(pt) [Brasil] CARTA DE APRESENTAÇÃO DO PRÓ-COLETIVO ANARQUISTA ORGANIZADO D E JOINVILLE

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 3 de Outubro de 2009 - 22:33:03 CEST


“...a verdadeira anarquia não pode existir fora da solidariedade, fora do
socialismo.”
Errico Malatesta

“A idéia e ação são inseparáveis, se a idéia tem ascendência sobre o
indivíduo; e, sem ação, a própria idéia atrofia-se”
Piotr Kropotkin

“Há ocasiões em que é melhor lutar e apanhar do que fugir à luta.”
George Orwell

“A igualdade perante a lei é uma farsa, queremos a igualdade social.
Queremos oportunidade para todos, não para acumular milhões, senão para
fazer uma vida perfeitamente humana, sem inquietudes, sem sobre-saltos
pelo futuro”
Ricardo Flores Magón

O presente documento é a primeira produção publica do “Pró-CAO” (Pró –
Coletivo Anarquista Organizado) de Joinville, Santa Catarina, no qual
buscaremos apresentar o nosso projeto de construção de uma organização
política anarquista com programa ideologicamente revolucionário.

Nos inserimos na realidade da crise global do sistema capitalista, em que
os argumentos que abordam essa realidade não apontam à estrutura do
sistema, e os Estados são os mecanismos para regulamentar a manutenção da
ordem econômica e as supostas saídas da crise, enquanto a classe
trabalhadora empregada e desempregada paga com mais exploração e
sofrimento.

Pensamos a estrutura global vinculada com a realidade de Joinville, onde
os reflexos são percebidos nas fábricas, com aumento do desemprego,
enquanto os sindicatos não sabem, ou não querem saber como resistir às
demissões, e assim acabam assumindo os discursos empresariais ou jogando a
responsabilidade da apatia à classe trabalhadora.

A faixa-etária mais jovem da população, a cada dia mais longe da realidade
de um futuro, tem seus sonhos direcionados ao consumo, muitas vezes de
produtos nocivos a si mesmos, enquanto que as políticas públicas
municipais, estaduais e federais para resolver tais problemas são
unicamente tapa buracos e não um olhar profundo e radical para
solucioná-los. Podemos perceber a incapacidade do Estado de lidar com tais
problemas através das medidas que dificultam a livre circulação da
juventude, bem como de toda a população não-rica, por meio dos aumentos
das tarifas do transporte coletivo, a manutenção do transporte na
perspectiva privada e a possível proibição dos jovens menores de dezoito
anos de circularem nas ruas centrais depois de determinado horário. Na
verdade, nessas situações percebemos a real função do Estado, de opressor
e cão de guarda dos detentores do capital.

Por estes e muitos outros motivos, pensamos que o atual modelo de
democracia representativa, onde os “eleitos do povo” aumentam os próprios
salários e suas próprias regalias a seu bel prazer nunca foi, não é e
nunca será capaz de agir em prol das camadas economicamente mais baixas da
população, entendendo que o baixo poder econômico carrega o sujeito ao
baixo poder político de acordo com a atual lógica representativa, além é
claro de várias outras prerrogativas discriminatórias que levam a perda,
ou redução do fazer política, como o fato de ser mulher, étnico, usuário
de droga, e de orientações sexuais diversas.

Propomos o Coletivo Anarquismo Organizado como uma alternativa de “fazer
política” sem estar necessariamente ligados à partidos políticos
institucionalizados, que acreditam que política é feita apenas ou
majoritariamente no parlamento. Negando esta perspectiva, afirmamos que a
verdadeira política é aquela que emana diretamente do povo.

O descontentamento com a realidade social, com a perpetuação do Estado, do
sistema capitalista e reconhecendo impossibilidade do domínio autoritário
e explorador de pessoas por pessoas, nos traz a necessidade de caminharmos
rumo a uma organização anarquista, visando desenvolver coletivamente um
programa político anarquista revolucionário para a realidade do lugar que
vivemos e somos explorados. Ao mesmo tempo, buscamos uma aproximação com
outras organizações que tenham perspectivas e finalidades convergentes com
as nossas no território brasileiro e também no restante do globo, tentando
estabelecer uma troca efetiva das experiências nas lutas de classes para
superação do capitalismo e do Estado, incentivando a organização popular,
pois somente assim poderemos superá-los.

A nossa visão é de um anarquismo organizado politicamente e na militância
social, inserido até a medula nos movimentos sociais, organizações
populares, movimento estudantil e nas entidades, sempre buscando construir
lado a lado, jamais dirigindo como habitualmente a esquerda tradicional e
institucionalizada realiza nas lutas sociais, ou tendo qualquer atitude
vanguardista, como desejam certos teóricos.

Amparados na visão, que reconhecemos, ainda terá de ser aprofundada,
entendendo que a humanidade não se corrompeu apenas na sua direção
econômica, logo a luta não deve se prender apenas à ela, como se fosse uma
resolução binária encerrar o conflito patrão/empregado, pretendemos a
construção do anarquismo vinculado ao: socialismo, a luta de classes além
da classe econômica, federalismo, liberdade, organização, autogestão e
anti-estatismo.

Buscando sempre a construção coletiva com os demais anarquistas cuja
convicção seja de acordo com o ponta pé inicial discorrido na corrente
carta de apresentação, entendemos que para construção de uma organização
que mantenha essas propostas é necessário tempo, trabalho e experiência,
acreditamos ser muito importante aliar teoria e prática com a realidade
social e política de nossa cidade. Esse é o objetivo do Pro-CAO, ser a
alicerce de uma futura organização comprometida com o Socialismo
Libertário.

Pró – Coletivo Anarquista Organizado de Joinville



More information about the A-infos-pt mailing list