(pt) [Canadá] Quebec: Grupos anarquistas vigiados de perto

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 23 de Maio de 2012 - 14:40:51 CEST


Especialistas do Serviço de Inteligência Canadense (SCRS, sua sigla em francês) vão
acompanhar muito atentamente o que eles mesmos chamam de "Primavera Quebequiana",
segundo notícias da TVA Nouvelles.
Agora que mais de 180 manifestações foram já realizadas em Montreal, nas últimas
semanas e que 30% delas terminaram no meio de atos ilegais e com feridos, de acordo
com a SPVM, o SCRS teria debaixo dos olhos alguns grupos anarquistas e militantes
mais extremistas que participam nestes eventos.
Segundo fontes bem informadas, os agentes do SCRS estiveram presentes durante o
tumulto na sexta-feira passada (5 de maio) na cidade de Victoria a fim de recolher
informações e identificar indivíduos que possam representar uma ameaça à segurança
nacional.

"Na realidade, tivemos que lidar com um grupo muito bem organizado, que foi muito
bem preparado e tinha um plano bastante preciso", disse o ex-diretor dos serviços de
urgência da Segurança de Quebec, Maurice Bezombes.

Marc-André Cyr, historiador dos movimentos sociais, por sua vez indicou que "Em 99%
dos casos, são os policiais que têm o equilíbrio de forças [...] não se pode
esquecer que são eles que são armados, treinados e protegidos". Cyr, no entanto,
salienta que os manifestantes tiveram a supremacia sobre a polícia duas vezes e num
curto período de tempo, seja junto ao Salão Plano Norte seja na cidade de Victoria.


Os grupos-alvo

Entre os grupos visados pelo SCRS, alguns mais conhecidos, como o Black Bloc, mas
também membros da Convergência das Lutas Anti-Capitalistas (CLAC), o Partido
Comunista Revolucionário (PCR), a União Comunista Libertária (UCL) e a Rede de
Resistência de Quebec (RRQ).

Assim, há uma distinção importante entre os estudantes em greve e os grupos
políticos e anarquistas que são alvo dos seus agentes.

O ex-diretor Michel Juneau-Katsuya, do SCRS, disse à TVA Nouvelles que os grupos
terroristas canadenses explodiram 30 bombas, incluindo 20 desde 2001 por convicções
políticas. Em paralelo, durante o mesmo período, nenhum atentado foi registrado no
território canadense por parte de grupos terroristas provenientes de outros países.

Fonte: agências internacionais de notícias

Tradução > Liberdade à Solta


agência de notícias anarquistas-ana



More information about the A-infos-pt mailing list