(pt) Quem Somos -- CARTA POLÍTICA do Coletivo Aanarquista ADEMIR FERNANDO (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 16 de Dezembro de 2014 - 16:28:19 CET


"Abaixo e a esquerda esta o Coração" ---- EZLN - Exercito Zapatista de Libertação Nacional 
O Coletivo Anarquista Ademir Fernando (CAAF) é um agrupamento político anarquista 
especifista, federalista de estrutura horizontal que busca atuar como minoria ativa - sem 
transformar os movimentos sociais em aparelhos, visando sempre imprimir um caráter 
combativo e revolucionário a estes. Tem por objetivo finalista alcançar uma sociedade com 
bases no comunismo - anarquista; a autogestão socioeconômica e o federalismo político. "O 
projeto político e social do anarquismo é uma sociedade livre e antiautoritária, que 
conserve a liberdade, a igualdade e a solidariedade entre os seus membros". Entendemos que 
o anarquismo tem a obrigação de interferir na realidade, de modo á alterar a vida material 
das pessoas e não só se limitar ao plano das idéias; para modificar a realidade da 
sociedade em que vivemos é preciso atuar nas mais diversas lutas populares, no bairro, na 
fábrica, no campo, na universidade, etc.; pois para nós "o anarquismo não se origina de 
reflexões abstratas nem de um intelectual ou filosofo, mas sim da luta direta de 
trabalhadores contra o capitalismo, das carências ou necessidades dos trabalhadores, das 
suas aspirações à liberdade e igualdade, aspirações que se tornam particularmente vivas no 
melhor período heróico da vida e luta das massas trabalhadoras"[1].

O anarquismo como corrente política do socialismo tem sua origem no seio da Associação 
Internacional dos Trabalhadores - AIT, na ala antiautoritária ou federalista em oposição 
ao socialismo reformista, legalista ou estatista formada pelos marxistas. Com o passar dos 
anos o anarquismo desenvolveu-se teórica e praticamente vindo a contribuir de maneira 
impar nas lutas sociais, como na Revolução Mexicana, Revolução Russa, do anarquismo 
Bulgaro, assim como na Greve Geral de 1917 aqui no Brasil que colocou São Paulo nas mãos 
dos trabalhadores, na Insurreição de 1918 no Rio de Janeiro, bem como na Greve Geral de 
1919 na Bahia que em muito repercutiu aqui no Recôncavo, como na Federação dos 
Trabalhadores Bahianos que teve ativa participação na greve de XIX de orientação ao 
sindicalismo revolucionário que na época estava ligado a Confederação Operária Brasileira 
- COB então celeiro de anarquistas, da Revolução Espanhola em 1936, da luta na Coreia do 
Norte contra a invasão dos EUA.

"Por outro lado, em determinados contextos o anarquismo assumiu certas características que 
lhe retiraram este caráter ideológico, transformando-o em um conceito abstrato, que passou 
a constituir-se tão somente em uma forma de observação crítica da sociedade. Com o passar 
dos anos, este modelo de anarquismo assumiu uma identidade própria, encontrando 
referências na história e, ao mesmo tempo, perdendo seu caráter de luta pela transformação 
social. Isso se evidenciou, de maneira mais gritante, na segunda metade do século XX."[2]

Sendo este modelo de anarquismo que chegou aos nossos dias, um anarquismo fora das lutas 
sociais, funcionando como um passa tempo, um tema de debate intelectual, uma curiosidade, 
um nicho de acadêmicos e todo o tipo de loucos e pequenos burgueses. O que para nós 
representa uma forte ameaça ao que é o anarquismo."O anarquismo social está radicalmente 
em desacordo com o anarquismo que é focado no estilo de vida, a invocação 
neo-situacionista ao êxtase e a soberania do ego pequeno burguês que cada vez contrai-se 
mais. Os dois divergem completamente em seus princípios de definição - socialismo ou 
individualismo"[3]entendemos o anarquismo como uma ferramenta de luta de classe, por tanto 
como filhos e filhas do povo devemos estar organizados para servirmos de centelha para a 
Revolução Social, um anarquismo negro, indígena e latino-americano como sempre foi aqui em 
nosso continente irmanado com outros companheiros de outras terras e outras línguas.

A Bahia sempre foi um grande Quilombo, uma grande Canudos, aprendemos a resistir aos 
coronéis, aos capitães do mato, aos jagunços escrevendo nossa história ora com a poesia 
dos repentistas, nas ladainhas dos capoeiras, nas cantigas de louvor aos Orixás de 
Candomblé ora na ginga e na navalha, no cano de uma espingarda ou de um Parabelum, numa 
mandinga de Candomblé.

Nesta universidade o Coletivo Anarquista Ademir Fernando nasce da luta desencadeada no 
primeiro semestre de 2010 por um grupo de estudantes pelo direito de permanecer e estudar 
em uma universidade, grupo este que ficou conhecido como os Embarracados do CAHL ou 
Acampamento Remanescentes, a luta destes estudantes que também é uma luta pelo direito da 
população afrodescendente ao acesso a universidade foi, não apenas uma luta por uma bolsa 
ou o acesso a uma Residência Universitária que até então não existia, mas uma luta contra 
um projeto de universidade branca e elitista. Desta luta que foi enfrentar a Administração 
Central desta universidade, da Direção deste Centro - que por todos os meios tentou 
expulsão da universidade até com ameaças de reintegração de posse, passando pela Pró 
Reitoria de Ações e Políticas Afirmativas, e que culminou na morte em circunstâncias 
misteriosas de um dos estudantes ocupantes, estudante este que veio dar nome ao nosso 
coletivo político. A morte de Ademir Fernando de Senna Gonçalves[4] (24 anos) continua até 
hoje sem esclarecimento tornado-se mais uma estatística de jovem negro que morre antes dos 
29 anos.Esta universidade reconhecidamente "branca e estruturamente"[5] racista pouco ou 
nada fez para que fosse solucionada.

É nesta terra conhecida de Recôncavo onde aportaram muitos escravos para os engenhos de 
açúcar e onde também se fez independente a Bahia, expulsando os colonizadores no chumbo, 
na capoeira e na mandinga que nos afirmamos e levantamos nosso punho em revolta, num grito 
de liberdade. Que em cada companheiro de luta possa pulsar o sangue de Maria Felipa mulher 
negra que afundou quarenta e duas embarcações portuguesas na guerra de independência, o 
espírito de luta e rebeldia que cada negro, Bantu, Nagô, Haussás, Jeje que fugiu para os 
Quilombos e de lá resistiu à escravidão.

Com os Oprimidos e Contra os Opressores Sempre!

Cachoeira, 03 de abril de 2012.
Coletivo Anarquista Ademir Fernando
Email: coletivoademirfernando  gmail.com

[1]DieloTrouda. "Plataforma organizativa por una Unión General de Anarquistas". Tradução 
ao espanhol revisada e corrigida por Frank Mintz.
[2]Federação Anarquista do Rio de Janeiro, Anarquismo Social e Organização. Rio de 
Janeiro: Editora Faisca, 2009, p19.
[3] Federação Anarquista do Rio de Janeiro, Anarquismo Social e Organização. Rio de 
Janeiro: Editora Faisca, 2009, p 21.
[4] Ademir Fernando de Sena Gonçalves nasceu em Conceição do Almeida, amante da poesia 
sonhava fazer letras. Passou em quatro vestibulares no ano (2010) que ingressou na UFRB no 
curso de Cinema e Vídeo vindo a estudar no Campus de Cachoeira - CAHL, na manhã do dia 10 
de junho de 2010 seu corpo foi encontrado nas águas do Rio Paraguaçu por um pescador, 
embora não tenha sido afogamento sua causa mortes continua sem solução e o coração de sua 
mãe e seus irmãos e irmã sem paz e sem respostas para perda tão trágica deste jovem negro 
cheio de sonhos.
[5] Palavras do Reitor Paulo Grabriel Nassif Soledade no 4º Conselho de Entidades de Base 
- CEB de Cachoeira em junho 2011, arquivos do Coletivo Anarquista Ademir Fernando e do CEB.


More information about the A-infos-pt mailing list