(pt) France, Alternative Libertaire AL #242 - Marrocos: Quando a energia deixada para morrer um grevista de fome (en, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 7 de Outubro de 2014 - 13:22:06 CEST


Moustapha Meziani, líder dos protestos estudantis na Universidade de Fez, morreu 11 de 
agosto, após 72 dias de greve de fome realizada em protesto contra a sua detenção. Um 
evento que, com os outros, mostra a verdadeira face do poder marroquino: a de um regime 
autoritário. ---- Em junho de 2014, o número de faculdades Marrocos entraram em greve 
contra as políticas de austeridade do governo (falta de recursos, aumento de taxa de 
inscrição). Entre elas: a Universidade de Fez, onde violentos confrontos entre militantes 
de extrema-esquerda do Unem (União Nacional dos Estudantes-es marroquino ne s) e 
salafistas. Graves confrontos que levaram à morte de um militante islâmico. Salafistas, 
habilmente manipulados pelo poder eo governo Benkirane (islâmico moderado, como chefe da 
decisão da Justiça e Desenvolvimento), para combater o peso do Unem no campus. Velha 
tática, mas divide eficiente e regra, já usado no seu tempo na década de 1980 pelo rei 
Hassan II, o poder promove mapa salafista em bairros pobres e nas universidades. A morte 
do salafista serve, portanto, como um pretexto para uma intervenção policial agressiva no 
campus. Piquetes são levantadas, a universidade é esvaziado. Muitos dos ativistas foram 
presos Unem-ES, presa e torturada-es-es.

Governo islâmico ea monarquia Meziani Moustapha, 31, considerado um dos líderes do 
protesto estudantil é um dos onze presos apoiantes de Unem-es. Ele está detido em Ain 
Kadous prisão e começou uma greve de fome para exigir a sua libertação, bem como os de 
seus colegas de classe e de costas para a universidade. Em 11 de julho, apesar da 
insistência de suas preocupações sobre a saúde de Mustapha (perda de peso, vômitos e 
desmaios em audiência pública) advogados, o tribunal de Fez confirma a extensão da sua 
detenção. A Associação Marroquina dos Direitos Humanos (AMDH) está organizando uma grande 
campanha nacional. Manifestações de apoio acontecem em muitas cidades. AMDH dirigir uma 
carta aberta ao chefe do governo, Abdelilah Benkirane carta sobre a situação "preocupante 
enfrentando algumas prisões no país". Ela insiste caso Meziani e convida para a abertura 
de um diálogo com ele para "preservar o seu direito sagrado à vida". Em vão.

72 dias de greve de fome

Apesar da mobilização, o governo islâmico é implacável em suas políticas repressivas 
apoiados pelo rei Mohamed VI. 9 de Agosto, o seu estado crítico, Moustapha foi transferido 
para o hospital em Fes. Tarde demais, ele morreu em 11 de agosto, após 72 dias de greve de 
fome. Poucos dias antes, dada a gravidade da situação, alguns membros de sua família havia 
ameaçado ir para transformar em uma greve de fome. Eles foram presos antes que pudessem 
implementar as suas acções. Uma família que estava machucado, além disso, exigir a 
enterrar o defunto em um lugar secreto na mais estrita privacidade para evitar 
transbordamento.

Seqüestrado, torturado e insultado

Se Moustapha, infelizmente, não é isolada. Um dia antes de sua morte, foi outro defensor 
da Unem, Wafaa Sharaf, que por sua vez foi condenado pelo Tribunal de Tânger, uma sentença 
de um ano de prisão e 51.000 dirhams finas (5.000 euros) para falsa acusação. Ela tinha 
mantido durante todo o julgamento de suas acusações, feitas abril 27, 2014, ter sido 
abduzido por policiais à paisana e jogado em um carro sem placa, no final de uma 
demonstração de trabalho. Wafaa Sharaf disse que tinha sido sequestrado várias horas, 
insultado e torturado antes de ser abandonado em uma estrada de 12 km do centro da cidade. 
Ordem reina em Marrocos. Uma ordem mantida a todo custo, o preço do assassinato legal e 
prisão de seus oponentes.

Jeremias (AL Gard)


More information about the A-infos-pt mailing list