(pt) France, Alternative Libertaire - político, "A abertura de uma brecha no consenso nacional",26 de novembro de 2015 por AL 93, AL Montreuil, AL Paris Norte Leste, AL Paris-Sud, AL Saint-Denis (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 1 de Dezembro de 2015 - 10:48:39 CET


[Áudio] Dada a unanimidade (incluindo a Frente de Esquerda) a favor da "guerra ao terror" 
e do estado de emergência, a vara revolucionário juntos. Mais de 500 pessoas participaram 
do comício "contra o terrorismo, guerra e racismo", na noite desta terça-feira, 24 de 
novembro, no ginásio do 20º Bidassoa, Paris. Uma voz contra a corrente, mas vai mais longe 
como eventos nos dar razão. ---- Na sequência dos ataques de 13 de Novembro em Paris, ele 
originalmente planejado rali pela ANP sobre o conflito na Air France foi ampliado e 
transformado em uma única reunião. ---- Todas as organizações que assinam o declaração 
conjunta "A guerra, os nossos mortos" - e mesmo além - foram convidados a falar. 
Libertaire alternativa, Luta Operária, a OCML-VP e Conselho Democrático Curdo na França e 
tinha delegado palestrantes e oradores femininos. Também ouvimos Mathieu Santel 
(SOUTH-Air) luta para voltar à Air France - cuja "camisas rasgadas" foram apenas o 
episódio mais espetacular - e do bebê, um imigrante etíope que viveu em seis meses o 
inferno da "selva" de Calais.

92 trabalhadores dos correios em luta chegou a uma coleção de suporte. No contexto, ele 
também teria sido necessário que ciblé.es militant.es pela polícia na sequência da 
manifestação de 22 de Novembro são présent.es proibida, mas, aparentemente, não foi 
possível - um GA foi realizada sobre esta questão ao mesmo tempo o CICP.

Abaixo, extratos significativos de cada intervenção + textualmente o discurso da 
Alternative Libertaire.

O discurso completo pode ser ouvido no NPA website.
http://www.npa2009.org/videos/meeting-contre-le-terrorisme-la-guerre-et-le-racisme

LIBERTÁRIO endereço alternativo

Caros camaradas-ES,

Na preparação deste rali unidade contra a escalada militar, a escalada de segurança e de 
ataque racista, só podemos tomar nota do fato de que nós somos mais do que nunca contra a 
corrente.

Diante de nós há uma grande unidade nacional a favor da prorrogação do estado de 
emergência, envolvendo todos os senadores e quase todos os membros da FN para a Frente de 
Esquerda.

Diante de nós, há o fluxo contínuo de canais de notícias que refletem a emoção legítima de 
uma população atingida por jihadistas violentos ódio mas a reflexão completamente zap 
sobre as consequências políticas dos ataques.

Diante de nós, há, finalmente, os reacionários de todos os matizes que estão esfregando as 
mãos na manutenção amálgama vergonhoso entre os migrantes, muçulmano-es e terroristas. 
Esse é o lado deprimente.

Mas é claro que não pode parar por aí.

Nossa tarefa é abordar as preocupações dos nossos colegas, o nosso amigo-ES, nossa 
família, todos aqueles e todos aqueles que podem ter uma idéia muito vaga do que ela 
significa para o "imperialismo" e ter uma visão muito parte de todos os envolvidos estado 
de emergência.

O desafio agora é abrir uma brecha no consenso nacional que caiu sobre nós como um peso de 
chumbo.

Nós não temos nenhuma solução milagrosa, mas acreditamos que devemos ir em duas direções:

Devemos antes de tudo ir para o campo da batalha de idéias, por cavar a perguntas que 
qualquer um pode fazer e se esforçando para fazer respostas simplistas simples, mas não.

Primeira pergunta ardente: o de intervir militarmente?

Para responder a isso, não é necessário convocar o breviário anti-imperialista, basta 
lembrar algumas evidências:

uma coligação internacional interveio no Afeganistão em 2001 se a situação estiver 
definida hoje?

os Estados Unidos e seus aliados mais próximos interveio no Iraque a partir de 2003: é que 
a situação seja resolvida hoje?

uma nova coalizão internacional agora quer afogar sob as bombas Síria:? Será que isso vai 
resolver a solução Há razões para duvidar ...

Especialmente porque a França é hipócrita quando afirma conduzir uma "guerra ao terror", 
mas continua a se prostrar diante Qatar, Arábia Saudita esse fundo secretamente jihadismo 
para manter a sua influência no região.

Então o que fazer para superar Daech no chão?

O que repetir é que a Síria bombardeio pode colocar um freio temporário sobre os 
progressos do Estado islâmico, mas traz nenhuma solução a longo prazo.

Na Síria e no Iraque, temos de dizer que a melhor resposta é a de apoiar as forças 
progressistas que lutam na linha de frente enfrentando Daech. Entre essas forças 
progressistas, há as milícias curdas sírios que não apenas derrotas militares infligidas 
por IR (para Kobanî, Alto-Abyad em Sinjar), mas também defendem uma alternativa política 
com um projeto social democrático, secular, feminista e ambientalista.

Segunda pergunta: como parar o desenvolvimento do jihadismo em França?

A solução preconizada pelo governo é a ampliação e fortalecimento do estado de emergência 
facilitada com prisão domiciliar. Enquanto isso, o governo não hesita em recorrer à 
extrema direita do programa:

permitir que a polícia mantenha suas armas fora do seu tempo de serviço;
estabelecer uma "presunção de auto-defesa" para a polícia (ou seja, reconhecer, sem pedir 
qualquer pergunta que a polícia sempre ataca para defender ...);
privar da sua nacionalidade binacional envolvida em casos de terrorismo, assim acredito 
que há uma ligação direta entre os imigrantes e os terroristas.
Diante de tudo isso, devemos lembrar que as medidas de segurança são muito eficazes na 
redução das liberdades civis, mas eles são muito menos eficazes para resolver o problema 
do terrorismo.

Os bodes expiatórios deste clima de segurança é conhecido antecipadamente: todos aqueles e 
todos aqueles que têm a infelicidade de não ter a cor da pele direito, não tendo os 
documentos corretos ou não a viver em bairros bons.

A solução não é a retirada eo estado permanente de exceção, a solução é mais solidariedade 
e justiça social. O desafio é tratar as causas do mal-estar social, não se concentrar 
apenas sobre os sintomas.

O que nos leva à segunda direção em que devemos ir: ao longo da batalha de idéias, 
empurrar em direção a mais solidariedade e mais organização ao banco de dados.

Os ataques têm suscitado muita emoção, mas também um monte de raiva e revolta.

Por esta revolta não é explorada por discursos Será que na guerra, temos de oferecer 
perspectivas de ação coletiva e lutar para mudar a sociedade.

Precisamos de nos coordenar para propor outras experiências coletivas, reforçar a 
solidariedade de vizinhança, o tecido associativo, as estruturas sindicais locais, etc.

Como para as organizações de massa em que nos encontramos, empurrar o mesmo para manter as 
greves, manter os comícios curto, manter o calendário do movimento social independente do 
poder político.

Como tal, acreditamos que devemos expressar nossa solidariedade com os 58 manifestantes 
cuja identidade polícia transmitido ao Ministério Público após o comício de solidariedade 
para com os migrantes realizado no domingo, de Novembro de 22º.

Durante Cop21, nós também vai empurrar que o desafio de continuar a falar. Esta não é a 
medidas draconianas que sufocam as nossas lutas sede e justiça social.

Fotos: William / AL Montreuil
Foto: Marie-Au Palacio / AL nordeste Paris

http://www.alternativelibertaire.org/?Ouvrir-une-breche-dans-le


More information about the A-infos-pt mailing list