(pt) Anarkismo.net: Bananas e anti-racismo: para além da ironia by BrunoL (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 6 de Maio de 2014 - 10:13:32 CEST


O lateral direito do Barcelona e da seleção brasileira, Daniel Alves, protagonizou um 
episódio onde a ironia e a reação espontânea deu margem para o debate anti-racista em 
escala mundial. No domingo 27 de abril de 2014, o mundo inteiro o viu comer uma banana 
atirada para este jogador baiano por um torcedor do clube espanhol (valenciano) Villareal, 
adversário do time catalão. Daniel comeu a banana e continuou jogando. Usou de ironia para 
combater a atitude preconceituosa, recebendo aplausos e adeptos em todo o país. ---- Seu 
colega de time, o também craque e jogador da seleção, o ex-santista Neymar, lançou 
campanha pelo twitter e imediatamente mobilizou de celebridades midiáticas a milhões de 
anônimos. De pronto a presidenta do Brasil, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff, seguiu os 
passos via microblog. Em paralelo, a comoção que já abalava globais pelo assassinato de DG 
(Douglas Rafael da Silva Pereira), dançarino do Programa Esquenta (baluarte da 
miscigenação positiva e do elogio da mestiçagem apolítica), engajou o elenco da emissora 
líder na causa do fim do preconceito racial.

Por mais que sempre seja louvável qualquer iniciativa neste sentido, é preciso qualificar 
o debate e, ao menos, tentar atravessar uma agenda mais política e menos emotiva. O lema 
"Somos todos macacos!" vai se tornar um novo ícone da indústria cultural e, aproveitando o 
mau momento da imagem brasileira para o exterior (com o sistemático assassinato de 
cidadãos afro-brasileiros), o Ministério do Turismo lançou a #CopaSemRacismo, através de 
milhões de compartilhamentos nas redes sociais.

O resultado pode ser mais do mesmo. Por um lado, torna-se pública a atitude de Daniel 
Alves, esta gera adesões sem fim, e serve de discurso de legitimação para a parcela da 
sociedade brasileira que vê a integração como fator positivo. Por outro, esta mesma 
parcela, cuja maioria é despolitizada, não se engaja na luta pelos direitos civis 
fundamentais da população afro-descendente territorializada. Falo de moradores de 
remanescentes de quilombos reconhecidos e os não reconhecidos, na versão contemporânea de 
favelas, cortiços, mocambos, vilas e periferias sem fim. Nesta mesma luta se inclui a 
agenda da política de cotas e a exigência de que a Secretaria de Políticas de Promoção da 
Igualdade Racial (SEPPIR) seja mais ativa e agressiva na defesa das pautas da maioria.

Na era da midiatização e com a ausência de um setor de movimento negro massivo e nas ruas, 
viria bem um ícone esportivo mais aguerrido. Algo parecido ao papel que cumpriu o 
pugilista Muhammad Ali (Cassius Clay), quando em 1966, se recusou a servir ao exército dos 
EUA e ir à guerra do Vietnã. Ali marcava um momento histórico, projetando o campeão do 
povo (como eram conhecidos os pesos pesados no boxe) para além da tagarelice e as 
provocações que tanto o marcaram.

É positiva a reação espontânea de atletas profissionais, em geral pouco ou nada afeitos a 
se posicionarem socialmente, mesmo quando a opressão os atinge. Neste sentido, superar o 
paradigma de Pelé fora do campo (Edson Arantes do Nascimento) é um pequeno avanço. Mas daí 
a festejar um engajamento imediato e midiático, onde pegam carona todos os omissos e 
hipócritas de sempre, seria um grande equívoco.

Este país precisa reencontrar-se com si mesmo, encarando a escravidão africana e o 
genocídio indígena como o Holocausto que se abateu sobre nosso povo. Definitivamente, não 
é com ironia e bom humor que se enfrentam senhores de engenho, capitães do mato e feitores.
Related Link: 
http://estrategiaeanalise.com.br/artigos/bananas-e-anti-racismo:-para-alem-da-ironia,3bf255ffbdfbd1b1fc5217b1f797be1b+01.html


More information about the A-infos-pt mailing list