(pt) Um resumo do anarquismo na Jordânia hoje

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 15 de Março de 2010 - 19:59:48 CET


Finalmente, após mais de 50 anos de ativismo comunista na Jordânia, o/as
anarquistas começaram a se reunir. A maioria dos anarquistas jordanianos
são artistas que trabalham com música, direção de filmes e design gráfico;
um de nossos companheiros está terminando seu mestrado em estudos de
gênero. Alguns companheiros são jordanianos e outros são refugiados
palestinos que estão morando na Jordânia.
A maioria vem de um passado marxista, daí a teoria ter bastante
importância para nós. Dois companheiros finalmente encontraram um livro em
árabe que fala sobre o anarquismo – na verdade encontramos mais três
livros, mas com diferentes palavras em árabe para “anarquismo”:
1. Fawdawiya, que literalmente significa quenótico
2. La soltawiya, que literalmente significa anti-autoritarianismo
3. Taharoriya, que literalmente significa libertarianismo
4. Anarkeya, que literalmente significa anarquismo
Também encontramos sites anarquistas egípcios e libaneses que foram
extremamente úteis. Até agora contamos com aproximadamente 20
companheiros. Acredito que haja mais anarquistas no país, mas é difícil
encontrá-los!
Ultimamente nos tornamos parte de um movimento maior chamado esquerda
social, no qual participam marxistas, feministas e outros. Apesar do fato
de o movimento ter mais de 1.000 membros, nós anarquistas temos,
relativamente, uma influência muito forte e efetiva no grupo. Nós nos
encontramos em um escritório antiglobalização na Jordânia.
Quando começamos as leituras, procuramos por formas de anarquia em nossa
própria história e cultura local. Após lermos um livro chamado “Trópicos
Sufi” escrito por um escritor iraquiano (Hadi al Alawi), descobrimos que o
Sufismo tem TUDO A VER COM  o anarquismo. De fato encontramos um site na
internet que fala sobre anarquismo sufista – agora a maioria de nós se
considera como anarquistas sufistas. Nós até mesmo encontramos movimentos
e grupos sufis-anarquistas existentes no passado, datando dos séculos VIII
ao XVI. Então, após lermos os livros (os que conseguimos encontrar) de
anarquistas como Bakunin, Proudhon e Kropotkin, e após estudarmos a
história do anarquismo na Espanha, Ucrânia, Paris e México, e após
estudarmos o Sufismo, começamos a ter o nosso próprio entendimento sobre o
anarquismo.
Um outro companheiro nosso até mesmo trabalhou em sua própria compreensão
sobre o anarquismo numa forma compatível com seu próprio entendimento
sobre o pós-modernismo e a queda da ideologia ou o que ele chamou de
anarquismo-sufi niilista (por favor não me peça para explicar!!!). Ouvimos
falar sobre outros grupos no Egito, Marrocos, Líbano e Palestina, mas
nunca tivemos a oportunidade de conhecer nenhum deles.
Na última semana, um colunista muito importante escreveu sobre nós, os
anarquistas, no jornal mais popular do país, após ter visto nossa bandeira
pela primeira vez num protesto.
Todos os movimentos políticos e partidos na Jordânia têm um problema com
números. Angariar mais pessoas pode ser muito difícil porque a maioria
delas tem muito medo em participar. Na Jordânia nós ainda sofremos com a
expulsão das universidades por causa de qualquer atividade política. Leis
que são extremamente difíceis de entender e interpretar e que são usadas
contra os ativistas políticos, como:
• Perturbação da harmonia civil!
• Golpear o status superior!
• Língua grande (palavrão)!!!
• Fazer cópias sem permissão!
• Encontros sem autorização!
• A Human Rights Watch fala sobre torturas, seqüestros – pode-se pegar
também três anos de prisão por fundar grupos não autorizados.
Então, o anarquismo na Jordânia tem uma estrada muito comprida pela
frente, mas espera-se que ele cresça bastante nos anos seguintes.
De seus irmãos/irmãs e companheiro/as.
Anarquistas da Jordânia
Tradução > Marcelo Yokoi
agência de notícias anarquistas-ana


More information about the A-infos-pt mailing list