(pt) [Portugal] Declaração Sobre Gaza pelo Colectivo Luta Social

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 5 de Janeiro de 2009 - 13:57:01 CET


[Fazer circular amplamente, sff]---- Declaração Sobre Gaza
A existência de um morticínio, aqui à nossa porta, em Gaza, é um sinal da
barbárie instalada. Recusamos a chamar a isso «acção de guerra»; a acção
punitiva de Israel é uma violação das convenções de Genebra e dos mais
elementares direitos humanitários, inserindo-se na actuação genocida de que
os palestinianos têm sido vítimas. De facto,

O ataque a populações civis tem sido efectuado continuamente
Os civis são impedidos de sair da zona por um cerco continuado que dura
desde que o Hamas teve a maioria em 2006 (não só em Gaza, em todo os
Territórios palestinianos, com 70% dos votos)
Os civis são sujeitos a uma contínua e planeada escassez de alimentos, água
potável, energia, medicamentos, etc., intensificada nesta ocasião pelos
israelitas.
Os ataques são motivados pelo desejo de eliminação física de inimigos
políticos, sendo os alvos declarados figuras políticas do movimento Hamas e
da restante resistência palestiniana.
As acções de guerra de Israel são muito mais do que actos de retaliação
pelos foguetes disparados a partir de Gaza, não só pela sua desproporção
(mais de 400 mortos do lado palestiniano, contra 4 mortos do lado
Israelita), como pelo facto de se mostrarem ineficazes.

O objectivo dos sionistas de Israel é claro: pretendem, nesta «janela de
oportunidade», entre a passagem de poderes de presidente dos EUA, resolver o
«problema do Hamas», com a conivência da chamada Autoridade Palestiniana.
Sucede que o "problema Hamas" nasceu do repúdio dos palestinianos pela
corrupção da Autoridade a qual, para subsistir, necessita do apoio político
e material de Israel. E os massacres levados a cabo por Israel, não só
acentuam a resistência do povo ao inimigo sionista, como isolam a
Autoridade, obrigada a brandos protestos contra as acções de Israel.

Israel é uma entidade totalmente ilegítima, uma vez que se constituiu sobre
territórios conquistados pela guerra ou usurpados por leis racistas, de
acordo com as quais, os palestinianos em particular e os árabes em geral são
uma "raça" inferior, sem direito à legitimidade emanada dos seus textos
"sagrados".

O seu objectivo, desde o início da ocupação é expulsar a população
palestiniana de Gaza e da Cisjordânia, com políticas que tornam a vida
normal impossível para as populações. Agora, como nos massacres de 1948
pretendem gerar uma situação de força para aceitarem, e devido tempo, uma
trégua onde os palestinianos terão a oportunidade «generosa» de fugir desse
inferno, do maior campo de concentração que jamais existiu!

Estamos perante um genocídio encapotado, iniciado antes da fundação do
próprio estado sionista, assumindo, em certos momentos, características de
«limpeza étnica». Não esqueçamos que o slogan do movimento sionista (já no
século XIX) era: «para um povo sem terra (o povo judeu) uma terra sem povo
(a Palestina)», pretendendo fazer passar a ideia de que a Palestina seria um
quase deserto e negando, portanto, a existência do povo palestiniano
constituído por gente de confissões religiosas distintas (muçulmanos, judeus
e cristãos) vivendo sem conflitos confessionais.

O que permite isto tudo é a atitude de falsa neutralidade dos poderes
ocidentais, incluindo a posição hipócrita de europeus, que se pretendem numa
posição de equidistância quando, na verdade, é um povo inteiro que está a
ser martirizado por um poder colonial. Quando considerarem a limpeza étnica
suficiente, os europeus, com capacetes azuis ou de outra cor, legalizarão
tudo como fizeram em relação à ex-Jugoslávia, pretendendo estabilizar uma
partição étnica que Israel nunca considerará acabada enquanto não constituir
o seu Eretz Israel, estado "etnicamente puro" mas, com bantustões árabes
fornecedores de mão de obra precária e barata nas imediações.

Uma parte importante da opinião pública é iludida com a ideia racista de que
os israelitas «são como nós» europeus, sendo os palestinianos «árabes». Isso
é falso, primeiro, porque não existe um fosso político e cultural tão grande
entre a população palestiniana, em que uma fracção importante adopta uma
atitude laica em religião e tem um posicionamento semelhante às várias
correntes políticas e ideológicas do ocidente. Depois, porque etnias ou
diferenças civilizacionais não constituem fontes de legitimidade para uma
classificação de um povo como superior ou inferior em relação a outros.

Trata-se, neste momento, de denunciar uma imagem falsa, difundida pelos
órgãos responsáveis da UE de equidistância neutral, como se tudo se tratasse
de um desaguisado entre detentores de direitos legítimos. Não há
equivalência, mas, um lado agressor, opressor, colonial, culpado de
genocídio e criminoso de guerra (o lado israelita) e um lado agredido,
oprimido nos seus anseios legítimos, no seu direito à própria vida, vítima
num genocídio que se estende por gerações (o lado palestiniano). Mesmo
quando este último recorre a uma legítima e justa luta armada, a tratar-se
de um combate entre «David e Golias», David, não é o futuro rei dos Judeus,
mas um pastor palestiniano, lutando pelo direito à existência.

O Colectivo Luta Social (Portugal)

--
Publicada por Luta Social em Luta
Social<http://www.luta-social.org/2009/01/declarao-sobre-gaza-pelo-colectivo-luta.html>a
1/05/2009 12:49:00 PM



-- 
Colectivo Anti-Autoritário e Anti-Capitalista
de Luta de Classes, baseado em Portugal
www.luta-social.org




More information about the A-infos-pt mailing list