(pt) Anarkismo.net: The Economist e a política monetária do Brasil by Bruno Lima Rocha

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 23 de Janeiro de 2013 - 09:16:33 CET


The Economist é a voz oficiosa do capital financeiro e da lógica rentista em escala 
mundial. ---- A pilhéria, feita pelo jornal inglês Financial Times (24/12/2012) a respeito 
da gestão de Mantega, é uma conseqüência da primeira crítica oriunda de outra mídia 
econômica vinda da Europa quase falida.  ---- A edição impressa de 6 de dezembro do 
semanário inglês The Economist recomendava a demissão do ministro da Fazenda brasileira e 
classificava nossa economia como “moribunda criatura”. Para além do conteúdo pontual da 
matéria e seus efeitos nos círculos de opinião no Brasil, o texto reflete uma posição 
generalizada nos circuitos financeiros. A “respeitável” publicação inglesa afirma com 
todas as letras. "The Central Bank may be tempted to react to the latest figures with 
another interest-rate cut. That would be a mistake". Estão criticando Dilma por seus 
poucos acertos em política monetária.

Tal análise vai ao encontro dos interesses de seu público-alvo. Ao diminuir o retorno nas 
aplicações de curto prazo, os especuladores criticam a diminuição progressiva da taxa 
Selic. Isto implica em reduzir suas próprias margens de lucros. Para interpretar as razões 
deste ataque um pouco de teoria ajuda.

O economista francês François Chesnais afirmou que a migração de massas de capital em 
busca de valorização financeira deveu-se as dificuldades dos conglomerados empresariais em 
conseguir uma “razoável” margem de lucro na esfera produtiva a partir da década de 1970. 
Por exemplo, as taxas de lucro que atingem mais de 20% no início dos anos ’60, caíram 
cerca de 12% em 1982 e 1983. Vamos além com este autor; a lógica rentista desta forma de 
acumulação provoca sangrias na esfera produtiva, e neste mecanismo gerado inclusive na 
base de fraudes, consiste a mãe de todas as “crises”.

Assim a rentabilidade dos detentores de capital fictício é, proporcionalmente, oposta aos 
direitos sociais e o poder de compra da massa salarial. Acrescento a premissa da 
impossibilidade de existir equívoco quando os agentes econômicos estratégicos são dotados 
de informação perfeita.

O chamado comportamento de manada (insuflado por textos como os aqui criticados) decorre 
também do tráfego de informação. Estes rebatem dentro do aparelho de Estado - e dos 
organismos multilaterais – em função do mimetismo entre os ocupantes de postos-chave nos 
órgãos de autoridade monetária, bancos públicos e ministérios de Economia e Planejamento.

Quando o tomador de decisão não cumpre à risca o receituário publicado a favor de 
banqueiros e especuladores, torna-se alvo das baterias de desinformação midiática globalizada.
Bruno Lima Rocha

Related Link: http://www.estrategiaeanalise.com.br


More information about the A-infos-pt mailing list