(pt) [Grécia] Fracassa o plano repressivo premeditado da Polícia na manifestação de 17 de novembro (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 23 de Novembro de 2014 - 10:13:06 CET


Mais de 30.000 pessoas participaram na manifestação do 17 de novembro de 2014 em Atenas, 
no 41º aniversário da revolta da Escola Politécnica em 1973 contra a Ditadura da época. 
Antes do início da manifestação cerca de 7.000 policiais uniformizados e à paisana haviam 
sido espalhados no centro da cidade, lembrando-nos que "a Ditadura não acabou em 1973´´, 
segundo um dos lemas gritados na marcha até a embaixada dos Estados Unidos. ---- Antes da 
manifestação, as forças repressivas do Regime haviam criado um ambiente de terrorismo, com 
dezenas de retenções preventivas de pessoas que se dirigiam aos pontos de concentração da 
manifestação, e com milhares de policiais alinhados em torno dos edifícios das faculdades 
do centro de Atenas, fechadas desde sexta-feira passada pela Democracia, especificamente, 
por ordem do reitor da Universidade de Atenas.

Durante a manifestação a Polícia confirmou com sua atitude o que tantas pessoas já 
comentavam no fim da semana passada: Que ela provocaria os manifestantes, e faria todo o 
possível para dissolver a marcha. E fizeram de uma forma descarada. Desde o início da 
marcha a presença da Polícia praticamente envolvendo todo o bloco anarquista esteve 
sufocante, e a atitude dos policiais foi descaradamente provocativa. Cerca de três horas 
após o início da marcha, e quando ela estava acontecendo de forma pacífica, de repente e 
sem o menor pretexto a Polícia fez um ataque contra o bloco anarquista. Durante esta 
arremetida policial brutal e totalmente injustificada, os policiais começaram a pegar os 
anarquistas e todos os manifestantes que naquele momento estavam em seu alcance.

No vídeo a seguir¹ vemos duas arremetidas da Polícia durante a marcha contra o bloco 
anarquista e outros manifestantes.

No entanto, o objetivo das forças repressivas não tinha sido alcançado. A Polícia 
conseguiu dissolver a manifestação, porém, a reação dos manifestantes não foi a que 
esperava a Polícia. A maioria dos manifestantes atacados se reagrupou e continuou 
marchando em direção à embaixada dos Estados Unidos, apesar das provocações constantes dos 
policiais. Na sequência, a repressão ocorreu no bairro de Exarchia, para onde vieram 
muitos anarquistas e esquerdistas após a arremetida policial contra o bloco anarquista, e 
uma vez finalizada a marcha.

Neste bairro a Polícia se dedicou a uma verdadeira orgia repressiva. Policiais motorizados 
ou membros das chamadas forças antidistúrbios começaram a perseguir, insultar, deter e 
agredir qualquer pessoa que estava na rua, arrasando tudo que encontravam em seu caminho. 
Eles destruíram uma parte de um quiosque, bateram nos donos, invadiram uma casa para 
perseguir os manifestantes que se refugiaram no interior da mesma para fugir da ira 
repressiva, quebrando janelas de comércios e residências, dispararam grande quantidade de 
granadas de efeito moral e gás lacrimogêneo em uma área urbana densamente povoada, 
insultaram os vizinhos, e começaram muitas e diferentes provocações nas quais já estamos 
acostumados.

Um exemplo do mencionado anteriormente é a atitude dos policiais no vídeo abaixo². Eles 
batem em uma pessoa que está caída no chão. Um deles diz aos demais que vai deixar a 
pessoa lesionada por eles caída no meio da rua.

Ao mesmo tempo em que muitos manifestantes estavam chegando em Exarchia, uma pessoa 
denunciou na internet que em uma rua do bairro vários "encapuzados" desceram de uma van da 
Polícia (cujo número da placa não foi tornada pública na denúncia), se dirigindo para 
Exarchia. Como mencionado acima, o objetivo da Polícia e de seus chefes políticos era 
claro. Era tão claro que a grande maioria dos manifestantes e das pessoas em geral não 
mordeu a isca.

Não aconteceram confrontos organizados e expandidos com a Polícia em Exarchia, após a 
chegada do bloco anarquista neste bairro. Uns grupos de manifestantes jogaram coquetéis 
molotov e pedras nos policiais, mas a atitude de provocação dos últimos foi premeditada e 
deliberada, e certamente independente destes confrontos limitados. Observamos que durante 
a invasão da Polícia em Exarchia, muitos dos moradores locais jogaram das suas varandas 
vários objetos nos policiais, causando perplexidade e, em alguns casos, fazendo-os correr 
de seus postos.

Até o momento que estamos escrevendo estas linhas, em Atenas, se fizeram 64 retenções 
preventivas e 10 prisões.

Em Tessalônica, a marcha foi muito grande. A presença da Polícia foi igualmente sufocante 
como em Atenas, o que levou os manifestantes a parar a marcha durante um tempo, 
protestando e gritando lemas contra a Polícia. Aconteceram limitados confrontos entre 
manifestantes e policiais. Em Patras, um grupo de manifestantes atacou o chamado "Palácio 
de Justiça" da cidade, com pedras e coquetéis molotov. Além disso, nesta cidade também 
foram limitados os confrontos³.

[1] https://www.youtube.com/watch?v=yAjzVrl1Tws#t=247

[2] http://www.youtube.com/watch?v=ci4e2RGt3c4

[3] http://www.youtube.com/watch?v=ttNt1ve5nbM

O texto em castelhano:

http://verba-volant.info/es/fracasa-el-plan-represivo-premeditado-de-la-policia-en-la-manifestacion-del-17-de-noviembre/

Notícia relacionada:

http://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2014/11/17/grecia-17-de-novembro-luta-contra-o-poder-e-a-exploracao-luta-pela-libertacao-dos-presos-politicos/


More information about the A-infos-pt mailing list