(pt) Federação Anarquista Gaúcha [Santa Maria] NÃO SE INTIMIDAR, NEM SE DESMOBILIZAR! REVOGAR O AUMENTO DA TARIFA EM SANTA MARIA PELA FORÇA DAS RUAS! (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 22 de Fevereiro de 2014 - 16:00:58 CET


A luta pelo transporte público em Santa Maria entrou num novo, duro e repressivo momento. 
Isso por que de forma despótica e anti povo, o prefeito César Schirmer  em beneficio da 
ATU (Associação de Transportadores Urbanos), aprovou criminosamente o aumento do preço da 
tarifa de 2,45 para 2,60, apoiado pela grande mídia local, em especial pelas filiais  da 
"fabrica de mentiras" do Grupo RB$. ---- O prefeito, aproveitando-se do período de baixas 
mobilizações que ocorre em tempos de férias numa cidade universitária como Santa Maria, 
assinou decreto de aumento da passagem. O novo valor da tarifa foi legitimado com sérias 
contradições pelo mais que duvidoso e interesseiro crivo do CMT (Conselho Municipal de 
Transportes) com 11 votos à favor e 4 contra.

Esta instância consultiva da administração municipal é composta basicamente pela patronal 
e por entidades do campo popular burocratizadas e cooptadas. Valendo-se da aprovação, 
Schirmer foi ainda mais à fundo em suas práticas anti povo e para garantir maior lucro dos 
empresários não formulou nenhum pedido de melhoras no serviço oferecido pelas empresas. 
Fato justificado mentirosamente, através do argumento que a prefeitura municipal irá 
promover uma licitação para o transporte coletivo até o fim do ano. Quem conhece as 
práticas e o jogo de interesses existentes entre a administração municipal e a ATU sabe 
que isso não será bem assim.

Não podemos esquecer a covardia repressiva da Brigada Militar, dirigida pelo governo 
Tarso/PT, que a mando da prefeitura e da ATU prendeu 2 companheiros e feriu vários 
militantes inclusive desacordando a coronhadas de escopeta uma mãe de vitima da tragédia 
da Boate Kiss no último Ato do Bloco de Lutas. Isso demonstra muito bem o tipo de dialogo 
que se encontrará daqui pra frente.

Fortalecer e instrumentalizar o Bloco de Lutas pela esquerda para através da mobilização 
permanente revogar o aumento.

Neste momento de repressão e desinformação promovida pela mídia burguesa, é preciso 
massificar a luta contra o aumento da tarifa. E para isso, é preciso que os setores 
populares e da esquerda combativa que militam a pauta do transporte público na cidade 
fortaleçam e instrumentem o Bloco de Lutas, para através da luta e da mobilização 
permanente revogar o aumento. Seguindo exemplo claro deixado por Porto Alegre e outras 
capitais que ao longo do ano passado mostraram generosamente qual o caminho seguir para 
fazer recuar esse tipo de investida. A via morta da burocracia não garante em nada a 
conquista de direitos, a história da "esquerda" hegemônica nas últimas décadas em nosso 
país segue demonstrando isso dia após dia.

Por tanto é preciso favorecer dentro do Bloco de Lutas a participação, a democracia de 
base e combater em discurso e principalmente nas coisas de todos os dias práticas 
vanguardistas que excluem, e vícios burocráticos que de tempos em tempos desviam do 
central que é a luta. Por isso é extremamente necessário que cada companheiro, coletivo, 
sindicatos e demais organizações da esquerda anti governista possam se somar de forma 
decisiva nas atividades e tarefas exigidas pela luta. Garantir e ampliar a autonomia do 
Bloco de Lutas diante de todos os governos e dos partidos que desejarem aparelhar o 
movimento tentando tornar este correia de transmissão de seus interesses particulares, 
minando assim o caráter primordial que este espaço deve ser: juntar o campo popular e de 
esquerda e conquistar a revogação do aumento, indo além na conquista de um novo modelo de 
transporte para a cidade.

Cabe ainda à militância combativa via instâncias do Bloco ampliar o dialogo e o trabalho 
de base junto ao povo pobre da periferia, estudantes e trabalhadores(as), fomentando o 
debate com os usuários e trabalhadores(as) do transporte público. Até o momento a direção 
do SITRACOVERS (Sindicato dos Trabalhadores e Condutores Rodoviários de SM e Região) que é 
a entidade que deveria combater os sanguessugas da patronal ainda não se postou contra 
estes. Também é lamentável a dubiedade e o entreguismo da diretoria da UAC (União das 
Associações Comunitárias) que apesar de não se posicionar favorável ao aumento na reunião 
do CMT teve a capacidade de se posicionar publicamente apoiando a privatização do HUSM 
(Hospital Universitário de Santa Maria) no fim do ano passado. Certamente não se poderá 
contar com este tipo de entidade.

Levar a cabo sem vacilações uma linha combativa, organizada e de luta permanente.

Faz-se urgente o estabelecimento de vínculos classistas com a base dos trabalhadores 
rodoviários para acabar com o falso conflito de interesses existente entre estes e os 
usuários que é usado com sagacidade pela patronal e a prefeitura para que estes não se 
postem nas fileiras que combatem a sede de lucro dos empresários. Também é necessário o 
fomento de espaços de debate sobre o assunto com os usuários nos locais de estudo e 
moradia. Tudo isso para levar a cabo sem vacilações uma linha clara, combativa, organizada 
e de luta permanente que com métodos de ação direta e organização popular que revoguem o 
aumento da tarifa e fustiguem os inimigos de classe, pelegos, patrões e suas autoridades e 
abra, com exercício de Poder Popular,  o caminho para um novo modelo de transporte  100% 
público e sob controle dos trabalhadores.

Fortalecer uma costura solidária com o Bloco de Porto Alegre e através do apoio mútuo ir 
desencadeando ações articuladas, pois por parte da patronal, seu Estado e sua mídia isso 
ocorre há muito tempo. Exercitar enquanto Bloco de Lutas solidariedade entre as classes 
oprimidas  para ir acumulando, catalisando e agregando forças para uma luta que não se 
encerrará com nenhum tipo de aventura eleitoreira e que vai muito além do transporte 
público. Somente assim poderemos ir construindo verdadeiramente Poder Popular com 
horizonte de ruptura com o modelo de dominação e exploração capitalista.

Protesto não é crime. Liberdade aos presos políticos.
Revogar o aumento pela força das ruas e com ação direta popular.
Por um modelo de transporte 100% público.
Passe livre já e os ricos que paguem a conta!
Não ta morto quem luta e quem peleia!!!

Federação Anarquista Gaúcha - Integrante da CAB.
Santa Maria, 21/02/2014
Related Link: http://www.federacaoanarquistagaucha.org


More information about the A-infos-pt mailing list