(pt) Resultados das novas mudanças nas Forças Armadas argentinas por Black Flag - Libertário Tendência Student,Realinhar as tropas (ca)[traducción automática]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 21 de Julho de 2013 - 12:00:21 CEST


Realinhar as tropas ---- A busca pelo governo nacional de reconciliação da sociedade com 
as Forças Armadas (Forças Armadas) e bateu o acelerador e pode ser visto, entre outros 
casos, a participação militar em dispositivos pós-enchentes em La Plata (que foi um mega 
lavado enfrentar evocando a famosa "Operação Dorrego" [1]). Bastan exemplar passagens 
discurso presidencial na Última Ceia de camaradagem das forças armadas: -- "Hoje, as 
Forças Armadas têm um novo papel, através da solidariedade e apoio, o que nos permite 
preencher a lacuna que se abriu tempos trágicos entre nossas forças armadas e da 
sociedade" ---- "Todos nós podemos construir uma nova história, sem história." S história 
ea experiência deve servir de base para que possamos construir a partir deles novas 
experiências para continuar transformando o destino da nação. "

Nesse sentido, o presidente assumiu o desafio dos protestos dos militares e lhes deu 24% 
de aumento para todos os escalões e promoções a determinados funcionários. O objetivo 
deste parece ser a de isolar as faixas inferiores da escada e jovens (a maioria dos que 
procuram entrar pelas forças motivações econômicas) oficiais com motivações e 
desenvolvimentos políticos, vindo daquele lado alimentando o descontentamento com o 
governo entre esses setores de forças.

As mudanças na liderança das forças armadas em grande parte marcadas pela intenção de 
colocá-los na órbita política do governante. Assim, encontramos a nomeação de Cesar Milani 
como chefe do Exército e Agustín Rossi no Ministério da Defesa. Milani, 58 anos, é um dos 
mais próximos do governo militar e tem queixas contra eles pela participação na Operação 
Independência, durante a última ditadura. Ele alcançou o chefe do exército após resistir 
às tentativas Arturo Puricelli (atual ministro da Segurança) para aliviar. Também 
conseguiu um subordinado, brigadeiro Luis Maria Catena (surgiu, como Milani, a área de 
inteligência militar) concordar com a sede do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas. Se 
acrescentarmos que o chefe atual do Exército também responde o CEO da Inteligência Naval, 
almirante Guillermo Manuel Tomé, nós figuramos Milani fortes homem forças armadas dos factos.

Várias dessas promoções foram geridos ao Congresso pelo ex-ministro Garre, quando ele era 
o chefe da área de Segurança. Tudo apoiado por Garre e atual Ministro Agustín Rossi, e 
teceu grandes laços com o lado (Serviços de Inteligência do Estado, agora chamado SI) e do 
Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS), liderada por Horacio Verbitsky, cujo pesar 
opiniões no Senado, quando os contratos prevêem promoções militares.
A "hipótese de conflito"

A decisão parece ter duas perspectivas de emprego para as Forças Armadas com base na 
hipótese de conflito [2] em um conflito interno e externo.

Hipótese de conflito externo:

No último discurso no jantar CFK camaradagem das Forças Armadas afirmaram que as novas 
mudanças nas cúpulas estes eo Ministério da Defesa estão no espírito de um novo papel 
desses atores na sociedade Argentina, para uma defesa abrangente que inclui a defesa das 
fronteiras ea territorial. Ainda assim, não é tão clara hipótese de conflito externo 
sugere que as forças armadas, mas que é principalmente o trabalho que vem desde 2007, de 
acordo com as forças armadas brasileiras. Uma hipótese que, no discurso oficial, diz que, 
no futuro, a Argentina vai enfrentar a ameaça potencial de um país ou grupo de países 
militarmente e tecnologicamente superior, a serem mobilizados ou irá operar com o objetivo 
de controle nacional sobre os recursos naturais ¨.

Hipótese Interna:

Dentro destes, podemos dizer que há uma tarefa fundamental para as forças armadas e 
especialmente os militares curto-médio prazo. A este nível, o Estado vê o exército como um 
ator estratégico resolver quando um dos chefes de uma empresa que garante os lucros 
capitalistas por infra-estrutura do Estado em ciência e tecnologia para aprofundar a 
economia de exportação primária através da recuperação de determinadas culturas e 
produções (como o caso do etanol [3]) e indústria pesada gerar algum apoio a este modelo. 
Algumas informações sobre o que pode anunciar o falecimento do militar (FM) para o 
Ministério da Defesa ou a inclusão de um representante dos militares na Railways Board 
Belgrano Cargas, entre outros. Ele também anunciou que vai começar a construir carros 
militares e cargas FM., À semelhança do que tem vindo a desenvolver o Brasil.

No mesmo sentido, mas em outro nível, também implantação territorial visível das forças 
armadas nas zonas de conflito, tanto no presente e no futuro. Áreas de cultivo vai se 
espalhar como ele vem ao anunciar a Baldwin ("quer crescer no Sul" - CFK dixit -) eo mesmo 
pode ser dito das áreas de mineração, áreas estratégicas da economia das províncias, onde 
a resistência à predação capitalista eram enormes e teve grandes conquistas populares 
(Esquel, Famatina, Andalgalá, etc). A instalação de novos radares e à deslocalização de 
algumas bases militares estão na mesma direção.

Outro fato que reforça a nossa leitura é o aumento do controle social pelo Estado. UP 
cartão através do sistema de BIOS, ministerial pretende legitimar a presença de 
Gendarmerie através do suposto "trabalho social" das forças armadas nos bairros, 
espionagem, etc, são indicadores evidentes de hipótese de conflito interno à crise 
econômica vir e agitação social. Podemos acrescentar outros exemplos nesta direção como a 
passagem de Defesa Civil para a órbita do Ministério da Previdência e da criação do 
Ministério para a Coordenação militar de emergência, que dirigiu Cecilia Rodriguez (líder 
do La Campora) no âmbito do Ministério da Defesa. Uma coordenação inicial deste tipo 
apareceu na Plata desastre, em abril passado.
Conclusões

Parece óbvio disputa Kirchner idéia motriz das forças armadas para outros setores da 
burguesia para gerar um comando militar mais próximo protótipo. Isso está sendo feito por 
mascarar estas mudanças políticas por trás de um véu de modernização, novo papel 
integrante das forças armadas, etc, para produzir consenso e não criar tensão. Ele também 
parece ter mais causas de "familiar", como é ser capaz de manter o esvaziamento De Vido, 
remoção de áreas pertencentes ao Ministério do Planejamento, mas não jogue, o que mostram 
as fissuras internas ou dar a carta de oposição.

Agora, como um campo de organização popular, gostaríamos de destacar duas coisas:

Por um lado, a hipótese de agressão externa é uma tela tentando ligar essas potências 
imperialistas já estão extraindo lucros durante anos através de nossos recursos naturais e 
dos bens comuns através de multinacionais como a Monsanto, Barrick Gold, Chevron, entre 
outras, em conjunto empresas nacionais e ao mesmo Estado para garantir a infra-estrutura e 
choque de forças multinacionais para continuar o saque. O capital não tem pátria e, 
obviamente, vai aderir ao movimento de capital mais forte.

Por outro lado, com as mudanças na Defesa e das Forças Armadas cúpulas reflete a ascensão 
de todo o aparato do lado dos setores de Inteligência do Exército e do início do trabalho 
conjunto entre estas unidades. Os dados de cross-linking e do trabalho operacional a ser 
mais fluida e situações agudas em nosso país, não augura nada de bom. Ela nos lembra que, 
apesar do que você diz (ou não) a Baldwin ea espionagem mídia burguesa permanece como 
evidenciado pelo Project X ou o último caso de infiltração Walsh Agência e outras etapas 
nos lembra de nossa história, para o que somos chamados a intensificar os esforços de 
organização e estar alerta para qualquer afronta às organizações populares.


Notas:
[1] Ao assumir Hector Campora como presidente da Argentina, em 1973, é organizada a 
"Operação Dorrego". que teve como objetivo reunir a Juventude Peronista com o Exército, 
para trabalhar em conjunto com as enchentes que tinha campos inundados, destruindo 
estradas, habitação e intempéries deixando milhares de famílias de baixa renda. Decidiu-se 
fazer uma "sinceridade" entre a Juventude Peronista e do Exército, para que em conjunto 
com as organizações sociais se armam um grande exército de voluntários (com o apoio das 
Forças Armadas), a fim de realizar trabalho comunitário. Durante semanas, dividiu o 
trabalho durante o dia e fogueiras e cantando à noite. Paradoxalmente vários oficiais 
superiores, que então teriam um papel na repressão militar e extermínio, faziam parte 
dessas atividades fogão e companheirismo. Alguns acreditam que, já em trabalho de 
inteligência prévio plena era do golpe militar de 76, mesmo antes de tomar o seu terceiro 
governo de Perón e outros argumentam que a operação Dorrego identificado um grupo 
específico de jovens, que, em seguida, com Peron no poder (AAA e Lopez Rega) começam a ser 
caçados e mortos, para terminar o trabalho desde o golpe de 76.

[2] preocupações Hipótese Conflito oferece o potencial para conflito entre grupos e nações 
ou estados, por várias causas. A hipótese de conflito estão guiando para a determinação da 
política externa de segurança nacional de um país.

[3] O etanol é um biocombustível desenvolvido através das partes de soja, cana-de-açúcar 
ou de milho. O etanol não é pouca coisa quando se considera que uma das empresas 
interessadas em expandir área plantada de milho é de Monsanto, uma empresa com 
pró-governo, em impulso para a lei de sementes e outros que favorecem a multinacional. O 
negócio de etanol é rentável em face do aumento dos custos e dos preços dos combustíveis 
tradicionais. O Brasil se tornou o segundo maior exportador do biocombustível. Uma crítica 
sobre os méritos ou defeitos deste uso de milho e exige um documento separado.

Link Relacionado: http://www.bandera-negra.org/wp/


More information about the A-infos-pt mailing list