(pt) France, Organisation Communiste Libertarie (OCL) - Courant Alternatif, CA #239 - Ucrânia: um inverno bastante quente (en, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 27 de Abril de 2014 - 19:06:09 CEST


Independente desde 1991, após o colapso da União Soviética, a Ucrânia é visto hoje no 
centro de uma disputa geopolítica que envolve um lado a União Europeia e os Estados Unidos 
(através dos aliados NATO) e outro na Rússia. ---- Para a União Europeia é um desafio, ela 
vai ser capaz de proteger e reconstruir este país à beira de uma crise econômica? NATO, 
liderada pelos Estados Unidos, ampliando cada vez mais desde o fim da Guerra Fria, tem uma 
oportunidade real, na esteira da queda do governo ucraniano pró-russo de Yanukovych para 
mordiscar um pouco mais antigos países do bloco de Leste. ----Para a Rússia, este é um 
passo para trás. A Revolução Laranja 2004 tinha colocado o poder pró-europeu, mas a 
situação foi restaurado em 2010, após a vitória do "Partido das Regiões" (o partido de 
Yanukovych.) Um retorno para a Ucrânia no acampamento russo não é mais possível agora. 
Rússia devem agora travar uma batalha para preservar o que pode ser e talvez até aumentar, 
até certo ponto a sua influência regional e global.

Ultimamente a Rússia tem desempenhado o seu mapa político de forma brilhante, com a maior 
vitória do desmantelamento proposta do arsenal químico sírio, contrariando qualquer 
intervenção potencial pela NATO. Rússia tinha, pela primeira vez desde o fim da Guerra 
Fria dificultou as ações dos Estados Unidos, que tinha deixado de fazer durante a 
dissolução da Iugoslávia, por exemplo. Ele também mostrou intransigência durante o 
conflito com a Geórgia em 2008. Pequeno lembrete dos fatos: Saakashvili, presidente da 
Geórgia, com a bênção de seu aliado dos EUA, lançou uma ofensiva para retomar o controle 
da Ossétia do Sul. Muitos soldados russos estacionados na região sob mandato das Nações 
Unidas e de vida na região são cidadãos russos mortos durante o ataque inicial. Rússia 
decide intervir militarmente. Resultado, dez dias depois da Ossétia do Sul, mas também da 
Abkházia, outra região além da autoridade georgiana, tornaram-se estados fantoches reais 
liderados por Moscou.

Mas este conflito não se baseia apenas em lutas de poder entre as superpotências. Ela está 
enraizada no nacionalismo extremo acoplado à memória de um passado muitas vezes dolorosa. 
Para entender o problema, devemos voltar um pouco.

Um pouco de história sobre a Ucrânia ...

O caminho da independência da Ucrânia é longa. Esta área tem sido muito cobiçado pelas 
grandes potências ao redor. Entre o século IX e XIII, o Principado de Kiev (também 
conhecido como Rus 'de Kiev) é amante. Os mongóis, em seguida, assumir o controle da 
região, mas no século XIV Polônia suplanta. Em 1649, a Ucrânia se tornou independente logo 
após a revolução cossaco, mas em 1764, em busca de uma saída para os mares do sul, Rússia 
definitivamente tem o controle da região.

A Revolução Russa de 1917 coloca o país a ferro e fogo. Exércitos brancos controlam a 
maior parte do país no início do conflito. Sudoeste, Roménia ocupa Bessarábia e Bucovina. 
Vemos a criação da República Popular para o oeste e sudeste são os anarquistas Makhnovism 
gestão da região. Para os bolcheviques, a conquista da Ucrânia, celeiro real para a Rússia 
é de suma importância e que a maioria do país ficou sob seu controle em 1919. No final do 
mesmo ano, a guerra polaco-soviética eclodiu. Depois de três anos de conflito, a paz é 
assinado e oeste da Ucrânia é, em seguida, sob o controle da Polônia.

De 1931 a 1933, a União Soviética, após o primeiro plano de cinco anos e por causa da 
coletivização da terra que dá errado, enfrentando grandes fomes. O número particularmente 
elevado de vítimas na Ucrânia (algumas estimativas sugerem até 5 milhões de vítimas), ea 
gestão da crise pelo governo soviético, deu-lhe um nome: Holdomor, que literalmente 
significa "morte por inanição" em ucraniano. Esta fome é visto por alguns como um 
genocídio soviético programado especificamente para as pessoas e as aspirações 
nacionalistas ucranianos. Enquanto outros argumentam que a fome bater com uma gravidade 
igualmente grave algumas regiões da Rússia ou do Cazaquistão. Mas não vou me debruçar 
sobre este debate. O importante é entender que o povo ucraniano, Holdomor é realmente 
orquestrada por genocídio russo. Hoje memória ainda está fresca na mente de muitos ucranianos.

Segunda Guerra Mundial, mais uma vez mudar as fronteiras da Ucrânia durante a partição da 
Polônia em 1939. Em 22 de junho de 1941, o exército alemão invadiu a União Soviética. 
Quase todos da Ucrânia foi conquistado até o final do ano. Parte da população, 
especialmente os agricultores que tiveram suas terras confiscadas durante a coletivização, 
acolhe exército alemão como libertadores. A OUN (Organização dos Nacionalistas Ucranianos) 
trabalha na primeira plenamente com o exército alemão. Esta organização tem suas raízes em 
grupos pré-guerra já existentes e criado por refugiados ucranianos na Europa Ocidental. Na 
década de 1930, eles recebem um apoio significativo por parte do governo do Terceiro 
Reich. Mas as suas aspirações de independência cair rapidamente em conflito com a 
ideologia nazista, e em 1942 a supressão de alemão por forçar a OUN. Nacionalistas 
ucranianos que lutam uma vez que ambos contra os alemães contra os soviéticos que mostram 
que gradualmente território soviético perdido no início da guerra. A vitória soviética 
sobre os alemães não terminar os guerrilheiros ucranianos. A OUN continuou a luta, mas o 
governo soviético é muito importante. No final dos anos 1950 a insurgência é derrotado. Em 
1954, Crimeia, então parte da República Soviética da Rússia, é dada como um presente para 
a Ucrânia para celebrar o 300 º aniversário da sua unificação com a Rússia. Transferência 
na época muito insignificante agora se torna importante.

E a Criméia ...

Criméia, uma península de mais de 25.000 km2 (um pouco menor do que a Bélgica) que correm 
para o Mar Negro recentemente ganhou as manchetes na mídia. É o lar de cerca de dois 
milhões de pessoas. Um censo feito em 2001 a população da corte assim: 58% da Rússia, 24% 
ucranianos e 12% dos tártaros (os 6% restantes são de diferentes origens).

Sua história também é muito agitada e esta região viu a sua quota de batalhas. Nos tempos 
antigos, muitos contadores gregos se estabeleceram lá. A região, em seguida, passou sob o 
controle romano, e as invasões bárbaras não poupam. É durante essas invasões como 
tártaros, tentando escapar dos mongóis se estabeleceram nas montanhas de Crimeia por volta 
do século XIII. No século XV, eles abraçam o Islã (sunita) e formam o Canato da Criméia, 
que vai durar até 1783. Seu principal aliado e protetor é o Império Otomano, com a qual o 
comércio de escravos é florescente. Esses escravos vêm de durante os raids saques como 
Moscou em 1571.

No final do século XVIII, a Rússia, em busca de uma saída para os mares do sul, 
definitivamente assume o controle da Criméia e russificação do território é, portanto, 
estabelecida. É a partir deste momento que Sevastopol é também o principal porto para a 
Marinha russa no Mar Negro. Russian sul expansionismo termina após a derrota em 1856, 
durante a Guerra da Criméia. Durante este conflito, aliança, principalmente anglo-francês, 
desembarcou na península e capturar Sevastopol, após um cerco de quase um ano. Lutando 
durante a Segunda Guerra Mundial também são muito importantes. Os alemães conquistaram a 
península em 1942. Durante a ocupação, uma série de tártaros da Criméia são incorporados 
ao tártaro Legion, uma unidade auxiliar da Waffen SS. Esta colaboração vai custar tártaros 
deportação quase total da população na Ásia Central desde 1944. Não foi até 1967 que um 
decreto retira acusações de colaboração. Tártaros pode então voltar a Crimeia, embora eles 
não recebem nenhuma ajuda para isso o governo soviético.

Note-se que também houve tártaros engajado no Exército e unidades de Red, bem como da 
Geórgia turcomano, ucraniano, mas também da Rússia e até mesmo serviu no exército alemão.

O período da Guerra Fria, pegou na Ucrânia um lugar importante no espectro político e 
estratégico. Da sua posição geográfica, uma forte presença militar é mantido pelos 
soviéticos, por isso não foi até 1996 que a Ucrânia termina transferência para a Rússia 
para a destruição, as últimas armas atômicas tempos soviéticos presentes em seu país.

Independência

Ucrânia declarou sua independência em 24 de agosto de 1991. Maioria de língua russa 
regiões também votar pela independência. Há ainda uma percentagem de votantes bem abaixo 
do resto dos países destas regiões. Note-se que, de acordo com o censo de 2001, mais de 
17% da população é oficialmente russo. É principalmente agrupados no leste e Criméia. Com 
nenhuma outra porta grande o suficiente para abrigar a marinha, e com o acordo da Ucrânia, 
a Rússia mantém uma base militar em Sevastopol.

Leonid Kravchuk se tornou o primeiro presidente da Ucrânia, em 1991. Leonid Kuchma 
substituído em 1994. Sua presidência foi marcada em novembro de 2000 pelos "fitas 
escândalo." Oleksandr Moroz, um político da oposição, acusou o presidente de estar 
envolvido no assassinato do jornalista Georgiy Gongadze. Uma campanha sob o nome "Ucrânia 
sem Kuchma! "É então lançado ea popularidade de Kuchma cair drasticamente. Os Estados 
Unidos ea Europa apoiar a oposição, a Rússia continua a apoiar o governo no poder. Aqui 
temos os primeiros sinais de um confronto "leste-oeste" para a dominação da Ucrânia.

Em 21 de novembro de 2004, Viktor Yanukovich (pró-russo) é eleito. O escândalo da oposição 
pró-europeu chorando. Este é o início da "revolução laranja" (cor de laranja é a cor do 
partido de oposição), que durou quase 15 dias. Liderado por Viktor Yushchenko e Yulia 
Tymoshenko, protestar ganhos em intensidade. Sob pressão dos manifestantes, o Supremo 
Tribunal de Justiça anular a eleição em 21 de novembro e novas eleições sejam realizadas. 
Em 26 de dezembro, a Yushchenko venceu com 52% dos votos.

Deve-se notar uma certa semelhança entre a Revolução e os acontecimentos na Sérvia, em 
2000, ou mesmo na Geórgia, em 2002, onde os governos pró-russos são substituídos pelo 
governo pró-europeu, na esteira dos grandes movimentos sociais Orange (financiado e em 
cada caso apoiado pelos Estados Unidos).

Yushchenko está no poder, mas seu governo é muito instável e conflito entre Yulia 
Tymoshenko e sua mancha seu regime. Mais grave ainda é a ofensiva política e econômica 
lançado pela Rússia através da Gazprom. Entre 2005 e 2009, a Rússia não apreciando a 
política pró-europeia da Ucrânia, desempenha o seu controle sobre o gás. Este é, sem 
aumentos de preços, acusações e ameaças (por vezes materializado) para fornecer ele coloca 
pressão sobre a Ucrânia. Europa, em especial nos países do oriente, com apenas algumas 
semanas de reservas, é indiretamente mas deliberadamente também afectados por esta crise.

Em 2010, aproveitando-se dos conflitos internos do partido no poder, Yanukovich ganhou a 
eleição. O novo governo tenta apertar os parafusos para evitar uma segunda Revolução 
Laranja. Ele centraliza mais poder e em 2011, Yulia Tymoshenko foi condenada a sete anos 
de prisão por abuso de poder.

Em novembro de 2013, a assinatura do Acordo de Associação entre a UE ea Ucrânia é 
rejeitada pelo governo sob pressão da Rússia. Este é um gatilho para eventos na Ucrânia 
nos últimos meses a rubrica.

Começa!

Os protestos estão crescendo de alguns milhares de manifestantes 21 de novembro de 2013 a 
centenas de milhares de 24. 'S de seus protestos, por vezes, muito virulentas e dezenas de 
feridos, assim existem nas fileiras dos manifestantes como a polícia. Em 26 de novembro, o 
governo está tentando aliviar as tensões e declara que os acordos a serem assinados com a 
Europa ainda estão sobre a mesa. No Ocidente, muitas mensagens de apoio aos manifestantes 
que emergem de vários governos.

Os protestos se espalhou para o resto do país. A Praça da Independência, em Kiev (Maidan) 
é investido pelos pró-europeus. Vemos bandeiras ucranianos e europeus flutuante. Na missa, 
também vemos uma série de bandeiras, constituídos por duas listras horizontais, uma 
vermelha e uma preta. Estas cores são as da extrema-direita, alguns grupos ainda 
reivindicando o OUN. A presença da extrema direita também é muito bem organizado torna a 
situação ainda mais confusa. Diferentes correntes e grupos de esquerda radical, tanto na 
Ucrânia e na Rússia estão divididos sobre a questão. Mas alguns grupos, como a Ucrânia 
sindicatos livres têm participado ativamente em eventos e auto-organização das estruturas 
quadrados Maidan.

Camaradas envolvidos nestes eventos nos lembraram que a qualquer momento os nacionalistas 
estavam envolvidos nas revoltas que ocorrem na esfera de influência russa político, seja 
na Polônia em 1863 e Budapeste em 1956. Em sua opinião, a participação ativa da esquerda 
nesses movimentos são realmente popular é vital.

A presença da extrema-direita tem sido muito pouca cobertura da mídia no Ocidente, 
enquanto a Rússia, por exemplo, na Russia Today (RT), o direito foi manchete extremas. 
Notamos que a Rússia hoje é uma cadeia internacional de televisão russa, perto do governo, 
transmitido em Inglês, espanhol e árabe. É equivalente a France 24, Al Jazeera, CNN, BBC, 
ou, em certa medida a CCTV chinês. Russo precisava de um meio que pode competir com os já 
existentes ea criação de RT (2005) não é trivial. Na época da Guerra Fria, a intervenção 
ou interferência em um país simplesmente justificado em oposição ao outro bloco. Mas, 
desde o final do século XX deve inovar. A dissolução da Iugoslávia é um exemplo perfeito. 
Aqui, os meios de comunicação ocidentais efetivamente alcançar passando a causa da 
independência como apenas entre a população, por exemplo.

Mas de volta na praça Maidan. Na noite de 30 de Novembro, o Berkut especial da polícia 
ucraniana vazio com extrema violência, em vez depois de embaralhar as ondas de telefones 
celulares. A delegação da UE chamado o governo ucraniano não usar a força e Jeffrey 
Payette, embaixador dos EUA no lugar, ameaça e avisa que não haveria consequências graves, 
se a situação não muda.

No início de Dezembro vê as primeiras ocupações dos edifícios públicos, o site Maidan é 
reocupada. Ele instala tendas e barricadas. Forças de Autodefesa são criados, organizados 
adversários. Em 8 de dezembro, a estátua de Lenin mercado Bessarabsky é invertida. São 
plantadas em vez uma bandeira ucraniana e uma bandeira preta e vermelha da 
extrema-direita. Os escritórios de vários jornais e partidos de oposição são investidos e 
saqueado pela polícia. 11, antes do amanhecer, o lugar é cercado. Confrontos continuar até 
o amanhecer, pede ajuda da circulada são ouvidos, e em poucas horas milhares de pessoas 
chegaram como reforços. A polícia finalmente rejeitado.

O acampamento é mais importante, as barricadas são reparados após os confrontos da noite, 
hospitais improvisados são criados para tratar acidentes vasculares cerebrais e 
congelamento. O resto do país não é poupada e eventos também são realizadas em muitas 
outras cidades, tais como Kharkiv ou Lviv. Recusa de polícia é relatado também. As 
discussões envolvendo a oposição eo governo estão ocorrendo. Pequenas concessões são 
feitas pelo governo, como a liberação de alguns manifestantes presos, mas ainda há uma 
censura significativa durante as retransmissões dessas discussões na mídia. A oposição 
afirma que nada foi feito para atender suas demandas.

O governo está em crise, várias figuras do governo estão a retirar a sua posição a pedido 
de Yanukovych, alguns são acusados de abuso de poder para a Supressão da praça. Este não é 
o suficiente para acalmar a oposição. 15 de dezembro, que está na frente de cerca de 
200.000 manifestantes Senadores dos EUA Christopher Murphy e John McCain se dirigiu à 
multidão e renovar a mensagem de apoio do seu país.

Rússia, sentindo que seu aliado está perdendo o jogo, tenta ajudar como pode. Yanukovych 
vai para Moscou e os acordos são assinados. Ele prometeu 15 bilhões de euro-obrigações 
pertencentes a Ucrânia será resgatado pela Rússia e do preço do gás será reduzida. Mykola 
Azarov, então primeiro-ministro, afirma que sem este apoio, o país afundou rapidamente e 
deveria ter declarado falência. Em 29 de dezembro, demonstramos para a residência pessoal 
do Presidente mais de 10 km de Kiev. Um comboio de carros foi organizado pela AutoMaidan, 
um ramo do movimento de protesto que usa seus veículos, se barricar as ruas, ajudar a 
transmitir manifestantes hotspots em vários ataques da polícia ou para reabastecer vez Maidan.

Em 1 de Janeiro de 2014, é uma procissão de velas de cerca de 15.000 pessoas que se 
organiza para comemorar o nascimento de Stephan Bandera, figura emblemática do 
nacionalismo ucraniano, mas controverso por sua colaboração com o regime nazista. Maidan 
está sempre ocupado, apesar da pressão da polícia. Quando a energia é desligada, geradores 
de reserva estão instalados. Nós organizamos a recolha de resíduos e reabastecimento 
ocupantes alimentos e madeira para o aquecimento.

Em 15 e 16 de janeiro, o governo aprovou novas leis. Criminalização dos métodos utilizados 
pela oposição é estabelecida. Proibição para ocultar ou tossir, instalar uma tenda em 
público ou para o "revisionismo" dos crimes da Segunda Guerra Mundial fascistas. Quando 
vários funcionários europeus ressentem estas novas leis, o Ministro dos Negócios 
Estrangeiros da Ucrânia, Leonid Kozhara, afirmou que estas leis já existem em muitos 
países europeus.

17, crises internas estão aumentando no poder quando o chefe do exército de terra 
ucraniana, Hennadiy Vorobyov, é afastado do cargo depois de perder a confiança de Yanukovych.

O confronto continua no frio, o número de lesões e mortes aumenta a cada lado. Grupos de 
extrema direita chamar às armas enquanto o governo se recusa a admitir o uso de armas de 
fogo por parte da polícia, apesar de manifestantes às vezes são encontrados crivados de 
balas. Também deve-se notar que existem nos grupos de acampamento do governo, apoiada e 
financiada pelo governo, atuando desde o início da crise contra os revolucionários, o 
trabalho sujo é muitas vezes a eles confiado.

25 de janeiro, sentindo a situação para escapar completamente, Yanukovych tem várias 
posições-chave para a oposição, anistia para os ocupantes de edifícios diferentes e uma 
profunda mudança na Constituição. Seria mesmo disposto a dissolver o governo Azarov se a 
proposta for aceita. A oposição diz que deixa a proposta em cima da mesa sem aceitar para 
o momento.

O Ministério da Justiça está ocupada brevemente o 27 e as manifestações tornam-se 
violentos também Dnipropetrovsk, Zaporizhya, Tcherkássi e Sumy com muitas prisões.

A situação no campo de Yanukovych e Azarov maior deterioração renunciou em 28 de janeiro. 
30, há uma figura proeminente no movimento AutoMaidan torturado mas vivo depois de perder 
mais de uma semana. Este caso de abdução não é único na Ucrânia até o ponto onde algumas 
comparações foram feitas com os esquadrões da morte na América Latina.

18 fevereiro é marcado pela luta séria quando manifestantes tentaram marchar sobre o 
parlamento. Tiros soar, os mortos são dezenas, centenas de feridos, e que tão bem em um 
acampamento no outro. O dia depois de um estado de emergência é de facto a implementação. 
Os pontos de verificação são instalados, transportes públicos e escolas fechadas. O 
Ministro da Administração Interna, Vitaly Zakharchenko, permite o uso de armas letais 
contra os manifestantes.

Está consumado com Yanukovych ...

Mas, para surpresa de todos, Yanukovych (e grande parte de seu gabinete) foge para a 
Rússia na noite de 21 de fevereiro. A oposição venceu a batalha. Um novo governo é formado 
por líderes de grandes grupos e parte da oposição. O ex-presidente, que é seguro na 
Rússia, é acusado de assassinato em massa.

O novo governo enfrenta muitos desafios. A nova liderança da Ucrânia iria voltar ao normal 
o mais breve possível. Mas dezenas de milhares de pessoas que lutaram por meses em 
condições extremas, que têm sido capazes de criar estruturas de auto-organização e de 
auto-defesa, alertaram que eles vão levantar o acampamento após o eleições agendadas em 25 
de maio Enquanto a direita está sempre presente (embora dividida), companheiros de 
Sindicatos Livres formado milícias dos trabalhadores em cidades como Kiev ou Kirovograd.

A Rússia também todos estes eventos eco. Embora a popularidade costa Vladimir Putin nunca 
foi tão alta, muitos eventos foram realizados em todo o país contra o seu poder quase 
monárquico. A punição é muito pesado e milhares de manifestantes anti-Putin foram presos.

Na Ucrânia, a reação à queda do governo pró-russo não não esperou. Lembre-se que quase 17% 
da população ucraniana é russo, e em algumas regiões, essa proporção sobe para 70%.

Manifestações pró-russo ocorreu em várias cidades como Donetsk, Odessa ou Sevastopol. 
Bandeiras russas estão hasteada no lugar da bandeira ucraniana. Você pode ler os panfletos 
e banners que o novo governo ucraniano é composto de alusões fascistas ucranianos 
colaboracionistas para a Segunda Guerra Mundial são ouvidas. Mas onde quer que o show 
pró-russa, os opositores que defendem a integridade da Ucrânia também estão presentes.

Em Donetsk e Luhansk, os edifícios da administração regional são investidos no início de 
março pelo pró-russo e uma nova administração está no lugar. Mas nos dias que se seguiram, 
a polícia (agora no campo do governo pró-europeu novo) lança o ataque e leva a situação na 
mão.

Sergei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros russo, denunciou a situação caótica que 
existe no leste da Ucrânia. Nos Estados Unidos já existe conversa de um casus belli 
potencial da Rússia para a intervenção na Ucrânia.

Mas não ... conflito

A situação no leste do país agora parece sob controle. Isso é contra uma história 
diferente na Crimeia. Manifestações pró-russos lugar em Kerch e Sevastopol. Apesar dos 
slogans anti-fascistas gritavam durante esses eventos, uma série de bandeiras amarelas e 
pretas (referindo-se a bandeira da Rússia czarista) são visíveis. Estas cores são 
utilizadas por movimentos de extrema direita na Rússia. 26 de fevereiro em Simferopol, a 
capital da Criméia, uma luta entre o pró-russo e anti-russo. Tártaros, que carregam com 
eles a memória de sua deportação em 1944, também está na rua. O conflito aumenta de 
intensidade quando armado e bem organizado milícias pró-russo instalado um posto de 
controle na estrada de Sevastopol para a capital regional. No dia seguinte, o Istmo de 
Perekop é assegurado por unidades das forças especiais da polícia Berkut, dissolvido pelo 
novo governo, mas que trabalham contra a atual. Homens pertencentes aos Lobos da noite 
(equivalente Rússia Hells Angels) manter os edifícios administrativos em Sevastopol para 
os russos. Milicianos equipados com o russo também garantir aeroporto de Simferopol.

Washington adverte Rússia contra qualquer tentativa de interferir na Crimeia. Mas em 1 de 
março, o ministro de facto primordial da Criméia Sergei Aksyonov, apela à Rússia para 
voltar e garantir a paz na região. Rússia responde ao apelo, autorizando formalmente o uso 
de forças armadas no território da Ucrânia. Deixando sua base em Sevastopol, soldados 
russos cercam um número de quartéis ucranianos. Navios da frota russa também estão o 
bloqueio de vários portos de abrigo barcos guerra ucraniana. Em 2 de março, o almirante da 
frota ucraniano Denis Berezovsky, mudou de lado e fidelidade às novas autoridades da 
Criméia. Um dia depois, foi a vez de uma base de todo o ar, a 240 Tactical Brigada de 
aviação, 800 homens fortes, a mudar de lado, mas 45 MiG-29 apenas quatro são realmente 
operacional. Em 4 de março, a mídia russa a figura de 5.000 soldados que desertaram, 
levando consigo todos os seus equipamentos. Os dias somos confrontados, geralmente sem 
troca de tiro, para derrubar o quartel ainda nas mãos do exército ucraniano.

Em Kiev, criamos a Guarda Nacional. Esta força, que deve chegar a 60 mil homens, 
oficialmente deve "garantir a segurança do Estado, defender as fronteiras e eliminar 
grupos terroristas." Mas quais são os reais motivos por trás da Guarda Nacional? Você pode 
ver por esta ação a necessidade de criar uma unidade militar, política e ideologicamente 
confiável, já que seria perfeitamente possível se a situação no leste do país estavam a 
correr mal para o ucraniano, um número de unidades mudaria acampamento também. A segunda 
razão é canalizar e reintegrar milhares de pessoas que pegaram em armas durante os eventos 
na praça Maidan. O novo governo tem medo de seu potencial, as pessoas têm provado que ele 
pode fazer e que o novo governo quer evitar a todo custo que acontecem novamente. A ajuda 
prometida pela União Europeia, que também acontecem conta-gotas até que a situação não é 
padronizado. É, portanto, uma necessidade urgente de que o novo governo para restabelecer 
esse potencial revolucionário. Este é, naturalmente, não um fenômeno novo: o poder sempre 
procurou, com variados graus de sucesso, este tipo de operação.

16 de março, Crimea voto favoravelmente com 90% sim de separar da Ucrânia e da Rússia de 
volta. Os países ocidentais, e até mesmo, em menor escala, China, condenar esta acção. O 
Ocidente acusa a Rússia de anexação pura e simples, os meios de comunicação até mesmo 
comparar essa ação para as ações da Alemanha nazista e os Sudetos durante o Anschluss da 
Áustria. Lado russo, a mídia usa as mesmas táticas. Vemos em Crimeia grandes cartazes 
chamando para a votação no dia 16 de março, com uma das mãos, Crimeia preenchido com uma 
enorme suástica (representando o novo governo no lugar em Kiev), e por outro lado, Crimeia 
arvorem pavilhão russo.

Distribuição de novos passaportes russos na Península já começou. Algumas bases ucranianos 
ainda resistem. Várias figuras russos e ucranianos são, então, atingiu sanções dos 
americanos. A próxima Rússia responde e faz o mesmo. Na Europa, alguns países, os cortes 
me lembrando do fornecimento de gás russo ainda estão relutantes em ir longe demais e 
perturbar o urso russo.

Além dessas trocas de golpes políticos, alguns crescente poder militar é em ambos os 
campos. Mas isso é muito simbólico: um esquadrão de aviões americanos enviados à Polônia 
caça, as missões de vigilância aérea na fronteira de Kaliningrado ou enviar um destróier 
no Mar Negro. A Rússia também responde e envia alguns aviões na Bielorrússia. Também 
estamos testemunhando uma mídia sem precedentes exercícios realizados pelo exército russo, 
e que em ambos os campos. Para os ocidentais, estes exercícios são mostrados como 
preparativos para uma invasão completa da Ucrânia e talvez não seja bem verdade, eles são 
de fato uma demonstração de força por parte da Rússia, de daí a sua grande cobertura na 
imprensa russa.

Mas depois de um confronto é, sem dúvida, e é muito improvável que o novo governo 
ucraniano quer "morrer Sevastopol."

YD


More information about the A-infos-pt mailing list