(pt) Colectivo Libertario Evaro* - Uma visão sobre a Greve Geral de 14N

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 4 de Dezembro de 2012 - 10:37:43 CET


Com o aumento das dificuldades socioeconómicas que actualmente vivemos, a greve geral que 
se estendeu pela europa mostrou claramente que os povos estão a ganhar cada vez mais força 
na luta contra os estados e a máquina capitalista. ---- Em Lisboa, como em outras cidades 
europeias, houve uma forte adesão de trabalhadores(as) e desempregad  s que decidiram 
efectivamente ir à luta, e para o povo a luta não é apenas paralisar serviços mas sim 
atacar directamente a raiz do mal. ---- A actuação da polícia nessas cidades onde se lutou 
foi sem dúvida lamentável, que apesar das ridículas declarações de Miguel Macedo (ministro 
da administração interna) quando disse que eram apenas meia dúzia de arruaceiros 
profissionais que estavam a atirar pedras, a polícia deteve cerca de 15 pessoas, e varreu 
à bastonada homens, mulheres, crianças e idosos das ruas perto e longe da assembleia, 
fazendo perseguições pelas ruas, inclusive até ao cais do sodré, e deixando um rasto de 
destruição por onde passou.

Já Arménio Carlos (secretário geral da CGTP) deu uma entrevista onde se pode dizer que 
“para tar a dizer merda, mais valia tar calado”, declarando que acha lamentável que as 
pessoas tenham atirado pedras à policia na luta pelos seus direitos, ou seja, para o 
dirigente sindical a greve é uma coisa apenas para sindicalistas e sindicalizados, e a 
única “luta” correcta é a organizada pela CGTP.

A comunicação social fez também um belíssimo trabalho do ponto de vista governamental, 
onde jornalistas davam descrições depreciativas da actuação da população como por exemplo 
dizer que este é um “cenário nada dignificante”… “Nada dignificante” é não ter o que comer 
e ser posto da rua da sua própria habitação!!! Era bom que os jornalistas da comunicação 
social aprendessem a relatar as coisas sem tomarem partidos.

Cá por Évora bastantes serviços estiveram paralisados, no entanto pelas ruas da cidade as 
esplanadas estavam cheias de gente que fez greve mas que decidiram dedicar este dia ao 
consumo em massa, obrigando a um contra-balanço do efeito da greve que sendo assim até os 
capitalistas agradecem.

O desfile da CGTP correu como era de esperar sem incidentes e terminou com um discurso de 
10 minutos na praça do giraldo que falava dos números da greve. Após esse discurso os 
sindicalistas recolheram as bandeiras e partiram enquanto trocavam uns sorrisos curiosos 
com o gangue do bastão…

No jardim das canas foi feita uma concentração anti-capitalista de carácter semelhante às 
concentrações dos movimentos indignados juntando algumas pessoas ao final da tarde.

Em conclusão, apesar da greve ser uma forma de luta importante, muit  s trabalhadores(as) 
voltam amanhã para os trabalhos extremamente frustrad  s pois não parece ter sido alcançado 
nenhum dos objectivos que @s levaram à luta. Ainda assim, um grande bem-haja a quem 
participou! Insistiremos, pois um dia será o nosso dia!

Baltazar Bresci

=======================================
*

MANIFESTO


Quem somos,  o que queremos, como nos organizamos

Um grupo de cidadãs e de cidadãos, homens e mulheres, reunidos em Évora decidiu 
constituir-se em colectivo de reflexão e de acção como resposta à constante violação e 
limitação dos seus direitos e liberdades individuais e colectivas, bem como à constante 
diminuição da qualidade de vida e de perspectivas de futuro que a maioria dos 
trabalhadores, estudantes, desempregados, reformados ou simplesmente desocupados hoje 
enfrentamos.
Face à crise generalizada do capitalismo, e depois de morto o modelo das “democracias 
populares”,  que mais não foi do que uma outra forma do capitalismo sobreviver ancorado na 
ideologia do Estado todo poderoso, é preciso reencontrar alternativas que, aliás, 
estiveram desde sempre na prática e na teoria dos sectores mais interventivos do movimento 
social e operário em todo o mundo.
As experiências autogestionárias, de acção directa, baseadas nas assembleias de base, com 
o mínimo possível de delegação de poderes, assentes no livre pensamento e na absoluta 
liberdade de organização, preferencialmente em rede e a partir da base, mantêm todo o seu 
carácter de inovação e de radicalidade.
É preciso voltar a colocar sobre a mesa questões como o poder e as relações de poder; o 
Estado; o salariato; a luta de classes. Reenquadrar a ecologia no contexto global da 
espécie humana e não apenas em termos de ambiente. Debater a violência e o pacifismo. 
Perceber como se pode passar de uma sociedade totalitária, onde o poder político e 
económico agem apenas em função do lucro e não da satisfação das necessidades do conjunto 
da humanidade, para uma sociedade assente na fruição e na utilização da imensa capacidade 
tecnológica hoje existente de modo a acabar com o fosso entre rico e pobres, entre fartos 
e esfomeados, entre os que têm acesso à generalidade dos bens de consumo e os que deles 
estão excluídos, entre os que detêm o poder e aqueles que são totalmente despossuídos de 
qualquer grau de influência.
É preciso pensar e perceber o que são os chamados índices de felicidade ou de conforto e 
de que maneira, cada ser humano, enquanto tal, pode e deve participar, no chamado 
“banquete da vida”, de que hoje muitos milhões de seres humanos são, logo à nascença, 
postos à margem.
Queremos perceber também ao detalhe esta sociedade em que nos integramos. Alentejanos e 
eborenses consideramos ter muitas palavras a dizer no contexto local, fora dos confrontos 
da política partidária, onde a natureza dos interesses em jogo é quase sempre idêntica e 
pouco transformadora. Partindo desta nossa realidade sabemo-nos e sentimo-nos cidadãos do 
mundo, cosmopolitas, e queremos trazer também até ao espaço que habitamos novas 
experiências, outras ideias, formas diferentes de sonhar o futuro.
Não nos resignamos ao cardápio das ideias feitas, prontas a consumir, no “self-service” 
partidário. Fiéis à velha máxima da velha Associação Internacional de Trabalhadores de que 
a emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores ou não o será, 
consideramos que todos, organizados e intervenientes, temos uma palavra a dizer na 
condução das nossas vidas e na construção de espaços de encontro e de ruptura com a apatia 
social e o imobilismo político que parecem caracterizar os dias que correm.
É contra isso que nos batemos e é contra isso que nos vamos bater. A favor de uma vida que 
valha, de facto, a pena viver. E não a sobrevida que o capitalismo (nas suas mais variadas 
formas) nos tem para oferecer.
Por tudo isto, prometemos não ficar parados e rasgar novas janelas na imensa planície das 
ideias e das práticas e convidamos quem esteja de acordo e solidário com este manifesto a 
juntar a sua à nossa voz.

Colectivo Libertário de Évora

Évora, Outubro de 2012


More information about the A-infos-pt mailing list