(pt) “Nós não vamos recuar”, diz militante condenado por “depredação” em protesto de 2013 by Débora Fogliatto

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 14 de Fevereiro de 2015 - 08:38:45 CET


Uma semana antes do primeiro protesto contra um novo aumento nas tarifas de ônibus, foi 
divulgada a primeira condenação judicial de um militante envolvido nas manifestações de 
2013. Vicente Mertz, membro da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), foi considerado culpado 
por crime ambiental e dano ao patrimônio público, recebendo pena de um ano e meio de 
prisão, que pode ser revertida em trabalho comunitário. ---- Vicente Mertz participou das 
manifestações de 2013 | Foto: Divulgação/Facebook 
http://i0.wp.com/www.sul21.com.br/jornal/wp-content/uploads/2015/02/20150212-vicente-mertz.jpg?zoom=1.5&resize=360%2C360 
---- Vicente é réu em dois processos e foi condenado pelo primeiro, referente a um ato que 
ocorreu no fim de março, em frente à Prefeitura. Na ocasião, após uma militante ser levada 
de forma abrupta pela Guarda Municipal para dentro do prédio, centenas de pessoas foram 
até a porta, forçando-a, para pedir que a jovem retornasse. “A prova que eles têm é uma 
filmagem em que estou junto com centenas de outras pessoas em frente à porta. Não tem 
nenhuma imagem minha, de fato, destruindo a porta”, analisa ele.

Inicialmente, Vicente havia sido acusado também de formação de quadrilha, em conjunto com 
outras 12 pessoas que faziam parte do processo. Com o passar do tempo, as outras acusações 
foram arquivadas, exceto a dele. Agora, no entanto, outros dois nomes foram anexados ao 
processo.

Há ainda um outro processo, referente a um protesto de junho, que aguarda julgamento. 
Deste, fazem parte Vicente e outros seis militantes que estiveram presentes nas 
manifestações. Esta acusação é mais extensa e inclui formação de quadrilha armada, além de 
porte de explosivos, furto qualificado, dano simples e qualificado e lesão corporal.

Para este outro processo, a polícia revistou a sede da FAG e o Centro de Cultura 
Libertário, confiscando livros, manifestos, textos e materiais em geral sobre o 
anarquismo. “Se fizermos um exercício de memória vamos lembrar das próprias declarações da 
época, do chefe da Brigada Militar e do governador, de que os partidos políticos não eram 
o problema, o problema eram os ‘anarquistas e fascistas’, colocando tudo no mesmo saco, 
dizendo que promoveriam ações violentas”, afirma Vicente.

Ele também menciona o fato de o comunicado de sua condenação ter acontecido uma semana 
antes do primeiro protesto, o que faz com que pareça uma tentativa de intimidação. No 
entanto, outro ato acontece nesta quinta-feira (12), a partir das 18h. O próprio Vicente 
não considera que deva parar de ir às manifestações. “Pretendo continuar, é um direito 
constitucional que eu tenho. Isso está sendo uma deturpação completa da Justiça. E se a 
intenção deles é nos calar para garantir os lucros das empresas, sinto dizer que vão ser 
mal sucedidos. Nós não vamos recuar”, garante.

Vicente fez um pedido de anulamento do processo e agora está recorrendo da decisão em 
segunda instância, o que deve levar um tempo para ser analisado. Mesmo com a possibilidade 
de cumprir a pena fazendo trabalhos comunitários, a manutenção da condenação faria com que 
ele não fosse mais réu primário, o impedindo de assumir cargos públicos, por exemplo.


Manifestação de 2013 na qual estava Vicente, condenado agora | Foto: Ramiro Furquim/Sul21
 
http://i0.wp.com/www.sul21.com.br/jornal/wp-content/uploads/2013/03/Por-Ramiro-Furquim-_OAF0070.jpg?zoom=1.5&resize=565%2C376

“Não se intimidar”, diz nota da FAG

A Federação Anarquista divulgou uma nota de solidariedade a Vicente, em que considera que 
“o processo neste contexto busca ter o mesmo efeito de uma bala de borracha ou de uma 
bomba de efeito moral: uma tentativa de intimidar e frear as lutas nas ruas que ousam 
questionar os lucros dos empresários e os conchavos já evidente das empresas com os 
poderes públicos”.

Eles garantem que, apesar das tentativas de intimidação, “a luta e organização dos de 
baixo não começou hoje e também continuará. Mobilizam-se os jovens, os trabalhadores, os 
sem-tetos e as comunidades de periferia”. Por fim, expressam “solidariedade à todos e 
todas os companheiros e companheiras perseguidos por lutar”. Leia na íntegra.
http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=1077


More information about the A-infos-pt mailing list