(pt) Portugal, Convocatória 1deMaio Setúbal 2013

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 20 de Abril de 2013 - 19:21:44 CEST


Não comemoramos a escravatura do trabalho. Trabalhamos para combater a escravatura. ---- 
1º de Maio é luta e auto-organização // Pela liberdade, pela autonomia Comemorar o 
trabalho é hoje mentires-te a ti próprio. Ele é hoje escravatura declarada e como se não 
bastasse vem acompanhado de violentas baixas de salários, perdas de direitos e degradação 
fulminante das condições em que o fazemos. Embora seja cada vez mais comum assistirmos a 
protestos nas ruas em resposta a esta situação e a tantas outras, é também mais perigoso 
fazê-lo pois o Estado e as entidades patronais estão à espreita para te lançarem a mão mal 
abras a boca. ---- Os tempos que vivemos são incertos mas ao mesmo tempo ajudam-nos a ver 
as verdadeiras facetas do poder. A degradação de todos os aspectos da vida levam muitos ao 
desespero e daqui para a frente sabemos que as condições dessa mesma vida vão piorar.

O Estado social, grande conquista do séc.XX, torna-se o grande falhanço do séc XXI. Os 
banqueiros, quais sanguessugas, levam a cabo um saque generalizado à sociedade. Os 
políticos, sujeitos a um descrédito total nas ruas continuam a inventar reformas, a pedir 
mais impostos. Os partidos e os sindicatos, comprometidos com a sua profunda vontade de 
tornar os protestos sociais em marchas fúnebres esperneiam perante a facilidade com que o 
seu poder é posto em causa nas ruas. A história deste tempo pode ser imensa mas arriscamos 
um resumo: A democracia e o capitalismo, sonhos perdidos de uma revolução de canos 
entupidos, é hoje uma anedota que insiste em não admitir a falência do seu modelo 
económico, social e politico. Perante isto, e na eminência de uma falência generalizada, 
emerge o fascismo mascarado de economia patente nas medidas da tróika, no aumento do 
controlo social, no armamento da policia, na perseguição a quem protesta ou na obrigação 
de mais horas de trabalho por menos dinheiro.

O sistema quer, a todo o custo, manter-se activo e lixar-nos a vida.
Portanto, ansiamos por outra forma de viver. A grande chantagem a que todos estamos
sujeitos (trabalhar ou morrer de fome) dá-nos mais razões para procurar formas de 
construir um mundo sem explorados nem exploradores. Queremos construí-lo com todos os que
estiverem dispostos a lutar por uma vida digna, sem partidos a controlarem-nos a revolta e 
a vontade de ser livres. Estamos fartos das suas lenga-lengas que soam sempre a mentiras 
para que se morda mais uma vez o rabo da pescada.

Queremos trabalhar, mas não para levar o planeta à sua destruição, queremos trabalhar para
livrar os nossos filhos da miséria crescente que está à nossa frente todos os dias! 
Queremos trabalhar para nós mesmos, para os nossos amigos, família, bairro, cidade.. e 
mais que isso para destruir o conceito de trabalho que nos impingem.

Hoje, mais que nunca, os tempos são frutíferos para muitas coisas diferentes. Atacar esta
ordem e este sistema leva-nos a experimentar como viver sem eles.

No 1o de Maio apelamos a uma mobilização pelas ruas de Setúbal em protesto não só contra
a violência dos patrões mas contra a violência do Estado, da economia e das forças da
autoridade que os defendem. Queremos lembrar-lhes que existe resistência. Propomos
também uma assembleia popular com microfone aberto onde publicamente possam surgir
propostas de luta e de acção.

http://www.youtube.com/watch?v=vFXBTSnrvmc


More information about the A-infos-pt mailing list