profissional, um objetivo militar. Isto aplica-se, em França, como na Colômbia 
ou na Palestina. Eu não me identifico com qualquer fundamentalista nem cristãos, judeus ou 
muçulmanos, nem com o secularismo afrancesado brega, que estabelece a "República" deusa 
sagrada. Trago esses esclarecimentos, que são necessárias porque a política altas em gurus 
Europa assegurar-nos de que vivemos em uma "democracia exemplar", com "grandes 
liberdades", apesar de sabermos que o Big Brother está nos observando e n ' quaisquer 
discursos executivos seniores tolerados vê severamente punidos. Mas eu não acho que uma 
condenação do ataque contra Charlie Hebdo deve causar automaticamente que exalta uma 
publicação que é, basicamente, um monumento de intolerância, racismo e arrogância colonial.

Milhares de pessoas afetadas por este ataque -este é compreensível - mensagens circularam 
dizendo: "Eu sou Charlie", como se a mensagem foi o mais recente em defesa da liberdade. 
Bem, eu não sou Charlie. Eu não me identifico com a representação degradante e 
"caricatura" que fez o mundo islâmico durante a "Guerra contra o Terrorismo", com toda a 
carga racista e colonialista que isso implica. Eu não consigo ver um bom olho essa 
agressão constante simbólica que vai com uma agressão física e real, através de 
bombardeios e ocupações militares nos países pertencentes a este horizonte cultural. Eu 
não posso ver favoravelmente os desenhos animados e os textos ofensivos, quando os árabes 
estão entre os setores mais marginalizados e empobrecidos exploradas na sociedade 
francesa, que historicamente sofreram tratamento brutal: Eu esqueço não que seja em Paris 
no início dos anos 60, a polícia massacrados com cassetetes 200 argelinos que exigiam o 
fim da ocupação francesa do seu país, já responsável por cerca de um milhão de mortes de 
árabes "bárbaro". Não é caricaturas inocentes, livres pensadores obras, mas as mensagens 
produzidas pelos meios de comunicação de massa (porque, embora uma postura alternativa, 
Charlie Hebdo pertence aos meios de comunicação), estereótipos responsáveis ódio, 
reforçando um discurso que considera os árabes como bárbaros para conter, erradicar, 
controle, reprimir, oprimir e exterminar. Mensagens cujo objetivo implícito é justificar 
as invasões do Oriente Médio e as múltiplas intervenções e atentados orquestrados pelo 
Ocidente, ao defender a nova partilha imperial. O ator espanhol Willy Toledo, disse em uma 
declaração polêmica - o que só foi o óbvio - que "o Ocidente está a matar todos os dias, 
sem ruído.". E é isso que Charlie e seu humor negro escondido sob a forma de sátira.

Eu não esqueço a capa do Charlie Hebdo No. 1099, em que se banalizou a morte de mais de 
mil egípcios por uma ditadura militar brutal, que tem a bênção da França e dos EUA, com um 
desenho de um homem muçulmano crivado de balas enquanto ele tentava se proteger com o 
Corão, com este texto: ". Slaughter no Egito O Alcorão é uma porcaria E não pára por 
balas." Alguns acharam divertido. Em seu tempo, os colonos ingleses em Tierra del Fuego 
(Argentina) eram divertidos para posar para fotografias com os nativos que tinham "caçado" 
com sorrisos largos, rifle na mão, e com o pé no cadáver ensanguentado sempre quente. 
Bastante divertido, esta caricatura parece abuso violento e colonial que a liberdade de 
imprensa ocidental como fictícia como manipulado. O que aconteceria se eu publiquei com 
cobertura do jornal de hoje a sentença ". Slaughter Charlie Hebdo em Paris, é uma 
porcaria: não parar balas") e uma caricatura do falecido Jean Cabut crivado de balas e um 
exemplar do jornal nas mãos? Claro, seria um escândalo: a vida de um francês é sagrado. 
Isso de um egípcio (ou Palestina, Iraque, Síria, etc.) é o material de "humor". É por isso 
que eu não sou Charlie, já que a vida de cada um desses egípcios crivados de balas para 
mim tão sagrado quanto o de qualquer um destes cartunistas assassinado hoje.

Nós já sabemos o que é um duplo padrão: vamos ter direito a discurso defendendo a 
liberdade de imprensa dos mesmos países, em 1999, deu a bênção aos bombardeamentos da NATO 
em Belgrado a partir de qualificada sérvio estação pública de TV "ministério mentira", ou 
que estão em silêncio quando Israel bombardeou estação de TV de Beirute Al-Manar, em 2006, 
mortes silenciosas de jornalistas colombianos e palestinos crítica. Após a bela retórica 
da liberdade, a liberdade, irá compartilhar mais do macarthismo em nome de 
"anti-terrorismo" intervenções mais coloniais, mais restrições sobre essas "garantias 
democráticas" em perigo, e Naturalmente, sobre o racismo. Europa é consumida em uma 
espiral de ódio xenófobo, a islamofobia, anti-semitismo (os palestinos estão de fato 
semitas) ea atmosfera se torna cada vez irrespirável. Os muçulmanos já são os judeus do 
século XXI, a Europa e os partidos neo-nazistas novamente se tornam respeitáveis 80 anos 
depois, graças a esse sentimento repugnante. Por tudo isso, apesar da repulsa provocou em 
mim o ataque em Paris, eu não sou Charlie.

José Antonio Gutiérrez D.
7 de janeiro de 2015

Link relacionado: http://tlaxcala-int.blogspot.fr/2015/01/je-ne-suis-pas-charlie.html

http://www.anarkismo.net/article/27782


More information about the A-infos-pt mailing list