(pt) [França] Eleição Presidencial: Nós apenas contamos com nossas lutas! [fr]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 23 de Abril de 2007 - 10:37:55 CEST


[de midiaindependente.org]
Por Alternativa Libertária
Ao final do primeiro turno das eleições presidenciais, Nicolas Sarkozy e
Ségolène Royal irão se enfrentar pela conquista do poder. Alternativa
Libertária não viu nenhum motivo pra votar no primeiro turno e também não
vê nenhum de fazê-lo no segundo.

Nicolas Sarkozy e a UMP pertencem a um projeto liberal para os ricos e
policial para os pobres. Se Sarkozy for eleito será feita uma real
demolição social para as classes populares (aumento da jornada de
trabalho, generalização da precarização do trabalho e o fim do CDI), uma
intensificação da perseguição aos imigrantes, uma intensificação da
repressão policial nos distritos populares. Ele encarna por outro lado uma
direita das mais autoritárias, liberticidas e xenefóbas como atestam suas
declarações durante a campanha pela criação de um Ministério da Imigração
e da Identidade nacional ou sobre a predestinação genética para o abuso de
crianças e o suicídio.

Quanto a Ségolène Royal ela não representa ou não propõe uma alternativa
pra política liberal da direita. Depois de realizar entre 1997 e 2002 uma
boa parte das privatizações exigidas pela burguesia, o Partido socialista
entende que deve atacar também ao CDI e a direita por um salário decente,
dando de presente ao patronato a suspensão do direito do Contrato do
Primeiro emprego. A proposta de subir o salário mínimo geral pra 1200
euros nos demonstra que para o PS não se trata de redistribuir a riqueza
ao custo da destruição do patronato, mas pela deterioração das condições
de vida dos assalariados. Qualquer que seja o resultado do segundo turno,
os trabalhadores e as trabalhadoras só poderão contar com suas próprias
lutas para impor uma real distribuição das riquezas e o direito a uma vida
decente, impedir as demissões e desregulamentação das leis trabalhistas,
conseguir regularizar os imigrantes ilegais, acabar com a discriminação e
a repressão policial.

É na construção de uma resposta e de uma frente social contra o governo e
o Medef que os militantes e as militantes da Alternativa Libertária
estarão, com os vários movimentos sociais, atuando nos meses que virão. Na
oposição as alternativas policialescas, apenas a Frente social pode tornar
possível uma alternativa política para romper com o capitalismo e suas
instituições.

Alternativa Libertária , Abril 22, 2007
 http://www.alternativelibertaire.org

tradução: Florazul




More information about the A-infos-pt mailing list