(pt) [Espanha] Fechamento do Centenário em Montjuïc: CNT homenageia as vítimas do franquismo em Barcelona

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 22 de Junho de 2011 - 13:51:06 CEST


[Em um ato carregado de emoção e lembranças, se reuniram centenas de
militantes e simpatizantes, entre os quais muitos veteranos, alguns dos
quais viveram o esplendor revolucionário dos anos trinta e sofreram a
repressão.]

Sonia Turón abre o ato, pela Comissão do Centenário e como mestre de
cerimônias: "Obrigada, não por estar aqui, mas por ser como são, por
continuar na luta". O ato, em Fossar de la Pedrera, onde foram parar os
pobres em primeiro lugar desde a década de 1940 e os fuzilados do Campo de
La Bota, foi regado com as primeiras lágrimas. Alfonso Alvarez,
secretário-geral da CNT, recordou os duros anos do regime de Franco,
quando seu pai e outros companheiros se reuniam a cada 1º de maio, na
praça da cidade. "Ninguém lhes havia convocado, mas eles estavam lá, ano
após ano". "Nós não somos anarquistas", diziam a ele, "os anarquistas são
homens de grande desafio e atitude certa". Alfonso comenta que, com o
tempo, descobriu que aqueles homens e mulheres da Campiña Cordobesa
realmente eram anarquistas, não só da CNT. Alfonso agradeceu à todos por
seu esforço e compromisso pela Organização, “um exemplo vivo que todos
devemos seguir”.

Antonina Rodrigo - escritora e íntima companheira – nos lembrou do momento
épico protagonizado por aqueles homens e mulheres cuja idade cronológica
não correspondia à sua maturidade. O que demonstraram amplamente os
milhões de lutadores anônimos quando levantaram a primeira revolução de
coração libertário da Europa, com as idéias anarquistas como principal
ferramenta. "Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um
ano e são melhores. Há aqueles que lutam muitos anos e são muito bons. Mas
há aqueles que lutam toda a vida - estes são imprescindíveis" (B. Brecht).
Com estas palavras começou a atuação de Poupées Electriques que, em voz e
piano, nos fez vibrar com "Filhos do povo", "Às barricadas" e o romance
sobre Durruti, Ascaso e Olive, composto por Chicho Sánchez Ferlosio.

Juanjo Novella, escultor basco autor da obra em tributo aos represaliados,
agradeceu à CNT e aos participantes pela calorosa acolhida, a liberdade e
apoio com que tem sido capaz de trabalhar. A obra simboliza a luta pela
conquista da liberdade, porque, como um cipreste, em sua aspiração de se
elevar, o ideal se viu truncado. Quando olhamos através dos ramos, vemos o
Fossar, conseqüência daquele fascismo homicida. De cujas conseqüências
ainda não foram feitas justiça, como nos recorda Octavio Alberola. Mesmo
aqueles que prestaram homenagem a seus políticos ali mesmo anteriormente
foram capazes de anular as sentenças do franquismo. A melhor homenagem que
podemos prestar a todos é continuar a luta contra este mesmo sistema de
dominação que continua até hoje. "Se queremos dignificar sua memória,
devemos lutar o mais unidos possível."

O ato terminou com uma coroa de flores e um brinde ao "cipreste truncado",
no qual cada um dos participantes pode traduzir seus sentimentos neste
momento e continuar a luta pela liberdade e justiça.

Galeria de imagens:

›
http://www.cnt.es/noticias/cronica-y-fotos-cierre-del-centenario-en-montjuic-cnt-homenajea-las-victimas-del-franquismo#

agência de notícias anarquistas-ana




More information about the A-infos-pt mailing list