(pt) Revista anarquista Aurora Obreira nº 22 - Pensando a situação de hoje (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 7 de Janeiro de 2013 - 09:47:11 CET


Imagine-se na seguinte situação: ---- Você está no meio de uma avenida movimentada ao lado 
de diversas pessoas, muitas das quais conhece há muito tempo. Você está lado a lado dessas 
pessoas, gritando palavras de ordem contra o governo e o sistema, deixando o trânsito 
parado, tornando o momento muito tenso e barulhento. De repente, a sua frente forma-se uma 
fileira de homens de capacete e portanto escudos. Fecham avenida, perfilados em ordem e 
silenciosamente olham vocês e todos os outros através dos óculos escuros. Aguardam o sinal 
de seu oficial superior, como cães bem treinados. ---- No ar sente-se a tensão, um momento 
de silêncio de ambas as partes. Um policial com megafone solicita o fim da manifestação e 
a desobstrução da avenida, restaurando assim “ordem” da cidade, do sistema. Um empurrão, 
uma pessoa cai no chão bem perto de você. É o sinal, os policiais começam a andar ainda 
perfilados, batendo com os cassetetes nos escudos visando a dispersão da manifestação, 
intimando os manifestantes entre os quais, você. O que fazer?

Sair correndo, manter a calma, ficar paralisado de medo, enfrentar os policiais, etc.
Existem várias opções que devem ser levadas em consideração e em poucos segundos, tomar 
uma decisão e agir. Isso significa não só preservar a sua integridade física, mas também 
do grupo, das pessoas ao seu redor e da própria manifestação.
O presente texto surge tendo como meta a discutir a necessidade de treino para que nas 
situações de tensão e eminente perigo de enfrentamento, tenhamos no mínimo uma ação 
coerente e respostas rápidas, muitas das quais depende a integridade moral, física e 
política de cada indivíduo  e do coletivo.
O primeiro ponto necessário a cada elemento e ao grupo é ter bem claro o que se quer e 
como isso ocorre. Indivíduos e grupos preparados teoricamente significa ações coerentes e 
clareza de objetivos práticos, quando se sabe porque luta, luta-se mais e melhor.
Pensar a situação de hoje é essencialmente manter-se informado e em permanente educação, 
formando uma base sólida e bem fundamentada sobre assuntos escolhidos como relevantes. 
Quando mais conscientes estiverem o grupo e seus indivíduos, as chances de manipulação 
diminuem proporcionalmente e mostra a qualidade da ação direta e porque fazemos a diferença.
Ao extrapolar as discussões desenvolvendo-as em todo o grupo e mesmo além dele, gera-se 
aumento de vínculos internos e externamente uma rede de apoio. Quebra-se o monopólio das 
vanguardas e lideranças partidárias, grandes manipuladoras de movimentos, onde os usa para 
suas manobras políticas e suas estratégias reformistas.
Mas isso não será feito no dia da ação!!!!! Devemos nos preparar da melhor forma que 
encontrarmos e não ficar aguardando que alguém diga o que fazer. Lembre-se: As ações e 
mudanças dependem muito mais de você.
Pense na situação de hoje e desenvolva questões e respostas como:
a)O que está acontecendo com a região onde vivo e que relação isso tem o com o mundo?
b)Porque a situação de milhões de pessoas é miserável?
c)Qual o meu papel na região onde vivo e quais as minhas relações com os outros?
d)De onde vêm a desigualdade e o que pode ser feito independente de ser legal ou não para 
diminui-la?
e)O modelo atual econômico-político é a melhor forma de conduzir a sociedade, não existe 
outro modo?
f) Agimos coerentemente com nossas convicções e sabemos quais são?
Isso será útil na ação como sua consciência e referencial do porque lutar, mas não é para 
“filosofar” em momentos críticos, neles é ação que conta e não as teses remotas e 
abstratas. Não adianta discorrer uma tese sobre a opressão diante de policiais treinadxs 
justamente em oprimir conforme sejam mandadxs. Sua atitude nesse momento deve ser rápida, 
firme em busca de manter a sua integridade e dxs companheirxs envolvidxs no ato.
Disso leva a outra questão: como está sua saúde revolucionária?
Estar em dia com o condicionamento físico, tendo uma alimentação saudável (não estamos 
pregando que se converta a uma vida vegana, isso seria pedir demais e essa escolha cabe a 
você e não por uma imposição, mas pense seriamente em diminuir nos vícios tais como 
bebidas, cigarros e drogas em geral, e praticar mais esportes e uma dieta equilibrada). 
Saiba que a maioria do policiais, principalmente de eltite, praticam esportes regularmente 
e treinam semanalmente como oprimir e reprimir tudo que forem mandados. Assim ocorre nas 
forças armadas e isso significa um contingente de quase 2 milhões de pessoas treinadas 
para reprimir, oprimir e se necessário “neutralizar” o inimigo, ou seja, matar.
Não pense que estamos fazendo apologia a violência, ela já está feita e é reforçada pelos 
noticiários sensacionalistas que pregam aplicação de leis mais severas, polícias mais 
enérgicas e mais violência contra quem está fora do sistema. E isso acaba gerando mais 
violência e assim vai subindo a escalada de medo, que é útil para manter a população refém.
Mas em todo caso, estamos alertando a importância de resistirmos e saber como fazer a 
luta, e nesse sentido, produziremos alguns textos reforçando o preparo para luta. Não 
adianta um ideal bem estruturado se não temos uma base para mantê-lo. Bem estar e saúde 
pela revolução!


More information about the A-infos-pt mailing list