(pt) Anarkismo.net: No Congresso, outra desgraça anunciada by Bruno Lima Rocha (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 13 de Fevereiro de 2013 - 13:30:46 CET


Renan Calheiros e Henrique Alves representam o padrão da cultura política profissional 
operante no Brasil praticando o jogo duro do toma lá dá cá sem fazerem muita questão de 
explicitar seus métodos. ---- Faz parte dos enunciados de esquerda buscar coerência entre 
discurso e prática. Em tese, ser contraditório é um termo pejorativo, apontando para o 
rebaixamento do nível político. Para defenderem-se, os pragmáticos de sempre afirmam que a 
“contradição é do aliado”, do outro, do menos coerente e não de quem com este aliou-se. 
Qualquer semelhança na relação orgânica entre PT e PMDB, incluindo a desgraça anunciada de 
termos os peemedebistas Renan Calheiros (AL) como presidente do Congresso e Henrique Alves 
(RN) à frente da Câmara, não é nenhuma coincidência.

Se ainda há algo de relevante na análise das eleições para as mesas das casas 
legislativas, é fazer a crítica por esquerda. Tal processo veio sendo esmiuçado por todo 
janeiro, levantando trajetórias políticas em forma de prontuário. A vida pregressa e atual 
dos dois mui nobres e leais parlamentares eleitos por seus pares e apoiadores do governo 
de uma ex-guerrilheira é controversa, embora coerente. Se na recém eleita Mesa diretora do 
Senado, de seus 11 integrantes, seis respondem a inquérito ou ação penal no Supremo, eis a 
prova da coerência interna. Esta se reflete no voto dos 271 deputados federais para 
Henrique Alves e nos 56 senadores a apoiar Renan. É a síntese da conseqüência, “dize-me 
com quem andas e te direi quem tu és”. É impossível governar com o PMDB e uma boa parte da 
ARENA e sair impoluto. Não o foi com FHC e tampouco com Dilma e Lula.

Esta gente se move pelas regras da parábola inglesa, comparando a atividade do Parlamento 
e a fabricação de salsichas. Se soubermos como o alimento é produzido, pode haver repulsa 
ao seu consumo. O mesmo vale para as leis e acordos entre bancadas. Qualquer cidadão comum 
pegaria nojo desta atividade, com exceção dos próprios. Porque se a norma de conduta do 
baixo clero e da base aliada for a máxima do finado Robertão, “é dando que se recebe”, 
como esperar outro tipo de comportamento? Quanto custa a tal governabilidade?

Boa parte dos atuais quadros dirigentes do PT forjou-se na política nos anos ’80. Naquela 
década, abriram espaço para além do colégio eleitoral e logo depois fizeram ferrenha 
oposição nas ruas contra o ex-presidente da ARENA, que se tornara vice de Tancredo. 
Constava no glossário da esquerda outra máxima, afirmando que quando se governa com a 
direita, é a direita quem governa. Renan e Henrique Alves materializam este conceito, 
transformando os antigos inimigos não apenas em aliados, mas num grotesco mimetismo da 
oligarquia por eles representada.
Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br


More information about the A-infos-pt mailing list