(pt) Anarkismo.net: São Paulo: Fator PCC, desinformação e hipocrisia oficial by Bruno Lima Rocha

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 30 de Novembro de 2012 - 07:58:41 CET


Mais de 90 policiais mortos este ano somados com centenas de civis assassinados mês a mês 
em São Paulo e região. De uma hora para outra, o fantasma do PCC, Primeiro Comando da 
Capital ou Partido do Crime, volta à tona. ---- Mais de 90 policiais mortos este ano 
somados com centenas de civis assassinados mês a mês em São Paulo e região. De uma hora 
para outra, o fantasma do PCC, Primeiro Comando da Capital ou Partido do Crime, volta à 
tona. ---- Seis anos atrás ocorreu o mesmo fenômeno, inaugurado no início deste século nas 
rebeliões coordenadas em presídios estaduais paulistas. ---- Não surpreende a tragédia das 
redes de quadrilha de São Paulo, mas sim a hipocrisia através da qual o tema fora tratado 
após o Salve Geral de 2006.

Recordo que em agosto de 2008, durante o 6º Encontro da Associação Brasileira de Ciência 
Política (ABCP) em Campinas, questionei um notório professor da USP a respeito de seus 
elogios para a política prisional do estado.

Dizia o colega que o índice de homicídios caíra drasticamente devido ao “sucesso” da 
abertura de novas prisões e o aumento da massa carcerária.

Perguntei-lhe quanto ao chamado “fator PCC”. Isto é, como a rede de quadrilhas se 
sofistica, consolidando domínios territoriais, aumenta o controle sobre o varejo do crime, 
diminuindo por consequência a violência nas ruas.

Afirmei o óbvio e, com o perdão da ironia, ouvi cobras e lagartos do nobre docente. 
Infelizmente, tinha razão.

A hipocrisia caminha lado a lado com o eufemismo. O acórdão entre mídia e governo, ao 
evitar (praticamente proibindo) a citação da sigla do PCC não resolve em nada, apenas 
aumenta a desinformação estrutural.

A maioria de leitores, ouvintes e telespectadores precisa ser devidamente informada sobre 
o que está ocorrendo por dentro do carcomido aparelho de segurança da locomotiva do país.

É impossível imaginar que uma facção criminosa tenha um sistema de inteligência tão 
poderoso a ponto de localizar e perseguir dezenas de PMs à paisana e em dia de folga. 
Parece óbvio supor que houve infiltração, agentes dobrados ou corrupção policial pura e 
simples na venda destes dados.

O mesmo pode-se dizer quanto à agressividade do PCC contra os órgãos de segurança. As 
mortes não são episódicas nem pontuais, fazem parte do próprio modus operandi da facção. 
Tal conflito sempre existiu desde que o Primeiro Comando foi criado, alterando em sua 
intensidade e divulgação midiática subsequente.

Para além da hipocrisia, o fator PCC implica no controle das cadeias de São Paulo pela 
facção criminosa, e também a organização territorial de suas áreas de influência.

Como tem uma tradição belicista, em momentos cíclicos a guerra se acentua. Vive-se hoje um 
novo Salve Geral e suas consequências.
Bruno Lima Rocha

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br

http://www.anarkismo.net/article/24294


More information about the A-infos-pt mailing list