(pt) France, Alternative Libertaire AL #236 - Hospital público: O que querem as parteiras (en, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 13 de Fevereiro de 2014 - 10:56:32 CET


Greves parteiras outubro do ano passado foram usados ​​por um sindicato corporativista não 
tem nada a ver com saúde pública. Seu objetivo: empurrar as parteiras mais liberalização. 
No entanto, é provável que eles seguiram o exemplo. ---- As greves entre parteiras eclodiu 
no final do ano passado. Parteiras ter ras-tigela suas condições de trabalho. Estes são 
infernal, especialmente em hospitais. Cada vez mais sob pressão, eles enfrentam uma 
desumanização de sua profissão, em conexão com o desenvolvimento de novas tecnologias, e, 
claro, com a liberalização do hospital. E ainda por cima, os seus salários não são 
superiores aos dos enfermeiros. Por isso, é tanto a falta de considerações morais e 
econômicos que sofrem.

Ultra-som 3D

No entanto, as exigências da greve dura (greves são mais fáceis quando você sabe que vai 
ser requisitada) não vão sempre no sentido de melhorar a saúde pública. Se todas as 
parteiras estão dispostos a ter mais reconhecimento e melhores condições de trabalho, os 
meios para chegar lá podem ser diferentes. Algumas afirmações refletem um declínio 
individualista que acompanha a liberalização da saúde. Parteiras liberais, e aqueles que 
sonham em ser, a esperança de encontrar a salvação pessoal. Mas essa ilusão de um mundo 
onde as parteiras são todos liberais, como médicos, hospitais, é a de uma medicina de duas 
camadas. Por um lado, as pessoas ricas que estão dispostos a pagar taxas mais elevadas 
para serviços tão inútil quanto tecnologicamente acentuada (por exemplo, ultra-som em 3D), 
e as outras mulheres que já não têm que fábrica de maternidade em que as parteiras não 
teria tempo para criar a relação necessária para o sucesso da gestação.

Porque isso é o que é na parte inferior. Durante a gravidez, é uma criança nascida. Mas 
também é uma matriz que é carregado, e uma relação entre os dois, o que tem uma influência 
sobre o resto da vida. Considere parteiras no apoio a toda a gravidez, que é ser 
feminista. É reconhecer o papel das mulheres na sociedade e seu direito de ser acompanhado 
nesta nova vida.

Um estatuto que divide

Afirmam que a mais polêmica, impulsionado pelo ONSSF (sindicatos Organização Nacional de 
Parteiras), o sindicato corporativista é o da obtenção de médico hospitalar estado 
parteiras (como médicos). O que parece ser um reconhecimento, porém, não é uma melhoria em 
seus salários ou melhores condições de trabalho no hospital. Esta não é a independência 
dada às parteiras na sua área de fisiologia. Mas é o desaparecimento do estado civil servo 
(e todos os benefícios que vêm com ele) e andando na frente de uma medicina de duas 
camadas. Usando o seu sofrimento no trabalho, ONSSF conseguiu mobilizar um grande número 
de parteiras sobre esses temas, trazendo ainda violentamente atacando os sindicatos 
tentando dar a sua opinião. Este não é anedótico. Esta é uma prova de desprezo para o 
resto do pessoal do hospital e também é um terreno escorregadio em que são desenvolvidos.

As parteiras não irá beneficiar de uma maior liberalização. Eles precisam de mais tempo e 
de reconhecimento pelo seu trabalho. É na direção oposta precisamos ir: a tecnologia deve 
servir o relacionamento e não o inverso.

Clemence (AL Paris Nordeste)


More information about the A-infos-pt mailing list