(pt) Na H&M tudo está em saldos, até os trabalhadores ...

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 10 de Setembro de 2010 - 10:22:21 CEST


*** 2340 euros... ***
Dois mil trezentos e quarenta euros.
Não é o preço de um vestido de altacostura.
É o preço de uma vida humana nos fornecedores da H&M.
No passado dia 21 de Fevereiro, pela terceira vez em menos de um ano, um incêndio
"acidental" eclodiu na empresa têxtil Garib e Garib, em Dhakka, no Bangladesh. Já em
Agosto de 2009 duas pessoas tinham morrido nesta empresa devido a um primeiro
incêndio. Em Fevereiro de 2010, foram 50 os trabalhadores que ficaram gravemente
feridos e 21 os que morreram no incêndio.
A H&M, principal cliente da Garib e Garib, perante a indignação internacional
suscitada por este drama, sentiu-se obrigada a fazer um gesto. Atribuiu pomposamente
às famílias das vítimas 2340 euros de "compensações". Eis o preço da vida de um
trabalhador para a H&M.

Este género de "acidente" é frequente no Bangladesh. São incontáveis os mortos
carbonizados nas suas fábricas, porque os patrões encerram os trabalhadores nas
oficinas. Estes incêndios têm frequentemente por origem uma instalação eléctrica
defeituosa, sem manutenção, e uma ausência de medidas de segurança elementar nos
locais de trabalho. Porquê investir milhões em segurança ? Dado o preço da vida
humana, os patrões não têm razão para se privarem... Sobretudo quando se acaba de
saber que a H&M pagou tão só 60 (SESSENTA) euros de impostos sobre as suas
sociedades em 2008 num país onde se abastece em grande escala !!!

*** 20 Euros ***

Os têxteis representam 80% das exportações anuais do Bangladesh e as suas fábricas
empregam 40% da mão-de-obra industrial do país, na maior parte feminina. O salário
médio é de cerca de 20 (VINTE) euros por mês. Em Abril, o governo comprometeu-se em
aumentar os salários mas um grupo de proprietários de 4500 fábricas conseguiu fazer
limitar os salários a 23 euros...

Contudo, os operários do Bangladesh começam a estar fartos de ser os "fusíveis" da
indústria têxtil, e nos últimos meses as revoltas vêm-se multiplicando. Violentos
movimentos de protesto, envolvendo dezenas de milhares de operários dos têxteis,
levaram ao encerramento de 700 fábricas que fornecem as maiores marcas ocidentais de
vestuário. No dia 19 de Junho, 50.000 trabalhadores dos têxteis que se manifestavam
pelo aumento dos salários saquearam várias fábricas na zona industrial a norte da
capital Dhakka e bloquearam estradas. A polícia reagiu, ferindo mais de 100
operários. Mas curiosamente, os nossos media não tocaram no assunto, muito
preocupados que estavam com os assuntos milionários do Mundial de Futebol...

*** 85% ***

Não, não é a última taxa dos saldos. É a percentagem de assalariados da distribuição
e do comércio que consideraram o seu trabalho fisicamente fatigante (contra 75% em
1998) num inquérito oficial realizado em França em 2007. No ano passado, em todos os
sectores da distribuição, contaram-se mais de 30.000 acidentes de trabalho e o
número de doenças profissionais está em aumento constante. Na H&M de França tiveram
lugar numerosas greves nestes últimos anos para denunciar as condições de trabalho e
a pressão, incluindo a psicológica, que pesa sobre os assalariados, levando mesmo a
tentativas de suicídio.

*** Zero Euros ***

Zero euros, é o que toca doravante a Diego, de uma loja H&M de Madrid após ter sido
forçado a assinar "voluntariamente" a sua demissão, o que o priva de qualquer
direito a uma indemnização. Diego, que trabalhou dois anos nesta loja sendo
reconhecido como um assalariado "sem problemas", foi pois constrangido sob pressão
psicológica da sua direcção a assinar a sua própria carta de demissão. O motivo ?
Nenhum. Apenas a política do medo, para economizar à custa dos assalariados, dando
um exemplo aos restantes, fazendo-os compreender a sua "sorte" nestes tempos de
"crise" e que não têm vantagem nenhuma em queixar-se. Esta crise, durante a qual
empresas como a H&M continuam a obter lucros monstruosos (para a H&M 1,3 MIL MILHÕES
no primeiro semestre, com um aumento de 22% no primeiro trimestre), somos nós, os
trabalhadores, aqui e em todo o lado, que a pagamos com os despedimentos, com a
precariedade e por vezes com a própria vida.

Mas o Diego decidiu não permanecer só face ao seu empregador. Juntamente com outros
colegas e com companheiros da CNT-AIT decidiu não se deixar ficar e contra-atacar.
Foram organizadas acções de protesto em frente da sua loja e de outras da mesma
cadeia, para exigir a sua reintegração na empresa, com o reconhecimento de todos os
seus direitos.

Uma corrente de solidariedade internacional está em vias de se iniciar, outros
piquetes de protesto tiveram lug ar em frente de outras lojas da mesma cadeia, em
Espanha, na Polónia, em França...

Qualquer um pode, se quiser solidarizar-se, reproduzir e distribuir este texto em
frente de uma loja próxima de si.
Porque um ataque contra um de nós é um ataque contra todos. Hoje, é Diego que é
atacado, amanhã seremos nós. É tempo de a solidariedade se exprimir.

Face ao teu explorador não fiques só ! A união faz a força !

A solidariedade é a nossa arma !


CNT-AIT, secção francesa da AIT



Tradução de um artigo publicado em [-> http://cnt-ait.info]
Boletim Anarco-Sindicalista nº 36 (Julho-Setembro 2010)
AIT - Secção Portuguesa http://ait-sp.blogspot.com/

http://cnt-ait.info/article.php3?id_article=1835

[Remetente: "CNT AIT Paris" <contact -A- cnt-ait.info>]




More information about the A-infos-pt mailing list