(pt) Umas reflexões sobre as perspectivas dos esforços organizativos do movimento anarquista grego (ca, en, gr)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 21 de Agosto de 2015 - 21:30:27 CEST


Este é um primeiro informe, escrito no final de julho de 2015. Esperamos que haja 
continuação... ---- Após 35 anos de vida como movimento (talvez mais tempo) 
político/social, o informalmente chamado movimento anarquista-antiautoritário, no qual em 
muitos casos foram incluídos ramos de organizações e indivíduos da esquerda radical 
marxista, a autonomia marxista e anarquista, assim como libertários pacifistas, após haver 
fracassado reiteradas vezes em criar uma organização anarquista para vincular e unir a 
todas as entidades independentes e coletivos anarquistas, assim como os indivíduos que não 
podiam identificar-se com algum coletivo político, tratou de realizá-lo em dezembro de 
2012. Naquele momento um chamado mais sério parecia tentar novamente formar uma 
Organização Política Anarquista.

O chamado inicial realizado em 19 de dezembro de 2012 veio de quatro coletivos influentes 
e de longa vida, e foi publicado após longos debates entre as coletividades que assinaram 
a minuta da comunicação aos demais anarquistas sobre a necessidade de um nível de 
organização ainda maior. Ao que parece, isto criou um amplo interesse em outros coletivos 
em Atenas e no resto do território do Estado grego. Este interesse se converteu em um 
processo complexo sobre como formar propostas em comum, anunciadas sobre a organização e 
as posições políticas sobre os temas mais importantes que os anarquistas costumam 
posicionar-se. No entanto não conhecemos o conteúdo detalhado destes processos.

Fora do espectro dos coletivos que participaram nesta tentativa durante quase dois anos, 
guardou-se silêncio. Ao mesmo tempo existia a esperança de que algo sério estava sendo 
preparado. Alguns intuíam e especulavam sobre isso. Ao mesmo tempo havia uma curiosidade 
crescente sobre a identidade do que tardava em anunciar-se durante tanto tempo. 
Finalmente, o silêncio foi rompido por um coletivo insatisfeito chamado ASMPA 
(Coletividade Anarquista para a Reconstituição Proletária Militante), que ao que parece 
separou-se do esforço pelo projeto depois de um desacordo feroz com os outros coletivos 
sobre a possibilidade de um deles, o coletivo Kathodón fazer parte do grupo. Este 
desacordo era uma lembrança e também uma prova de que o projeto estava em curso e que 
estava amplamente apoiado por cerca de vinte coletivos em todo o território do Estado grego.

O desacordo parece estar relacionado a um fato que remonta a fevereiro de 2013, quando uns 
membros do Kathodón participaram (segundo o comunicado de ASMPA) em um ataque contra um 
edifício ocupado, e posteriormente ao ataque distribuíram a certos coletivos uma 
declaração (comunicado) explicando e argumentando sobre sua ação e sobre o que havia 
sucedido. Pouco depois a ASMPA publicou um segundo comunicado no qual 
explicava-explicitava por que já não podia tolerar a atitude do resto dos grupos que 
encobriam segundo ela a responsabilidade de Kathodón, acusando aos que consentiam a este 
grupo como um mecanismo protecionista partidário. Por muito negativas que fossem as 
declarações de ASMPA que descreviam uns aspectos do esforço pela edificação da Organização 
Política, eram a única fonte sobre este projeto e constituíam a prova de que este ainda 
estava vigente e em constante evolução, já que muitos especulavam que havia sido 
abandonado. A única prova que havia até aquele momento sobre a existência e a continuação 
do projeto era indireta.

No início de junho de 2015 saiu um novo comunicado (um pré-anúncio de um processo 
pendente), assinado por apenas um dos coletivos que haviam assinado o chamado original 
(Ciclo do Fogo) junto com alguns outros coletivos, três de Atenas, um de Tessalônica, e um 
de Patras. Um dos novos coletivos (O72) parece ser uma evolução de um velho coletivo e de 
um dos coletivos que haviam assinado o chamado inicial. Uma das coletividades de 
Tessalônica parece haver surgido de uma cisão de outro coletivo anarquista. No entanto, a 
informação publicada sobre todos estes detalhes parece ser confusa e possivelmente de 
menor importância.

Este último comunicado associou este esforço (tentativa) ao chamado original e falava 
diretamente da evolução natural deste processo com o fim de criar uma Organização 
Política. Não obstante, se alguém se refere ao chamado original e aos comunicados emitidos 
por vários coletivos individualmente (Antipnia, por exemplo, afirma diretamente que este 
esforço é um projeto cujo fim é a criação de uma Federação) tem a sensação de que a 
evolução deste esforço (tentativa) era claramente o desenvolvimento da base de uma 
conferência para criar uma Federação Política, não uma Organização Política. O comunicado 
emitido em junho de 2015 pelos cinco coletivos não responde claramente a pergunta, o que 
aconteceu com o resto dos coletivos, mas era óbvio que havia havido uma divisão (cisão), 
já que uns coletivos que nos comunicados de ASMPA apareciam juntos neste esforço 
(tentativa, projeto) naquele momento, não parecem estar juntos nesta última atualização do 
processo.

Para responder a todos os curiosos que perguntavam o quê havia acontecido, no final de 
julho foi publicada uma nova atualização pelos coletivos restantes, os quais parecem 
reconhecer aos que formam a Organização, desejando-lhes o melhor e sorte. Também expressam 
sua vontade de cooperar no futuro com eles, fazendo também um chamado a um processo aberto 
de criação de uma Federação. Segundo eles o congresso acontecerá em outubro de 2015 e o 
processo do projeto será determinado neste congresso, dando uma margem de tempo de um ano 
para desenvolver a declaração final da fundação da Federação. Seu discurso foi dirigido 
aos anarquistas, aos explorados e aos oprimidos. Nos perguntamos se os indivíduos 
apolíticos vão levantar de seu sofá para integrar-se em uma federação anarquista, só por 
serem explorados em seus locais de trabalho e/ou por serem oprimidos em sua comunidade. 
Nos absteremos de comentar mais sobre este tema.

Não se pode saber se tudo isto faz aumentar a confusão e se alimenta ainda mais a 
curiosidade e a especulação. Em nenhum destes comunicados se declara algo de forma 
específica; uma data, um lugar, um contato, para que os que estão fora deste processo 
possam atuar. Tão só uns "pré-anúncios" dos "anúncios" que estão por vir. Todos estamos 
esperando que os dois projetos separados (divididos) deem o primeiro passo no assunto da 
organização. É lógico que algo que não pode materializar-se durante 35 anos e que em 
várias ocasiões foi dito não ser fácil e definitivamente não possa agradar a todos. Parece 
que há uma lista enorme de autodenominados "coletivos anarquistas" que se negaram a 
participar, foram excluídos (não diretamente senão que pela forma que tinha o chamado 
alguns não podiam ver-se a si mesmos dentro do projeto) ou abandonaram o esforço 
(tentativa, projeto), e seguiram caminhando de forma autônoma, forjando outras formas de 
associações coletivas (cooperações de curto prazo, plataformas tímidas, etc.).

Uma destas associações que tem uma história significativa de participação nos principais 
eventos políticos são os chamados bairros ocidentais (Dytiká), a qual inclui alguns mas 
não todos os coletivos dos bairros do oeste de Atenas, principalmente Resalto, Sinialo e 
Thersitis e seus projetos satélites. Não podemos especular se os motivos da formação de 
dita associação são políticos ou se são de diferente índole, ou seja, se são geográficos. 
Assim como é importante o fato de que as milhares de pessoas que durante vários anos 
participaram nas ações do movimento anarquista e antiautoritário, especialmente a corrente 
massiva de jovens que surgiu desde a rebelião de dezembro de 2008, não participam nas 
ações destes coletivos e não pertencem aos grupos anteriormente mencionados. Quer dizer, 
que estas pessoas nunca perceberam a necessidade de unir-se ou de criar coletivos 
estritamente políticos. Alguns participam somente em coletivos sociais ou em ações 
sindicais do movimento horizontal libertário em geral, e o resto se nega a integrar-se em 
alguma coletividade. Respondem a chamados mais gerais de assembleias celebradas no bairro 
de Exarchia, e aparecem em protestos e manifestações, festas, concertos, etc.

É uma questão que de momento não se pode responder se um ou ambos projetos para a criação 
de uma Organização Política Anarquista ou uma Federação Anarquista serão capazes de atrair 
a maioria dos indivíduos que mantêm a tendência a permanecer como "indivíduos", e se esta 
tendência é motivada politicamente por eles como "individualistas", ou é só falta de 
interesse e de motivação para fazer algo mais que ruído durante as ações massivas nas 
ruas. Se dissermos "continuará" (sobre estes projetos), seria uma afirmação muito incerta, 
já que há muitos que creem que estes esforços organizativos deste movimento decadente 
chegaram um pouco tarde, e os 35 anos de história deste movimento transcorreram e a 
história acabou. Se há algo que possa evoluir, este seria algo totalmente novo e iniciado 
do zero. Ou como costumam dizer os individualistas e insurrecionalistas "O novo surgirá 
das cinzas do existente", demostrando que seu enamoramento com as cinzas e o fogo se 
aproxima da psicopatologia coletiva relativa à piromania.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em inglês, castelhano.

Link curto: http://verba-volant.info/pt/?p=2631.

14/08/2015, 19:32

http://verba-volant.info/pt/umas-reflexoes-sobre-as-perspectivas-dos-esforcos-organizativos-do-movimento-anarquista-grego/


More information about the A-infos-pt mailing list