A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017

(pt) France, Alternative Libertaire AL Novembre - Filme: Amandine Gay, "Open Voice" (en, it, fr) [traduccion automatica]

Date Sun, 26 Nov 2017 08:43:20 +0200


O documentário de Amandine Gay, Open la voix, dá voz àqueles que nunca o têm: mulheres negras, que contam a história da vida diária que enfrentam. Testemunhos essenciais. ---- O lançamento de Open the Voice, o documentário de Amandine Gay, em 11 de outubro no cinema é um tour de force. Um turno de força daquele que trabalhou incansavelmente por quatro anos para disponibilizar as imagens e a mensagem do filme ao público em geral. ---- Além do que nos dizem as dificuldades de lançar o filme (veja nossa entrevista com o diretor acima), precisamos pensar sobre o significado desse documentário. Na primeira forma. Muito simples, mas perfeitamente executado, quase pode parecer austero. Alguns relatórios dão toques de cor a todas as entrevistas. ---- Nós sentimos que o que importa não é tanto os rostos como o que eles têm a dizer. É a voz de que se trata, e essas vozes são claras e falam alto. Eles primeiro contam como eles aprenderam que eram pretos. Ou seja, a maneira como os outros tiveram que mostrar para eles. Este racismo diário não os deixou desde então.

O filme então sai em um redemoinho de histórias de partes da vida. Cento e vinte minutos que não vemos passar, porque essas peças, colocadas de ponta a ponta, nos mostram realidades cruas que a nossa sociedade pós-colonial gostaria de esconder.

A luta a ser travada

Para ler no Alternative Libertaire mensal de novembro a entrevista de Amandine Gay, a diretora do filme

De onde você vem ? - De Limoges. - Não, mas de onde você vem ? Da orientação escolar aos problemas de saúde mental, os temas são amplos porque ocupam toda a vida. Estes são, em primeiro lugar, depoimentos, que só podemos ouvir para entender. Mas também é uma reflexão sobre a luta a ser travada e os efeitos que tem em nossas vidas. Nesse sentido, todos os lutadores e todos os ativistas serão capazes de reconhecer suas perguntas e suas hesitações. De forma muito simples e humilde, algumas mulheres, tão militantes, se sentem cansadas e cansadas.

Mas a luta não pára. O filme abre precisamente o caminho, abrindo a voz, para as futuras gerações militantes. Passageiro ? Este documentário pode ser um deles.

Adèle (AL Montreuil)

Amandine Gay, Open Voice, 2017, 122 min.

http://www.alternativelibertaire.org/?Film-Amandine-Gay-Ouvrir-la-voix
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt