(pt) Urgente: massacre e revolução na Líbia [en, fr, ca, it]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 25 de Fevereiro de 2011 - 19:55:44 CET


Os relatos provenientes da Líbia são impressionantes. O regime de Gaddafi
está perpetrando um massacre cruel sobre a insurreição da massa. Os
mercenários recrutados pelo regime de Gaddafi (o equivalente aos ‘baltagi’
do regime de Mubarak), ao lado do exército regular e as forças de
segurança, abriram fogo contra o povo líbio desarmado, ou, em alguns
casos, armados apenas com armas de fogo muito leves. As forças repressivas
do regime não apenas usam armas de fogo, mas também de artilharia,
tanques, aviões e helicópteros de combate. Do ponto de vista militar, esta
não pode ser considerada uma guerra. Aliás, esse é um massacre conduzido
pelo regime de Gaddafi sob a supervisão das potências imperialistas da
Europa e dos Estados Unidos que, como sempre, só se preocupam com petróleo
e dinheiro, apenas para o lucro, e não os direitos humanos ou até mesmo
vidas humanas.

O governo Europeu e estadunidense estão mantendo um silêncio vergonhoso,
que diz mais do que qualquer possível declaração. No fundo eles estão
apoiando os assassinos, a ditadura, contra a rebelião em massa, como
fizeram na Tunísia e no Egito, para em seguida mudar de lado quando o
triunfo da revolução torna-se inevitável. E não há nenhum segredo nisto.
Trata-se apenas de todo o petróleo e dinheiro que deve permanecer nas mãos
de ditadores, e não dos povos. E, como aconteceu antes no Bahrein, Tunísia
e Egito, a maioria das armas antidistúrbio e sua munição usada pelas
forças do regime para assassinar e reprimir o povo, são provenientes de
empresas européias e estadunidenses. Duas noites atrás, o filho do ditador
líbio ameaçou as massas e ontem seus assassinos e mercenários passaram de
ameaça à ação. A ditadura de Gaddafi na Líbia é um exemplo perfeito de um
regime totalitário, como aquela sociedade opressiva descrita por George
Orwell, em seu romance "1984". Agora, o "Grande Irmão" tem travado uma
verdadeira guerra contra o seu próprio povo, ou mais precisamente, guiando
uma matança sangrenta contra os líbios em rebelião. Mais uma vez, estão
apelando para o "fantasma" dos fundamentalistas. Esta não é uma luta entre
os fundamentalistas e o regime; a luta está sendo travada entre as massas
e a ditadura.

Isto é simplesmente uma escandalosa manipulação da realidade; uma
tentativa descarada de justificar não só a repressão do regime, mas também
os seus crimes bárbaros, quando a verdade é que nada, absolutamente nada,
pode justificar os crimes do regime de Gaddafi, como o uso de tanques e
aviões de combate contra as massas desarmadas, contra as crianças e suas
mães.

Nós, os anarquistas e libertários, não devemos descartar a possibilidade
de alguma força repressiva (islâmica ou não) se apropriar da revolução.
Mas diante disso, não preferimos uma força de repressão não religiosa a
uma religiosa. Optamos pela verdadeira liberdade das massas, por uma
sociedade autogerida e organizada de forma livre e voluntária, de baixo
para cima. Diante deste cenário, vemos que a única resposta apropriada é a
ação direta popular desenvolvida pelas massas, e não para qualquer outro
tipo de repressão brutal exercida por uma ditadura feroz.

Aqui estão algumas notícias e comentários do blog de um companheiro
anarquista líbio (apenas em árabe). O link para o blog é:
http://saoudsalem.maktoobblog.com

• Centenas de pessoas assassinadas na Líbia - Gaddafi, o açougueiro,
escondido em sua fortaleza.

• Testemunhas relataram o fato de que um verdadeiro massacre acontece na
cidade de Benghazi, no leste da Líbia, onde dezenas de pessoas foram
mortas e centenas feridas. E os hospitais da cidade estão sobrecarregados
com pessoas feridas. Um advogado e ativista declarou à Al Jazeera que o
número de pessoas assassinadas pelas forças de segurança em Benghazi pode
aumentar para 200 e entre 800 e 900 feridos (escrito em 20 de fevereiro).

• Gaddafi bombardeou os líbios... e os líbios estão  avançando para Trípoli.

• Benghazi, segunda maior cidade da Líbia, a mais importante depois da
capital Trípoli - onde a primeira centelha da revolta ocorreu em fevereiro
- está enfrentando um genocídio (escrito em 20 de fevereiro).

• A família governante (ou seja, a família Gaddafi) na Líbia, perdeu a
paciência e chamou os manifestantes de "bandidos".

• Parece que o abuso de poder por parte do regime e seu massacre contra os
manifestantes saiu pela culatra, tanto que até mesmo muitos membros das
forças armadas e da polícia se recusaram a disparar contra os
manifestantes e se uniram a eles, forçando o regime de Gaddafi a recrutar
mercenários de países pobres da África (escrito em 21 de fevereiro).

Mazen Kamalmaz

Anarquista sírio.

agência de notícias anarquistas-ana





More information about the A-infos-pt mailing list