(pt) [Espenha] Instituto de Ciências Econômicas e da Autogestão (ICEA)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 9 de Julho de 2009 - 16:50:09 CEST


  Faz aproximadamente um ano que se constituiu o Instituto de Ciências
Econômicas e da Autogestão
(ICEA), uma entidade cultural no âmbito do Estado espanhol que tem por
objetivo desenvolver atividades de docência e pesquisa em economia
política e autogestão com vistas a implantar o socialismo/comunismo
libertário. Por isso a entidade se baseia nos princípios do
assembleísmo, do federalismo, da solidariedade e do apoio mútuo. Não
existe, assim sendo, o objetivo de lucro nem se recebe nenhuma
subvenção do Estado. O ICEA toma como referente histórico a entidade
que, com o nome de “Institut de Ciencies Econòmiques de Catalunya”
(ICEC), foi criada em 1931 na cidade de Barcelona. Esta entidade
organizou até 1939, cursos, conferências e debates sobre temas
econômicos e sociais. Pretendemos então cobrir o vazio deixado por ela.
  Cultura e ação   O
ICEA é uma entidade com princípios e finalidades totalmente libertárias
ainda que não seja necessário ser libertário/a para fazer parte dele.
Neste sentido se trata de facilitar ao máximo a difusão e a
aprendizagem entre a maioria da população das questões que de início
trabalhamos. Nascemos assim com o objetivo de ser uma entidade onde
desenvolveremos aspectos culturais e técnicos a serviço da
transformação social desde uma ótica anarquista. Nos aspectos culturais
e de formação, pretendemos criar grupos de estudo em três âmbitos:
primeiro, para a análise do sistema econômico capitalista, conhecendo
suas características e seus limites. Segundo, para nos consolidar como
uma espécie de laboratório de idéias em política econômica, trabalhista
e social desde uma perspectiva libertária e tendente a implantar a
autogestão operária e social. Por último, para investigar as formas
econômicas e sociais com as quais se possa substituir o capitalismo por
um sistema sócio-econômico baseado na autogestão e no
socialismo/comunismo libertário. Neste sentido pretendemos cobrir o
vazio existente no que se refere ao aprofundamento do estudo das
alternativas ao sistema capitalista. Desta maneira é necessária a
abertura em outros campos de estudo imprescindíveis inter-relacionados
com a economia, como a sociologia, a história, a política, etc.   Deste
modo, pretendemos agrupar estudantes e trabalhadores/as que tenham
formação em economia e outras ciências sociais (história, sociologia,
políticas, direito etc.) ou tenham interesse em adquiri-la.   Por
outra parte, a entidade adota uma vertente técnica onde pretendemos
desenvolver uma série de trabalhos que requerem formação e
conhecimentos prévios, mediante quatro oficinas. Uma primeira está
dirigida a elaborar artigos e documentos que sirvam de base para
publicações e conferências, assim como para elaborar informes de
conjuntura socioeconômica e do mundo do trabalho (Gabinete de Estudos
Socioeconômicos). Outra trata de oferecer assessoramento e apoio as
lutas trabalhistas e sociais (Gabinete de Assessoramento
Socioeconômico). Por último, e que estão ainda em processo de
constituição, temos outra oficina para elaborar uma recopilação semanal
de notícias publicadas na imprensa sobre temas de interesse
econômico-sociais e de lutas trabalhistas no Estado espanhol (Gabinete
de Imprensa), e o Gabinete de Assessoramento para a Autogestão (GAA)
dos meios de produção por parte dos trabalhadores. Com tudo isso o Instituto
pretende ser um centro completo nos campos do conhecimento que pode
abarcar, cobrindo tanto a parte teórica e de formação, como a parte
prática e de apoio à ação.   Para
apoiar tanto aos grupos de estudo como aos gabinetes técnicos, estamos
trabalhando em uma biblioteca digitalizada e especializada em ciências
sociais, principalmente em temas de economia, autogestão, anarquismo,
anarcosindicalismo e movimentos dos trabalhadores e sociais.   Ciências
sociais e
anarquismo como princípio e finalidade   Entendemos
que o atual sistema econômico e social, o capitalismo junto com o
Estado, baseado na exploração do trabalho assalariado, no autoritarismo
e na dominação política, são os causadores últimos dos principais males
que assolam a sociedade. Por isto acreditamos que têm que desaparecer o
quanto antes. O anticapitalismo, como análise e ação, é a premissa
básica da que se partir para conseguir uma sociedade justa e sem
classes sociais. É necessário recusar de cara todos os valores morais e
toda a práxis autoritária e exploradora, que subjazem neste sistema
econômico. Partindo desta proposta entendemos que só existirá uma
revolução social anarquista se conseguirmos que uma maioria da
população seja capaz de auto-organizar a economia e a sociedade, e é
por isto que é imprescindível a formação e a prática nestes campos. É
necessário que a maioria dos trabalhadores conheça o funcionamento de
um sistema econômico de forma que possamos fazer funcionar uma economia
libertária, uma economia e uma sociedade controlada por, e ao serviço
das pessoas trabalhadoras.   O
ICEA nasce, portanto para cobrir o necessário ensino e formação livre e
racional com a pretensão de conseguir ditos objetivos últimos. Assim,
como não pode ser de outra forma, tratamos de desenvolver uma estrutura
organizativa e dinâmicas de funcionamento que se assemelham o mais
possível a sociedade libertária que aspiramos. De começo é interessante
relembrar que a base de funcionamento é a assembléia aonde se decidem
as linhas gerais das atividades e se escolhe a o grupo para gerir o dia
a dia. Por outra parte, para desenvolver o trabalho nos grupos de
estudo e nos escritórios técnicos, utilizamos a pedagogia libertária
que, combinada com a introdução das novas tecnologias, permite acelerar
o ritmo de difusão tanto dos estudos como dos debates e da
possibilidade de acrescentar assim profundidade as análises. Recusamos
inteiramente a formação de elites intelectuais, e por isso tratamos de
trabalhar no mais alto nível possível para socializar estes
conhecimentos por meio de uma pedagogia libertária que atravesse todos
os espaços de auto-formação (grupos de estudo e gabinetes) e de
divulgação (conferências, cursos e publicações).   É
preciso assinalar que ainda que a burguesia tenha imposto nas
universidades, nos meios de comunicação e nos centros de trabalho sua
visão e critério de economia e sociedade, a classe trabalhadora não tem
se armado de argumentos sistematizando uma análise e uma teoria
econômica e social para substituir ao capitalismo e ao Estado, ou ao
menos para apresentar um programa e uma visão própria para o resto dos
trabalhadores/as sobre nossa necessidade e capacidade de transformar
esta sociedade. Neste sentido é imprescindível denunciar o controle
ideológico existente nas faculdades. Controle que exerce a ideologia
dominante, a liberal e social-democrata, a dos empresários. Entendemos
que a pesquisa e o ensino que estão sendo realizados hoje em dia nos
centros de educação superior, sobretudo nas faculdades de economia e
ciências sociais, não respondem as necessidades dos trabalhadores/as e
sua liberdade, senão todo o contrário, melhor responde aos interesses
do patronato e do poder. Nelas majoritariamente se justificam as
desigualdades e as aberrações do capitalismo e são cada vez menores e
menos freqüentes os espaços de pensamento crítico ao sistema. Este foi
também um motivo fundamental para a criação do ICEA. Se a universidade
não serve 100% aos nossos fins, é preciso autoorganizarmo-nos e
criarmos um instrumento ao serviço do anarquismo e das lutas sociais.   De
todos e
todas depende que este instrumento seja cada vez mais potente e útil.   ICEA
Instituto de Ciências Econômicas e da Autogestão (ICEA)  Pl. Duc de
Medinaceli nº6
Ent 1ª.  08002 Barcelona - Espanha E-mail: info  iceautogestion.org    Sítio:
http://iceautogestion.org     Fonte: Tierra y Libertad, periódico anarquista
espanhol, junho de 2009  Tradução > Juvei









More information about the A-infos-pt mailing list