(pt) A Copa do Mundo e o poder de agendamento - 1 by BrunoL (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 28 de Junho de 2014 - 15:06:52 CEST


O tema das relações entre futebol e política é real, necessitando de um debate pautado 
pela análise rigorosa. Em 2014, esta correlação também se encontra presente, tendo 
começado pelas manifestações de 2013 durante a Copa das Confederações; passando pelo clima 
de pânico instaurado com o slogan: "imagina na Copa?"; e materializado em dois campos de 
ação simultâneos ocorrendo durante a competição. No presente artigo analisamos a tabelinha 
entre mídia e política e no seguinte, a ação de massas. ---- O tema das relações entre 
futebol e política é real, tendo começado pelas manifestações de 2013 durante a Copa das 
Confederações. ---- Os grandes eventos esportivos têm o poder de impor a sua realização 
como a agenda mais relevante durante o acontecimento. No caso da Copa do Mundo do Brasil, 
esta é uma evidência. Por mais poder que tenha a FIFA, e ainda que o futebol seja o 
esporte mais popular do planeta, este fenômeno não ocorreria sem a capacidade das 
indústrias de mídia em transformar o espetáculo na forma mercadoria em um evento massivo e 
onipresente. É tamanho o agendamento do campeonato mundial dirigido por Joseph Blatter que 
este demarca a ante-sala da política nacional em pleno ano de eleições presidenciais.

Na primeira fila observamos o evidente sucesso da Copa, marcado pela adesão massiva da 
população e o triste papel midiático. A figura da indústria promotora do evento subordina 
o nobre (e controverso) rol do jornalismo como bastião de toda e qualquer forma de 
democracia; o legado de coleguinhas como João Saldanha não se encontra presente.

Nota-se uma aliança um tanto inesperada. O governo de turno, de centro-direita e com um 
verniz de "esquerda", caracteriza as empresas líderes da comunicação social como o 
principal partido de oposição, estando estas alinhadas - hegemonicamente - ao pensamento 
pró-ocidental e neoliberal. Concordo com a caracterização e vejo que, com a promoção do 
evento da FIFA, os conglomerados detentores dos licenciamentos o promovem de forma acrítica.

No campo oposto, de perfil baixo e discreto, a oposição política, notadamente de perfil 
udenista e atendendo pelo neologismo de "coxinha", termina por torcer contra o sucesso 
tanto do evento como da seleção brasileira. A lógica é simplória e pragmática. Se o Brasil 
ganhar no campo o clima de euforia terminaria por favorecer a reeleição da herdeira de 
Lula. Como se sabe, com uma eventual eliminação do time da CBF, a campanha inicia de forma 
antecipada, passando a ser o tema mais relevante.

Tanto para o Planalto como para as empresas de TV - de sinal aberto ou por assinatura - 
este sonho da UDN seria o pior dos pesadelos.

Artigo originalmente publicado no blog de Ricardo Noblat
Related Link: 
http://estrategiaeanalise.com.br/artigos/a-copa-do-mundo-e-o-poder-de-agendamento-%E2%80%93-1,7ce279829f6f22d880f1b4ddbf4ec582+01.html


More information about the A-infos-pt mailing list