(pt) [Portugal] Caderno Luta Social Nº1: Editorial

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 1 de Fevereiro de 2008 - 11:05:11 CET


LUTA SOCIAL: Balanço de três anos de percurso
O Colectivo Luta Social surgiu em finais de 2004, após a Conferência
Libertária de Setúbal, da qual algumas pessoas que vieram a fundar o
Colectivo, foram organizadoras e participantes.

Os pressupostos do Colectivo foram, desde logo, anti-capitalistas e
anti-autoritários, para realizar trabalho centrado nas lutas sociais.

Desde o início do seu percurso (Março de 2005), o Colectivo Luta Social
diagnosticou a óbvia necessidade, no panorama português, de um sindicato
de cariz anti-autoritário e anti-capitalista, que possa renovar o
sindicalismo e apresentar-se como alternativa ao sindicalismo burocrático
reformista.

Não foi portanto por acaso que surgiu o primeiro sindicato de base, após o
25 de Abril de 74 em Portugal, mas antes pela acção do Colectivo, cujos
membros decidiram fundar a Associação de Classe Interprofissional
(AC-Interpro) em Junho de 2006.

Tinha este grupo de militantes já participado na fundação, um ano antes,
de um núcleo da FESAL-E, a Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo,
ramo Educação. Pensou-se, um ano depois, que estavam reunidas as condições
para a criação de um sindicato de cariz anti-autoritário.

Após a Assembleia fundacional, em Junho de 2006, levou-se cabo a tarefa da
legalização do sindicato, tendo havido necessidade de uma mudança dos
estatutos para ficarem conformes à lei. A sua aprovação ocorreu em finais
de Outubro de 2006 e a publicação no boletim do Ministério do Trabalho em
Novembro do mesmo ano, veio legalizar este sindicato de base.

Paralelamente, o sindicato ia iniciando a sua actividade:

- Tomou posição, em vários comunicados, face às questões que afectam os
trabalhadores portugueses e também fez divulgação de informação sobre as
lutas sociais em Portugal e no mundo;

- Realizou reuniões com militantes e simpatizantes para definir a sua
estratégia;

- Efectuou Jornadas Interprofissionais, ainda em 2006, com debates
públicos sobre precariedade laboral, privatização da educação e
globalização da luta de classes;

- No ano de 2007, realizou um seminário, em Lisboa, sobre «violência na
escola, violência na sociedade», por iniciativa do seu sector da Educação;

- Em Abril-Maio de 2007, a AC-Interpro participou na conferência de Paris
i07, que contou com sindicatos revolucionários e autónomos dos 5
continentes.

Mas, desde cedo, surgiram dificuldades diversas:

As reuniões eram, por vezes, pouco participadas. A organização horizontal
necessita da participação activa de todos os interessados; a ausência de
hierarquias implica a assunção das responsabilidades, por parte de todos.

Um obstáculo imprevisto foi a acção do Ministério Público contra a
AC-Interpro, em Janeiro de 2007, com o intuito de a extinguir, alegando
que os estatutos não estavam conformes com a lei.

Os argumentos eram de duvidosa pertinência. No entanto, por falta de
capacidade financeira, não se podia contratar advogado, envolvendo o
sindicato num processo que poderia ser ruinoso e de desfecho incerto.
Optou-se por não contestar a acção. A sentença acabou por ser decretada
pelo tribunal e o sindicato foi legalmente extinto em finais de 2007.

O Colectivo Luta Social reconstituiu-se. Os seus militantes actuais são,
na sua maioria, ex-membros do sindicato AC-Interpro. Mas desta vez,
assumindo-se como Colectivo autónomo e sem procurar satisfazer exigências
jurídicas destinadas a abafar quaisquer veleidades de contestação ao
sistema instituído. A menos que tenhamos um número relativamente grande de
activistas, a organização de um sindicato, que corresponda minimamente aos
nossos anseios, no quadro da legalidade instituída, não se nos afigura
possível de momento em Portugal.

Agora, com estatutos renovados e com novo «visual», quer do sítio
Internet, quer na lista de discussão a ele associado (*), o Colectivo
estará em condições de aproveitar a experiência acumulada e continuará a
desenvolver um trabalho de intervenção, seguindo os mesmos princípios,
adaptando-os às circunstâncias concretas que vai encontrando.

Uma aposta nossa é a horizontalidade. Todos os membros têm igual peso na
tomada de decisão.

Outra aposta é a abertura; estamos disponíveis para colaborar com outros
colectivos ou associações, sempre que houver convergência de propósitos,
até mesmo quando ela seja limitada a alguns domínios.

É com esse espírito que lançámos estes «Cadernos Luta Social», apostando
nas colaborações. Queremos que boa parte do seu conteúdo seja da autoria
de terceiros, pessoas e entidades amigas do Colectivo, de Portugal ou do
estrangeiro, que queiram contribuir pela reflexão e análise, para lançar
ou aprofundar o debate, num vasto leque de temas:

- A luta de classes não se extinguiu, mas assume novas formas. Quais os
desafios que se nos colocam, quer no plano das tácticas quer da
organização?
- À internacionalização do capital não corresponde uma internacionalização
da solidariedade actuante dos explorados e oprimidos. Que caminhos se
abrem a uma cooperação directa entre os povos, nas suas lutas?

- Há muitas causas transversais, como a igualdade de géneros, o combate ao
racismo e à xenofobia, a luta pela preservação do ambiente e outras, que
deveriam ser confluentes com e fortalecimento do campo não reformista, o
campo anti-capitalista e anti-autoritário. Como agirmos para que isso
ocorra?

- A cultura e a educação verdadeiras são uma troca horizontal, não
hierarquizada. Como nos organizarmos para produzirmos a nossa própria
cultura, em ruptura com a esquizofrénica sociedade de consumo mas, não
isolados da generalidade das pessoas, não encerrados num gueto.

Estamos bem cientes de que apenas podemos começar a dar respostas a estas
e noutras questões, agindo em solidariedade e cooperação no terreno
social.

Não temos soluções «prontas a servir», nem achamos de interesse apresentar
receituários, ou modelos.

Tenhamos a inteligência crítica para perceber que não é possível
aprendermos com as experiências alheias, mormente no terreno social, a não
ser que partilhemos as suas práticas construtivas. Apelamos -por isso - à
cooperação e entreajuda permanentes, no nosso campo.

(*) Sítio Internet: http://www.luta-social.org
Lista de discussão: http://groups.google.com/group/iniciativalutasocial





More information about the A-infos-pt mailing list