(pt) [Portugal , Lisboa] Acção em solidariedade com os presos grego s (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 19 de Novembro de 2008 - 22:15:24 CET


[de http://www.redelibertaria.blogspot.com ]
Na sexta-feira, dia 14 de Nov., às 11h da manhã distribuímos 200 flyers
tamanho A4 em frente e em redor do edifício da Secção Económica e
Comercial da Embaixada Grega, no centro de Lisboa, deixando também alguns
dentro do edifício. Os flyers continham um breve texto introdutório à luta
dos presos, algumas das suas exigências e uma cronologia dos
acontecimentos até à data. Além disso, incluia também o seguinte texto:

" A prisão está em todo o lado, em toda a nossa vida. Constantemente somos
observados, controlados, identificados, escutados... ela é o polícia, a
câmara de vigilância, o tribunal, o juíz, a esquadra, e toda a nossa
realidade diária de interacções forçadas... ela é o medo de sermos o que
somos, de dizermos o que sentimos, de fazermos o que gostaríamos de
fazer... ela é a miséria quotidiana, persegue-nos na nossa memória, é uma
ameaça permanente...

A prisão é também aquele edifício isolado, onde só estão os condenados e
os carrascos... é o cerco de onde não podemos sair, é os guardas que nos
controlam e torturam, é o nosso corpo nas mãos do Estado... ela é as
paredes que nos fecham e que nos escondem, que nos afastam durante anos...
ela é o sítio onde tudo nos é retirado...

A prisão é, ao mesmo tempo, uma ideia e um edifício. Mas sempre uma
realidade.

Na Grécia ou em qualquer outro lugar, a luta por parte dos presos é a
única forma de enfrentarem e combaterem a realidade a que são obrigados.
Aceitar a prisão é apenas possível por meio de todos os métodos de
alienação que o Estado emprega, dentro e fora das prisões, e que criam um
quotidiano de medo e resignação. O que se passa hoje nas prisões Gregas
nasceu da determinação de indivíduos sequestrados pelo Estado, e embora
nós estejamos no exterior das paredes, isso não significa que sejamos
livres. Essa liberdade temos nós de a conquistar.

Na Grécia, em Portugal ou em qualquer outro país, nenhuma condição de vida
dentro da prisão será humana, pois isso é impossível dentro de uma prisão.
Não existe reforma de qualquer natureza que possa, de alguma maneira,
humanizar um local onde estamos presos; onde tudo, à excepção da
dignidade, nos é retirado.

Mas a dignidade pertencerá sempre aos que lutam, aos insurgentes, aos
indivíduos.

Há inúmeros modos através dos quais podemos dar a nossa solidariedade e
alastrar a revolta, atacando o controlo e os controladores deste mundo; o
primeiro passo é decidir de que lado estamos.

Posto isto, a única exigência que temos é a destruição de todas as prisões
e desta sociedade-prisão!


SOLIDARIEDADE COM OS PRESOS EM LUTA NA GRÉCIA!








More information about the A-infos-pt mailing list