(pt) A ira da elite contra o governo organizado para ela da Copa do Mundo por Brunol e Dijair Brilhante (en, fr)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 4 de Julho de 2014 - 09:38:07 CEST


Escrito após a estréia da seleção brasileira e antes do final da primeira fase -- A Copa 
do Mundo é considerado um dos maiores eventos esportivos do mundo. Não admira que os 
dirigentes da instituição liderada por Blatter seguir centenas de ações judiciais por 
parte do país de hospedagem dos jogos. Na prática, os direitos fundamentais foram apenas 
suspensos no país onde há um governo de "esquerda". Mais do mesmo no país tropical. -- A 
elite que vaiado e insultado o presidente na inauguração é a presença dominante dentro 
estádios. ---- Quando o Brasil foi escolhido para sediar a 2014, o governo brasileiro não 
poderia imaginar a magnitude do desafio seria organizar uma Copa do Mundo e agradar a 
todos. Curiosamente (ou não), a classe de insatisfeitos era a verdadeira beneficiária da 
competição da FIFA. A elite que vaiado e insultado o presidente na inauguração é a 
presença dominante dentro estádios. Isto pode explicar os insultos exageradas. O 
presidente brasileiro sabia que isso ia acontecer, talvez por essa razão ele evitou fazer 
o discurso durante a cerimônia. Como você sabe, o chamado "bloco amarelo" (um neologismo 
inventado pela Folha TV em uma história de valor inestimável) eu comecei a reação mais 
reacionário.

Os insultos e vaias começaram a área VIP, onde havia certamente pessoas. Apresentador de 
TV Luciano Huck, dono da marca de roupas "Use Huck", o que fez com que o T Campanha "Somos 
todos macacos" foi acusado de ser um dos primeiros manifestantes. Detalhe: (! Uma média de 
U $ $ 400 Yankees), os bilhetes em que a área do custo do estádio em torno de 900 reais 
Huck defendeu seu semanal, protestando contra a atitude ofensiva do público. Ele foi 
fixada sobre a raiva televisão nacional elite brasileira, que não consegue conviver com um 
governo que não foi eleito por eles, e pior, não sabem como se comportar em uma festa 
feita por encomenda para a sociedade acima. As mesmas pessoas que se queixavam de 
movimentos sociais protestam do lado de fora, "protesto" na corte, tomando cerveja 
importada. Coxinha nunca está satisfeito. Nelson Rodrigues explica que o chute é um trauma 
da elite brasileira; aqueles abaixo sofrer as conseqüências, porque tende a reproduzir os 
padrões de vida impostas pela reprodução ideológica drivers de dispositivo.

Um equilíbrio de Estágios

Os estádios e quadras e campos são espaciais contratos com o governo controversas. Todos 
os estádios brasileiros construídos para a Copa do Mundo foram testados, foram alguns 
problemas, mas nada sério pode acontecer aqui.

Itaquerão (São Paulo, Brasil) - Stage jogo de abertura do torneio. Os jornalistas 
reclamaram que o sinal de internet era instável no centro da mídia e áreas públicas. Houve 
queixas das grades por falta de comida e bebidas quentes. Durante o jogo, as luzes se 
apagaram, embora não totalmente, o jogo foi para não ser interrompido.
Mane Garrincha (Brasília, Distrito Federal) - Grandes filas formadas nos detectores de 
metais na entrada do estádio para a partida entre Suíça e Equador. Muitos fãs vieram 
enquanto o jogo estava em andamento.

Maracanã (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro) - As barras foram grandes vilões do Estádio 
Mário Filho, a escassez de alimentos e longas filas para comprar bebidas fãs impacientes 
esquerda na partida entre Argentina e na Bósnia. O incidente mais grave ocorreu na partida 
entre Chile e Espanha, os fãs chilenos sem ingressos invadiram o centro de imprensa, na 
tentativa de chegar aos stands, a polícia do Rio precisava da ajuda de seguranças para 
manter FIFA os invasores.

Mineirão (Belo Horizonte, Minas Gerais) - Muitos problemas no exterior devido ao tráfego. 
No interior do crédito era bares dabido serviço ineficiente. As longas filas nos banheiros 
também foram uma das queixas.

Arena Pantanal (Cuiabá, Mato Grosso) - Havia longas filas nos bares e revendedores de 
ação, pior jogo ocorreu na Austrália e no Chile, onde os fãs poderiam entrar com foguetes. 
O comitê organizador local (LOC) avaliado episódio dos foguetes como "inaceitável".

Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata Grande Recife, Pernambuco) - A falta de alimentos 
em bares, e violações de segurança. Os defensores da Costa do Marfim conseguiu trazer 
instrumentos musicais (item proibido pelo manual do FIFA), desencadeando uma festa dando 
grande alegria para os africanos.

Arena Fonte Nova (Salvador, Bahia) - O problema era as longas filas na entrada eo atraso 
da barra no início do primeiro jogo. No segundo jogo problemas são melhoradas.

Arena das Dunas (Natal, Rio Grande do Norte) - A denúncia foi devido a falta de sinal para 
telefone celular, houve um momento em que a comunicação era impossível.

Castelão (Fortaleza, Ceará) - O problema foi o 3G, a instabilidade do sinal de celular 
dificultado o trabalho da imprensa e queixas geradas a partir do público.

Arena da Baixada (Curitiba, Paraná) - Muitos atraso na entrada, os fãs também reclamaram 
do tempo de espera em bares e casas de banho.

Beira-Rio (Porto Alegre, Rio Grande do Sul) - Os problemas de sinal e telefonia via 
Internet, algumas catracas não funcionou, causando filas na entrada. O maior problema foi 
com o som do estádio, o que impediu a execução de hinos e informações do jogo sobre o jogo 
entre França e Honduras.

Arena Amazônia (Manaus, Amazonas) - As reclamações eram grandes filas nos bares e 
desinformação dos voluntários e da falta de orientação em línguas estrangeiras. Pessoas 
sentadas em escadas ou em pé no corredor perturbar aqueles que queriam assistir ao jogo. O 
sinal de celular era insatisfatória.

Neste país o direito de protestar está sob suspeita

A onda de protestos exigindo melhorias continua no Brasil durante a Copa do Mundo, mas não 
o mesmo que um ano atrás. Como existe uma demanda por reivindicações específicas, os 
objetivos são semelhantes, mas não exatamente o mesmo. É protestos masifiquen difíceis em 
2014, porque as forças eleitorais (PSOL e PSTU) capitalizando campanha dividendos que 
temos pela frente, ir para as ruas e eventos públicos multiplicam.

Última mais de uma semana do início dos jogos, houve manifestações nas cidades que os 
acolhem. Alguns dizem que os manifestantes são oportunistas e estão aproveitando a mídia 
que o mundo oferece. Em São Paulo, um confronto entre a polícia e manifestantes deixaram 
feridos, incluindo dois jornalistas da CNN. Na verdade, a oportunidade de protestar é 
porque a realização da Copa do social, deixou uma conta social a ser pago pelos mais 
pobres. Tivemos remoções maciças geográficas, subindo da terra urbana, execução de obras 
em que não há futebol profissional relevante (como em Cuiabá e Brasília), ou a construção 
de estádios que existem três clubes profissionais em seus próprios campos (como em 
Recife). Houve excessos óbvias e excessos policiais.

Quando a bola rolou em Castelão, em Fortaleza, no jogo entre Brasil e México, houve 
pesados combates contra a polícia militar do Estado do Ceará ea mesma coisa aconteceu no 
estado de Pernambuco. Em Recife, os ocupantes do movimento Occupy Stellite sofreu um golpe 
no centro da cidade. O motivo foi o projeto de construção de casas "Novo Recife", que visa 
construir as torres mais altas em uma cidade cheia no meio de um processo ilegal, de 
acordo com o Ministério Público Federal. A ocupação se deu em paz, incluindo um cronograma 
de atividades recreativas. Como sempre, o governo do estado de Pernambuco enviou a tropa 
de choque para o local, que usou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os ocupantes. 
Eles levaram o clamor do jogo da equipe nacional, para realizar um ato completamente 
impopular. Quem foi oportunista nesta situação?

Dilma vaiado e nenhuma identidade entre o atual governo ea elite vai a tribunal

Vaias Dilma, que foram acompanhados por maldição e juramento estavam sentindo o início da 
Copa do Mundo. Naquele tempo, depois de uma festa estereotipado inauguração lulismo face a 
face com seu pior inimigo foi encontrado.

Por mais que eu tente, Lula e seus seguidores não conseguem identificação Brasil que 
gostaria de falar em uma língua estrangeira e surpreso e sem palavras no centro do 
capitalismo como a quintessência da civilização olhar. A maior festa do 
ex-esquerdo-continente é tolerada sem amor por aqueles que dominam as esferas ideológicas 
do país, econômicas e políticas.

É uma dupla lealdade nunca resolvido pelo PT em seu governo de coalizão oligárquico. A era 
Lula (e Dilma) foi marcado pelo "ganha-ganha", onde top cobrado através do "Tropical 
bismarckismo" políticas sociais e melhorar a vida das pessoas abaixo.

O problema está na extremidade superior da pirâmide social. Como muitas vezes acontece, 
houve uma interpretação pobre da tendência materialista. Antigos militantes associados 
lealdade de classe para os benefícios materiais das realizações do governo. O raciocínio é 
correto, especialmente quando se trata de ganhar uma enorme reserva eleitoral.

Como na América Latina, a maioria dos governos só agem em benefício próprio e de sua 
fração de classe, qualquer ação distributiva é visto como excepcional, imediatamente a 
fidelização (votação e carinho) daqueles que obtiveram mínimo esperado em um sistema 
democrático.

Esta lógica funciona com o governo para reforçar as estruturas do capitalismo ea 
conseqüente projeção do Brasil no cenário internacional, o crescente poder das empresas 
nacionais ou associados precisam Entendimento Capital.

O PT e seus aliados fizeram um bom governo para um país capitalista, cuja estrutura é o 
estado patrimonial. Seria a opção "menos pior" de ninguém no lúcido. Mas esqueceu de 
combinar isso com a classe dominante ea fração assistente, a classe média alta, que serve 
como o material de reprodução e grandes pilotos simbólicos da nação.

Dilma foi vaiado assim porque não há identidade com ela, até porque a maioria do público 
no Itaquerão. O ex-guerrilheiro faz de tudo para construir um país que está voltada para o 
desenvolvimento do capitalismo brasileiro, mas não tem uma classe dominante predispostos a 
tal audácia. Além disso, quem enviou tentando satisfazer governar que é reconhecido como 
ruim elite brasileira?

dijairalemdasquatrolinhas  gmail.com

blimarocha  gmail.com

* Dijair Brilhante (estudante de jornalismo e Bruno Lima Rocha é professor de ciência 
política e relações internacionais)

Link 
relacionado:http://estrategiaeanalise.com.br/artigos/isil-wahabbismo-e-petrodolares:-a-pior-das-aliancas--%E2%80%93-jornalismo-b-2a-quinzena-de-junho-2014-,084b2a9be46c53e2938776b81bb84ba1+01.html


More information about the A-infos-pt mailing list