(pt) France, Alternative Libertaire AL #242 - Solidariedade concreta: La Cantine não está morto (en, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 27 de Setembro de 2014 - 15:12:28 CEST


Espaço auto-gerido de convergência das lutas e usabilidade, cantina Pirinéus em Paris foi 
expulso. A prova de que a solidariedade de classe dominante assusta. Sobre essa 
experiência ainda tem um futuro. ---- Segunda-feira 11 de agosto, pela manhã, a Cantine 
des Pyrenees foi expulso no distrito XX esvaziado de muitos de seus habitantes durante os 
feriados. As seis pessoas que estavam hospedados havia viagens, vendo algumas soluções de 
abrigo de emergência oferta louco, completamente inadequadas às suas situações, e longe do 
bairro (mas quem não sonha em uma noite em um centro de acolhimento Nanterre?). ---- Como 
espelhos, agachamento histórico despejados em julho, o local foi murado, sem os poucos 
presentes puderam fazer muita coisa. La Cantine, o que era? A morada para um punhado de 
mal alojados-ES, uma cantina barato, e acima de tudo um lugar de convergência das lutas e 
da solidariedade local contra a máquina concreta gentrificar o que o prefeito do 
arrondissement XX. Havia espaço (e as coisas boas!) Para todos, apoio administrativo para 
os necessitados, aulas de francês, e momentos de diversão. O grupo vivia alegremente 
auto-gestão e propôs uma emancipação do espaço e solidariedade por dois anos, o coração de 
um bairro onde os laços sociais são mantidos e onde as lutas locais se encontram. Um 
verdadeiro espírito de abertura reinou pessoa permaneceu na margem, e misturado 
impressionou quem passou pela porta. Libertário Alternativa beneficiou também, quando 
fomos capazes de organizar um suporte refeição para camaradas cobradas na primavera passada.

Indo contra a lógica atual da instituição

Obviamente, este tipo de negócio não é muito feliz por gestores do espaço público: (! 
Mesmo antigestionnaires) anti-capitalista, a auto-gestão de práticas de ir completamente 
contra a corrente da lógica da instituição, que é essencialmente a recuperação iniciativas 
locais de militantes de privá-los de todo o potencial político e como um instrumento a 
serviço da ordem. Todo mundo foi colocado ali: policiais, Urssaf, higiene passou 
sucessivamente, eo proprietário acabou recebendo a ordem de expulsão, após duas tentativas.

Enquanto alguns ataques eram frontal Frederique Calandra, o prefeito socialista do século 
XX, tem pregado: quando o local tornou-se deportado, ela alegou para apoiar o grupo em 
busca de uma comunidade sustentável. Promessa quebrada, as eleições municipais passadas 
desde quando ele perdeu completamente o interesse no destino da cantina. A classe está 
aberta a qualquer possibilidade de encontrar um local, estava pronto para negociar um 
aluguel - pequena - e repetidamente proposto soluções de habitação para os moradores e 
habitantes e atividades, que são então descartados visões completamente ignorados. Esta 
posição do prefeito - apoio demonstrado, mas sem nenhuma ação concreta - é útil para fugir 
expulsar deixar o local.

Esta expulsão não será suficiente para acabar com projetos coletivos, mas precisa o mais 
vasto possível continuar a apoiar. As refeições são sempre organizadas, os preços livres, 
todos os sábados ao meio-dia por um período indefinido no momento. A oportunidade para em 
torno de uma boa refeição, continuar a partilhar, ajudar uns aos outros, e cantar: "Tudo 
isso não, Calandra, a cantina não está morto! "

Clem (AL Paris Nordeste)


More information about the A-infos-pt mailing list