(pt) A revolução dentro da revolução e o protagonismo feminino no Curdistão by Lorena Castillo*

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015 - 09:50:41 CET


Somente há pouco tempo ficamos sabendo que em uma determinada região do Oriente Médio, 
mais precisamente no oeste do território curdo (Rojava), existe um processo revolucionário 
que se desenlaça e coloca no cerne da questão política a liberdade das mulheres e a 
negação do Estado-Nação. A luta revolucionária hoje no Curdistão é algo que recoloca no 
debate político da esquerda mundial a possibilidade de fazer a ruptura com a podridão do 
sistema capitalista e patriarcal. Hoje, o povo curdo, que está em luta contra os regimes 
opressivos da região, dá o exemplo de como é possível viver em uma sociedade baseada na 
democracia de base, no poder popular e no alto nível de liberdade das mulheres.

Fotos: Kurdish Female Fighters Y.P.J

A toda essa proposta política elas e eles dão o nome de Confederalismo Democrático. Essa 
proposta surge a partir das leituras do militante curdo Abdullan Ocalan, que é uma figura 
de referência para toda a esquerda curda, sendo um dos fundadores do Partido Trabalhista 
Curdo (PKK), e que está preso há 16 anos, com pena perpétua para ser cumprida em uma 
ilha-prisão da Turquia.  Na prisão, Ocalan aprofundou suas leituras dos textos anarquistas 
de Bakunin, Kropotkin e Proudhon, e, como proposta de modelo político para ser trilhado na 
revolução social do Curdistão, ele rebatiza o Municipalismo Libertário do também 
anarquista Murray Bookchin. Esse projeto político, o Confederalismo Democrático, vê o 
Estado como o principal oponente às ideias de autodeterminação dos povos e sua 
independência. A independência que é proposta pelo projeto do Confederalismo Democrático 
não busca obter fronteiras de um Estado-Nação. Pelo contrário, a luta curda hoje é 
qualquer coisa exceto nacionalista.

Nas montanhas acima de Erbil, no antigo coração do Curdistão, passando pelas fronteiras da 
Turquia, Irã, Iraque e Síria, nasce uma revolução social, uma proposta radical de 
democracia de base esfrega na cara da esquerda mundial que o caminho para a superação 
deste modelo injusto e assassino começou a ser trilhado longe do que tradicionalmente se 
esperava.

A luta revolucionária do povo curdo está construindo uma sociedade livre do Estado, e isso 
coloca em cena a antiga e maior polêmica entre a esquerda centralista e a federalista, que 
é a questão do Estado e também o tema já tão conhecido por nós, anarquistas, de que o 
socialismo é com liberdade ou não é socialismo. E o que está acontecendo por lá, no 
Curdistão revolucionário, é isso mesmo: desde os conselhos mais locais, sejam eles em 
bairros, municípios ou distritos, se pratica formas de democracia direta, onde todas as 
pessoas podem deliberar sobre as diferentes questões da nova sociedade que estão 
construindo. As ferramentas de organização específicas para as mulheres, jovens e para 
toda a comunidade encarnam fortemente no dia a dia os princípios de democracia radical de 
base e liberdade. O federalismo do ponto de vista anarquista, como um conceito de 
descentralização de poder encontra nesta experiência terreno fértil para fazer defesa 
desta concepção. O que temos hoje no Curdistão é o desenlace de um povo forte, que neste 
momento está em armas contra as terríveis ideias e ações do Daesh (ISIS, ou Estado Islâmico).

Algo extremamente importante de ressaltar nesse processo todo é a conformação, em todos os 
níveis de organização, da inserção das mulheres curdas nessa luta revolucionária, onde as 
mulheres estão desempenhando um papel determinante no combate ao Estado Islâmico. Elas não 
estão ali somente porque as condições da guerra contra o Estado Islâmico requeira isso, 
não porque sejam "símbolos de propaganda", as mulheres curdas estão metidas nesse processo 
como grandes protagonistas de um duro combate às forças que mais matam, escravizam e 
massacram os povos oprimidos da região. Elas carregam no seu "núcleo duro" 
político-ideológico uma proposta de ruptura ao sistema capitalista-patriarcal, e estão 
atuando dessa forma naquela região do mundo, onde já escutamos milhares de vezes que os 
direitos das mulheres são terrivelmente negados. Isso também é o que torna essa 
experiência revolucionária com caráter feminista ainda mais entusiasmante.

O movimento de mulheres no Curdistão sabe que a proposta de um Estado-Nação não é a 
solução para a vida dos mais oprimidos e que sim, a solução está fora do Estado, a 
despeito do Estado, em combate à lógica do Estado-Nação, capitalista e patriarcal. E é no 
fortalecimento de uma lógica democrática de baixo para cima que temos visto os curdos 
levando adiante sua revolução social, fortalecendo suas cooperativas, conselhos e assembleias.

  ?

O Estado Islâmico e as grandes potências ocidentais são as principais ameaças, ao menos 
por hora, para os revolucionários curdos. O E.I. é uma força ultraconservadora de 
interpretação do islamismo que está tentando se conformar como um Estado nas regiões do 
Iraque e Síria. Eles têm como principal objetivo dos seus ataques pessoas desarmadas, e se 
utilizam de métodos de terror para capturar e massacrar os povos dessas regiões. Com uma 
certa prioridade, o E.I. quer massacrar o povo curdo, sem falar que contra as mulheres 
eles praticam um verdadeiro feminicídio.

É importante contextualizar que, apesar das confusões sugeridas pelos interesses das 
potências dominantes e os seus meios de comunicação, o E.I. é um agente que tem origens na 
Al-Qaeda, vindo a ser uma cisão desta. Então, é bom lembrar que a Al-Qaeda e os Estados 
Unidos têm relações históricas de negócios entre as famílias Bush e Bin Laden.  Portanto, 
é ilusório e ignorante acreditar na afirmação de que exista combate contra o E.I. a não 
ser o que dá o povo curdo em armas.

Os desafios de defesa desse processo revolucionário são gigantes, pois os interesses das 
grandes potências são, em grande medida, os mais preocupantes. Todavia, não sabemos em que 
momento o povo curdo pode ser alvo de artilharia pesada vinda também da parte Ocidental do 
mundo, sem falar que para a esquerda, a nível internacional, ainda falta maior engajamento 
na defesa dessa revolução. Não podemos cometer o erro histórico, como organizações de 
intenção revolucionária, de largar à própria sorte os povos em armas que se erguem pelos 
cantões do Curdistão.

O papel que essa experiência cumpre para os demais povos oprimidos do mundo é imensurável, 
a revolução social em marcha no Curdistão é a prova viva de que podemos destruir esse 
sistema de opressões com organização desde a base, sem hierarquia político-econômica e 
social e com real protagonismo dos oprimidos.

No que diz respeito à luta das mulheres, o que vemos por lá, como falado anteriormente, é 
ainda mais empolgante, pois o projeto do Confederalismo Democrático busca em prioridade a 
liberdade e autodeterminação das mulheres, sendo essa premissa o "medidor" para uma 
sociedade realmente livre e democrática. Com isso, me atreveria a dizer que, por mais que 
em outros processos revolucionários tenhamos visto uma grande participação das mulheres, 
como é o exemplo da Comuna de Paris com suas "incendiárias" e um papel destacado para a 
companheira Louise Michel, na Revolução Espanhola com as valentes "Mujeres Libres" e nas 
demais revoluções sociais, nada se compara ao que estamos vendo fazer, aqui e agora, essas 
mulheres e homens das montanhas do Curdistão.

Dentro do debate político que fazem por lá, os companheiros homens podem opinar sobre 
tudo, menos sobre a vida das mulheres e sua livre determinação. Já viram isso antes? 
Acredito que não. Pois bem, está em prática por lá, também, o fim derradeiro dos 
casamentos de crianças, da poligamia e da violência sexual ou de qualquer outra ordem 
contra as mulheres e, se um homem cometer algum tipo de violência contra as mulheres, este 
será afastado de qualquer cargo que possa estar ocupando na organização dessa nova 
sociedade. Isto prova que a liberdade das mulheres não é conquista para depois da 
revolução social, e sim é parte constitutiva no processo da mesma.

*Lorena Castillo é militante da Federação Anarquista Gaúcha e do Ateneu Libertário A 
Batalha da Várzea.


More information about the A-infos-pt mailing list