(pt) Anarkismo.net: "UE: timeo Danaos et dona ferentes" (Eu temo os gregos levando presentes) A UE e as suas instituições temem, talvez, um efeito do cavalo de Tróia na UE? por Donato Romito (en, it) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 11 de Fevereiro de 2015 - 12:09:25 CET


Aproveite a oportunidade e utilidade de um crack, um espaço político e social que poderá 
ser aberta no monólito do pacto orçamental e da economia da dívida, para reviver as lutas 
trabalhistas difíceis e expandir e sustentar lutas urbanas em toda a Europa, a fim de 
reconstruir a consciência necessária para uma ruptura democrática classe. ---- Timeo 
Danaos et dona ferentes ---- A UE e as suas instituições temem, talvez, um efeito do 
cavalo de Tróia na UE? ---- Eneida (Livro II, 49) de Virgílio, então ele disse Laocoonte 
para os troianos para mantê-los de trazer dentro das paredes do famoso cavalo da cidade 
dos gregos. ---- A vitória da coalizão SYRIZA ea primeira intenção anti-austeridade do 
novo governo da esquerda-direita (SYRIZA + Anel) estão se preocupando não apenas os países 
da União Europeia e das suas instituições.

Os gregos são, portanto, ainda tem medo.

A UE está preocupada, talvez, um efeito de cavalo de Tróia dentro da União, se fossem para 
sempre abrir as portas de austeridade em face do mesmo os requisitos mínimos dos gregos?

Como foi o caso para a Irlanda, Portugal, Itália, Chipre, a advertência do BCE (recusa em 
aceitar títulos do governo grego como colateral para garantir empréstimos a bancos 
gregos), antes mesmo de ter um declaração sinal parece ter um sinal claramente político.

Nós já não são, de fato, em 2011-12, quando apenas para manter a Grécia na moeda única, 
Alemanha, Finlândia e Holanda concordaram em dobrar resgate lágrimas e sangue (o memorando 
infame da troika por EUR 264000000000) da Grécia, apppropriandosi dell ' 80% da dívida grega.

Após os discursos do BCE, especialmente com o QE recente, a situação económica na UE 
mudou, por isso o mais que a dívida pública da Grécia (em que o jogo é aberto), se 
preocupar tanto assim chamados falcões, como governos centro -direito de Espanha e 
Portugal, que seria uma SYRIZA efeito de contágio no interior dos Estados individuais (ver 
PODEMOS na Espanha, Die Linke na Alemanha, ...).

O novo grego governo anunciou uma manobra por EUR 2 bilhões para resumir 12.000 
funcionários públicos demitidos, para congelar a privatização, para aumentar o salário 
mínimo e combate à evasão fiscal. Para um país que solicita a renegociação da dívida, tudo 
é intolerável para as instituições da "troika".

2015 amadurecer alguns prazos para a Grécia (EUR 5 bilhões a serem devolvidos ao FMI, além 
de EUR 6,7 bilhões para serem devolvidos ao BCE).

Na mesa de negociações, por um lado, o pedido de mais tempo e menos juros a serem pagos 
pela Grécia, outra chantagem Europeia sobre o congelamento do outro auxílio fornecido 
(7000000000 EUR), se o governo não se submete grego.

No entanto, a apresentação feroz Tsipras pode ser tão politicamente contraproducente para 
a Alemanha, como um contágio nutrido efeito forças políticas e sociais anti-austeridade.

Humilhação para o líder de SYRIZA traria Grécia na instabilidade incontrolável mais 
provável de empurrar para o chamado Grexit (talvez hoje, ao contrário de 2011, não se 
importaria com a Sra Merkel), mas que iria levantar questões sobre a estabilidade na zona 
do euro outros países, como Portugal, Espanha, Itália e mesmo a França.

E, em seguida, a Alemanha poderia ser acusado de ter liderado pela segunda vez na história 
de todo o continente ao desastre.

SYRIZA, portanto, deve ser contido, a fim de não levantar esperanças e instabilidade em 
outros países sobrecarregados pelas políticas de austeridade. Mas ainda obstinação do lado 
alemão seria condenar a Europa a uma década de empobrecimento que abasteceria forças 
populistas e anti-euro de extrema-direita, mas ainda pró-austeridade e feroemente 
anti-proletário.

O jogo que é jogado nos corredores do poder europeu é, portanto, em aberto, mas poderia 
ser mais decisivo se eles foram para o jogo dos movimentos sociais de toda a Europa estão 
a lutar contra as políticas de austeridade, contra a grande parte do território, contra a 
destruição dos direitos dos trabalhadores, contra o racismo.

Para construir uma Europa de solidariedade da classe trabalhadora deve ser mobilizada em 
uma escala continental das forças anti-capitalistas, que usa a contradição que começou na 
União Europeia, após a vitória eleitoral do SYRIZA ontem e amanhã que de PODEMOS.

Não se trata de encontrar um Tzipras ou fazer uma Syriza em qualquer outro país ou para ir 
para a escola por Iglesias em Espanha para aventuras groped eleitorais e parlamentares que 
nunca trouxeram nada de bom para as classes trabalhadoras. É, antes, para aproveitar a 
oportunidade e utilidade de um crack, um espaço político e social que poderá ser aberta no 
monólito do pacto orçamental e da economia da dívida, para reviver as lutas trabalhistas 
difíceis e expandir e sustentar lutas urbanas em toda a Europa, a fim de reconstruir a 
consciência necessária para uma ruptura democrática classe. Uma quebra de mark-capitalista 
net democrática e libertária. não através de atalhos de eleição, mas para a construção de 
um conflito social e treliça generalizada, sistemática e permanente, capaz de expressar 
crescente radicalismo de baixo, dirigida versoà reapropriação e auto-gestão dos recursos 
comuns, o património e do ambiente, cultural e econômica, nos territórios da Europa e em 
todos os países.

Somente grandes esperanças? Claro, mas apoiada pela observação de sinais de conflito e 
desenvolvimento das lutas em vários países. Para nós, é o compromisso diário constante de 
nossas organizações políticas, anarquista comunista e libertário, dentro da realidade de 
todos os dias, mesmo quando parece se afastar de nossos objetivos estratégicos.

Donato Romito

http://www.anarkismo.net/article/27871


More information about the A-infos-pt mailing list