(pt) France, Alternative Libertaire AL #234 - Oriente Médio: Oslo e como Israel tem perpetuado a ocupação (en, fr) [machine translation]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 16 de Fevereiro de 2014 - 11:33:47 CET


Vinte anos após os Acordos de Oslo de 1993, a conclusão é clara: o compromisso desejado 
por Yasser Arafat era pechincha de um tolo. Colonização nunca mais parou. O boicote, 
desinvestimento Sanções (BDS) é o novo caminho escolhido pelos palestinos e mulheres 
palestinas em sua luta. ---- O processo de paz de Oslo, na verdade, começou em Argel, em 
1988. A Organização para a Libertação (OLP) tinha sofrido derrotas terríveis: Setembro 
Negro na Jordânia (1970) e expulsão do Líbano (1983) sob os golpes conjuntas dos exércitos 
sírios e israelenses. O povo palestino tinha provocado espontaneamente a Intifada 
reprimida com grande violência por um... Yitzhak Rabin. Para Arafat, havia a esperança de 
que, ao limitar a demanda por um Estado palestino com 22% da Palestina histórica 
conquistada desde 1967, que teria o apoio da comunidade internacional. Ele, assim, 
reconhecida (não correspondido) Israel dentro de suas fronteiras pré-1967.

Desde o início, foi muito fortemente criticada pela esquerda Palestina (incluindo a Frente 
Popular para a Libertação da Palestina, FPLP), por intelectuais palestinos, como Edward 
Said e um movimento em expansão: o Hamas. O ato de Arafat deixou o refugiado sem 
esperança-es, os palestinos em Israel e até mesmo aqueles de Jerusalém.

Em Israel, o acordo foi planejada desde 1967, com uma corrente de "nacional-religioso" 
crescendo que forneceu os primeiros colonizadores. Contando "novos bairros" em Jerusalém 
Oriental anexada, desde 1967, os colonos já eram quase 200 mil em 1990. Israel está agora 
enfrentando uma grave crise econômica causada tanto pela saída de trabalhadores palestinos 
demitidos durante a Intifada eo custo da imigração de judeus soviéticos.

Barganha do tolo

Em Oslo, a OLP reconheceu Israel dentro de suas fronteiras pré-1967, mas o governo 
israelense é apenas para reconhecer a OLP também substituída por uma "Autoridade 
Palestina", cuja principal função era garantir segurança dos ocupantes. Nada foi assinado 
sobre a criação de um Estado palestino. Arafat sonhava com uma "paz dos bravos". No 
entanto, se os sionistas podem diferir em como a marginalizar os palestinos, todos eles 
têm o mesmo objetivo. Após o ataque a Caverna dos Patriarcas, em 1994 (29 palestinos 
mortos), Rabin enviou 2.000 soldados em Hebron para proteger os colonos fundamentalistas. 
Durante os dois anos que separaram os Acordos de Oslo de seu assassinato, ele instalou 
60.000 novos colonos. Ele assinou com a divisão de Arafat da Palestina em três zonas (A, B 
e C), ante-sala da sua transformação em bantustões. Seu sucessor Peres multiplicado 
provocações mortais (assassinar bombardeio Yahia Ayache Gaza de Qana, no Líbano) e 
legitimar o discurso do direito e promover o seu retorno. O "processo de paz", em seguida, 
tornou-se uma farsa. Em 2001, Ehud Barak e Clinton ordenou Arafat a assinar a capitulação 
como um ato final de Oslo. Arafat recusou e ele foi feito para suportar a responsabilidade 
pelo fracasso, proclamando que "não havia parceiro para a paz". Desde Oslo, em 20 anos, o 
número de colonos triplicou.

Palestina dividida

O muito generoso compromisso iniciada pelos palestinos em 1988 (e, portanto, a "solução de 
dois Estados") é definitivamente morto. Fomos para uma situação de apartheid, onde 50% da 
população é palestina e é privado dos direitos mais básicos. Os palestinos não estão 
lutando por um pequeno estado poucos cantões inviáveis, mas para reivindicações universais 
são aqueles da chamada para o Mundial de 2005 boicote, desinvestimento e sanções: o fim da 
ocupação e colonização, a libertação prisioneiros, a igualdade de direitos eo direito de 
retorno dos refugiados es.

O que resta de Oslo é a divisão da Palestina não afirmou, mas tem dois governos rivais. É 
o fato de que esses "governos", incluindo a Autoridade Palestina, manter uma ficção que 
permite a colonização avançar a toda a velocidade. É o momento que o movimento de 
solidariedade desenha uma linha sob o mito trágico que o processo de Oslo poderia levar a 
uma paz justa.

Pierre Stambul


More information about the A-infos-pt mailing list