(pt) [Islândia] Anarquistas ocupam uma casa no centro de Reyk javik

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 21 de Abril de 2009 - 23:22:34 CEST


Na terça-feira, dia 9 de abril, uma casa vazia do centro de Reykjavík foi
ocupada por anarquistas islandeses. A casa estava vazia há mais de um ano
e está é apenas uma das inúmeras propriedades de uma construtora que
planeja derrubar todas as casas e substituí-las por centros comerciais.
Uma vez dentro da casa, os okupas limparam-na e a abriram para uma festa
de inauguração. Foram servidos comes e bebes, música e debatido claramente
as idéias por trás da ocupação. Para a inauguração, muitas pessoas vieram
e foi estreitado o laço de conhecimento com a vizinhança.
Durante os dias que se seguiram, os okupas terminaram de limpar a casa e
começaram a criar um centro social. Foi feita uma tenda com amostra e
distribuição  de literatura radical, um selo, o DIY (Faça Você Mesmo) e
uma cozinha comunitária. No sábado, com as portas abertas e o coletivo
Food Not Bombs (Comida Sim, Bombas Não), foi servida comida aos convidados
e curiosos que foram dar uma “olhada” na nova casa, e o espaço foi aberto
para compartilhar idéias de como deveria ser utilizado o centro social.
A carta abaixo foi feita pelos okupas:
Foi ocupado um centro social em Vatnsstígur 4
Por todas as partes existem casa vazias; casa que serão levadas à baixo
para a criação de edifícios de centros comerciais, que serão alugados a
preços exorbitantes, casas que se supõe, farão os ricos mais ricos e a
sociedade culturalmente mais pobre.
Não pedimos permissão para utilizar esta casa. Não necessitamos de
permissão daqueles que pensam que podem mandar sobre a vida e terra em
nome das finanças. Não tomaremos parte desse sistema.
Tomamos o que por direito é nosso e nesta casa, criaremos um espaço social
em que as pessoas possam se reunir e utilizá-lo da melhor forma que os
interesses, por exemplo, organizando debates, cozinhando comunitariamente,
criando-se círculos de leitura, atividades políticas e todo o tipo de
artes.
Este espaço estará aberto a todos aqueles que queiram trabalhar e fazer
uma troca a partir do respeito, da solidariedade e contra uma sociedade
que é regida pelo dinheiro.
A “democracia capitalista”  como a conhecemos, é apenas uma estrutura a
mais de poder desenhada para mandar nas pessoas e transformá-las em
objetos de dinheiro. Isto é ensinado como o único sistema justo que o ser
humano criou, mas sabemos que é uma inverdade. Dentro da democracia, a
maioria reprime a minoria e apenas muito poucos ficam no cume da pirâmide,
a expensas da maioria. Para cada primeiro ministros há milhares que nada
são. A tomada de decisões a partir do consenso é um método que os
anarquistas e alguns outros grupos usam para tomar suas decisões em
pequenos grupos, ao invés de eleições “democráticas” pela maioria.
Utilizamos a oportunidade para criar alternativas em vez de apenas uma
pessoa ser representante de todos.
O capitalismo cria a possibilidade de se obter casa, e deixá-las vazias,
enquanto muitas pessoas necessitam de habitação e lugares para se viver.
Os bancos possuem a maioria das casas vazias e as pessoas supõem que terão
de pagar pelo jogo de mentiras e intrigas denominado “antes da crise”. Não
pagaremos por elas!
Esta okupação será focada contra a autoridade, o capitalismo e toda classe
de relação de poder. Nossa casa será livre das autoridades islandesas e
livre de toda estrutura de poder!
Nós, após o fim do governo anterior, estamos longe de haver terminado com
a destruição do sistema de desigualdade social, sendo assim, criaremos uma
construção paralela da sociedade em que queremos viver. Animamos aos
demais a renunciar o pagamento de dívidas aos bancos, a começar-mos, todos
a okupar!
Ameaça de despejo
No dia 14 de abril, os proprietários da casa vieram com policias à paisana
e anunciaram que a casa teria de estar vazia até as 16h00. Com muito pouco
tempo os okupantes fizeram uma barricada e convocaram uma manifestação de
solidariedade na frente da mesma. Já as 15h00 as pessoas começaram a
chegar, iniciou-se uma fogueira, tocaram-se tambores e gritos de lemas a
favor dos okupas foram ecoados na rua. Por volta de cem pessoas apareceram
na manifestação, que abriu a casa para todos.
Foi feito por um dos okupas o seguinte discurso:
Este é o que chamamos de solidariedade!
É surpreendente vê-los aqui hoje. É o que chamamos de solidariedade! Nós,
os que temos okupado esta casa vamos ousar trocar a sociedade em que
vivemos. Uma parte disso é proteger esta casa, uma casa que seria
derrubada para transformar-se em mais um centro comercial
Agora esta casa nos pertence: às pessoas de dentro e de fora, e será
utilizada para nossa revolução. Para destruir as estruturas de pode desta
sociedade envenenada, necessitamos de revolução, não de eleição! Hoje, nós
todos estamos evitando que a escória corporativa siga seu caminho de
violência.
Mas ainda que a polícia não venha agora, o governo enviará pela noite,
pela manhã, mais tarde, durante a semana, ou depois das eleições. Não
importa se nos tirem ou se nos deixem, seremos mais fortes! Esta casa é
nossa! A luta é nossa! Uma luta contra a autoridade e ao capitalismo!
A revolução é e assim deve ser – internacional. Com esta okupação,
anunciamos nosso apoio e solidariedade a todas as pessoas oprimidas que
vivem na Palestina, a seus irmão que vivem do outro lado do muro,
Anarchist Against the Wall (Anarquistas Contra o Muro), ao movimento de
resistência zapatista no México, os okupas polacos de Rozbrat-Squat em
Poznan; a Mumia Abu-Jamal, a Rod Coronado e a todos os presos políticos
dos Estados Unidos, a tribo Dongria Kondh em Orissa, Índia, que luta
contra a extração ilegal de bauxita em suas terras... e a todas as pessoas
e movimentos que lutam contra o abuso de poder, a corrupção, a exploração
capitalista, a opressão e violência por todo o mundo!
Okupar é uma parte da revolução e por ela clamamos a todos do mundo para
okupar casa, tomar casa vazias ou também renunciar às suas próprias!
Viva a revolução!
Os okupas de Vatnsstígur 4
Ao final, a polícia não apareceu, desconhecemos a razão, mas a ameaça de
despejo continua. A ocupação foi recebida por coberturas midiáticas e
pelos meios de mídia alternativos. Temos esperado o apoio e solidariedade
de todos, pois provavelmente, a ameaça da próxima mais será bem maior.
Até logo!
Mais infos, fotos: www.aftaka.org
Tradução > Palomilla Negra
agência de notícias anarquistas-ana




More information about the A-infos-pt mailing list