(pt) "Luta Social" Nº14 (Abril) A demonização do Irão, etapa para uma nova guerra ?

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 24 de Abril de 2006 - 08:14:13 CEST


Colectivo Anti-Autoritário de Luta de Classes
luta_social  sapo.pt

Apelo a julgamento efectivo dos criminosos de guerra portugueses

As pessoas não são informadas sobre o que se está a passar, sobre o
contexto, sobre os antecedentes, nada... mas assustam-nas. E assustam-nas
amplificando a propaganda imperialista que afirma que o Irão é uma ameaça.
Como dizia Goering (ministro de Hitler) "uma mentira propalada um milhar
de vezes torna-se verdade..."

Em termos globais devemos inquietar-nos sim, mas com as pessoas que em
nosso nome decidem os morticínios: Pois há responsáveis, sabemos onde os
devemos procurá-los.
Vejamos quem tem a responsabilidade de quê na "classe política
portuguesa", muito em especial quem apoiou ou quem "lavou as mãos como
Pilatos" nestes episódios recentes da história mundial:
- aquando da guerra contra a Jugoslávia (e já antes com participação
activa no desmembramento deste país com as guerras "étnicas" instigadas
pela UE...)
- assim como a guerra, invasão e ocupação neo-colonial do Afeganistão
- o mesmo em relação ao Iraque

Os criminosos de guerra portugueses são: Jorge Sampaio, António Guterres,
Embaixador Cutileiro, Durão Barroso, Paulo Portas, Santana Lopes, Ferro
Rodrigues, Cavaco Silva, José Socrates e acólitos destes (desde os outros
membros do governo aos acessores, deputados e membros destacados e com
responsabilidades políticas nos partidos PS, PPD/PSD e CDS/PP).

Claro que alguns têm responsabilidades acrescidas pelo seu papel activo ou
pelo seu consentimento tácito e colaboração em crimes de guerra
perpetrados por outros:
devemos destacar - em primeiro lugar - Jorge Sampaio e Durão Barroso

Que venha o dia em que justiça seja feita e que recebam o castigo que
merecem!

Actualmente, só temos uma maneira eficaz de impedir a continuação das
sucessivas guerras do Império: tornando perigoso para os acólitos do
Império Bushita, que estes apoiem ou viabilizem as referidas campanhas...

Uma forma possível, seria abrir processos-crime num tribunal, pela sua
participação ou conivência em crimes de guerra e contra a humanidade.
Devem efectivamente ser julgados os que, em nome do povo português,
colocaram meios materiais e humanos ao serviço de tais crimes.

http://luta-social.blogspot.com




More information about the A-infos-pt mailing list